Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

Praça Cívica revitalizada vista de cima (Foto: Reprodução/DroneLike)
dronelike
Construída em 1933, a Praça Doutor Pedro Ludovico Teixeira é considerada o marco inicial de Goiânia. Originalmente, o local seria construído para compor uma nova capital de modelo radial concêntrico.

No plano urbanístico de Goiânia, o arquiteto Atílio Correia Lima desenhou o Centro Cívico na parte mais alta da futura cidade, para maior visibilidade do Palácio das Esmeraldas, a residência oficial do governador de Goiás, e de acesso aos setores habitacionais e comerciais.

Há 16 anos, a capital goiana foi tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. A coordenadora técnica do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) em Goiás, Beatriz Santana, explica o que tombamento abrange.

Santana ressalta que a Praça Cívica não possuía a função original, motivo este das obras de restauração. O local foi reinaugurado em 2016.

O local acomoda diversos monumentos que também são patrimônio cultural da cidade. Entre as obras estão o Monumento Carajá, o Palácio das Esmeraldas e o Monumento Às Três Raças. Quanto a este último, Beatriz Santana esclarece que o tombamento é municipal e não nacional.

No entorno da Praça Cívica, existem os populares anéis interno e externo, como é chamada a Rua 82. A doutora em Planejamento Urbano e Arquitetura, Jacira Pires ressalta a importância da via.

A praça abriga todos os anos eventos e apresentações como o aniversário de Goiânia, apresentações culturais e religiosas como os tapetes de Corpus Christi, a cantata de Natal e as festividades de Ano Novo, além de prédios como o Museu Zoroastro Artiaga.

Da repórter Jordanna Ágatha

Confecção de tapete colorido em feriado de Corpus Christi na Rua 82 (Foto: Jerônimo Junio/Arquivo/Portal 730)
tapete

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757