Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

Foto: COB/Divulgação
cob
Os Jogos Escolares da Juventude 2017, evento esportivo com cerca de 4 mil atletas de 26 estados e do Distrito Federal, que ocorrem na capital do país, chegam ao fim neste sábado (25). Durante esta sexta-feira (24), alguns estudantes de 15 a 17 anos ainda estavam competindo em fase de semifinal, no Distrito Federal.

Nessa fase, as competições foram voltadas para as modalidades coletivas, como handebol, vôlei, basquete e futsal. Além dos esportes coletivos, o campeonato contou com o atletismo, badminton, ciclismo, ginástica rítmica, judô, luta olímpica, natação, tênis de mesa e xadrez.

De acordo com o coordenador-geral dos Jogos Escolares da Juventude 2017, Édgar Hubner, a localização do evento facilitou o acesso das delegações. “Muitos vieram de ônibus e outros de avião, mas, por ser central, permitiu que todos pudessem ter uma maior facilidade para chegar”, disse ele.

Para Thiago Fernando Tavares, competidor de vôlei pela cidade do Rio de Janeiro, que jogou contra o Paraná, a expetativa é grande, tendo em vista que eles ganharam dois jogos. “A gente treinava uma vez por semana, sempre à tarde, depois da escola, no clube do Flamengo”, disse ele.

Um dos jogadores do time rival, Lohan Ito, de 15 anos, contou que o principal foco do ano escolar é essa competição, e que espera ganhar o jogo contra o Rio. “Espero que a gente fique bastante focado. A gente treinou bastante e eu acho que estar na semifinal foi consequência de todo esse trabalho do ano inteiro”, disse ele.

Os Jogos Escolares da Juventude são considerados a maior competição esportiva escolar do País, dando a oportunidade para que novos talentos do esporte seja revelado, assim como aconteceu com Mayra Aguiar e Sarah Menezes, do judô, e Hugo Calderano, do tênis de mesa, que competiram nas Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro.

Apesar de ter sido um dia cheio de competições, atletas que não competiram resolveram conhecer a capital federal, como foi o caso de Poliana Souza, que veio de Salvador para competir no vôlei. “Hoje, a gente tirou para tentar conhecer alguns lugares, porque a gente não queria vir para cá e não conhecer nada”, disse ela.

Assim como Poliana, a jogadora de basquete Lavínia Thamires, também de Salvador, cuja equipe vai disputar o terceiro lugar do esporte, aproveitou para conhecer a cidade, começando pela Catedral de Brasília. “É uma cidade bonita. A gente ainda vai no Planalto”, disse ela.

Na edição de 2017, foram investidos pelo comitê cerca de R$ 8 milhões e utilizados 16 hotéis da cidade, com reserva de aproximadamente 27 mil diárias. Além disso, foram utilizados 21 espaços esportivos, sendo dez ginásios e outras áreas do governo local, além de espaços esportivos de clubes, escolas particulares e uma universidade privada.

Da Agência Brasil

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757