Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

Altair Tavares (à esquerda) e Tiago Batista (à direita). (Foto: Larissa Artiaga/ Portal 730)
04
O diretor técnico do Centro de Referência e Excelência em Dependência Química (Credeq), Tiago Batista de Oliveira, concedeu nesta quinta-feira (06) uma entrevista exclusiva à Rádio 730. No diálogo com o jornalista Altair Tavares, o representante do Credeq esclareceu os principais pontos referentes a abertura de vagas para tratamento de mulheres na instituição.

Ao todo, o Credeq está oferecendo 30 vagas para mulheres e 42 para homens. Até março deste ano, a entidade atendia apenas indivíduos do gênero masculino. Segundo Tiago Batista, para ter acesso ao atendimento os pacientes devem entrar em contato primeiramente com os Centros de Atenção Psicossocial (Caps). "Como o Credeq é uma unidade de retaguarda nós não temos uma porta aberta, os pacientes são encaminhados por meio de outros serviços. Essa é uma decisão coerente porque esses outros serviços têm competência para cuidar dos casos menos complexos".

O Credeq é responsável pelo tratamento de casos severos de dependência química, que não conseguiram respostas em outras terapias. O primeiro passo é agendar uma consulta, na qual o paciente é avaliado por uma equipe multiprofissional (psiquiatra, clínico geral, psicólogo, assistente social e enfermeira). Segundo o diretor técnico, a equipe está preparada para receber os pacientes. "Preparamos a equipe para receber o público feminino e vamos iniciar em breve o treinamento de outra equipe para atender os adolescentes", destaca Tiago Batista.

O resultado  da análise da equipe multiprofissional poderá indicar internação, ou tratamento ambulatorial. Para ambos os públicos se disponibilizam suporte médico e terapêutico (musicoterapia, educação física, terapia ocupacional, enfermagem, assistência social, psiquiatria, clínica geral, psicologia, nutrição).

Para os casos de internação, o protocolo terapêutico prevê uma ação intensiva em torno de 90 dias - três meses -, que poderá ser maior, ou menor, dependendo do caso. Posteriormente a alta, o paciente continuará sendo acompanhado, mas em âmbito ambulatorial, com agendamentos semanais. No decorrer do processo, a presença do paciente ao ambulatório será reduzida.

Os interessados podem entrar em contato com o Credeq pelo telefone (62) 3952-5500 ou pelo site

Confira a entrevista na íntegra:

Com informações da repórter Jordanna Ághata e do Credeq

carregando...

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757