Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

Foto: Iphan
olinda
Quem pensa que Olinda (PE) é só agito, frevo, carnaval, bonecos gigantes e gente bonita...pode ter pensado certo mesmo. Mas nem só de badalação e folia vive a maravilhosa cidade nordestina de 482 anos, um dos símbolos do Brasil-Colônia.

A magia de Olinda se mantém ao longo do ano, com um espetacular conjunto de igrejas barrocas, o casario colonial que abrigas cafés e ateliês de arte, além, é claro, da gastronomia regional.

Quem dá dicas de como encontrar uma Olinda mais pacata, tranquila, apesar do agito dos feriados, mas sem os tradicionais 2 milhões de foliões, é o guia de turismo Renato Lima.  

Ouça a entrevista na íntegra

“Com tranquilidade você pode vir depois do mês março. Você vai curtir a cidade apenas para passear, com poucas atrações. Agora, se quiser festejar o carnaval, já pode vir de agora em diante. Só nesta quinta-feira (7), já teve mais de 200 mil pessoas em Olinda. Os blocos já saíram e a cidade ficou bem animada”, destaca.

O guia conta também que, mesmo em épocas mais tranquilas e, acredite, menos festivas, os maiores símbolos da cidade pernambucana estão relacionadas ao carnaval, à arquitetura do século XVI e às manufaturas.

“As ruas de Olinda, as casas coloridas, a igreja de ouro, os bonecos gigantes que são o símbolo do nosso carnaval, a igreja da Sé, os Quatros Cantos, a Rua do Amparo que tem os bares à noite”, relata.

Quem prefere se hospedar, as diárias em pousadas e hotéis oferecem preços a todos os bolsos, com pernoites a partir de R$ 150. De acordo com Renato Lima, a melhor forma de conhecer Olinda é à pé. “Se for para conhecer os pontos turísticos, em quatro horas é possível fazer isso. Para quem gostar de ver artesanatos ou curtir a noite, leva mais tempo”, analisa.

Fazer tudo isso certamente dá fome, e muita. Mas para quem está em Olinda, alimentação definitivamente não é problema. O guia Renato Lima deixa os aventureiros do Super Destinos com água na boca.

“Quem vem à Olinda tem que provar a carne de bode na brasa, a muqueca de camarão com peixe e a velha carne de sol com queijo coalho, e a famosa tapioca de queijo com coco”, recomenda.

Em 1982, Olinda recebeu o título de patrimônio da humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco). A cidade fica a cerca de 9 km da capital Recife, e a pouco mais de 2,3 mil km de Goiânia.

Clique aqui e acompanhe o Super Destinos no blog da jornalista Luciana Maciel. Você pode ouvir a íntegra de todos os programas anteriores nas próprias matérias ou na aba Podcasts.

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757