Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

Foto: Reprodução/ Internet
frida
"Nada é preto, definitivamente nada", escreveu Frida Kahlo em um de seus diários. O equilíbrio entre dor e esperança é uma das chaves para analisar a artista, fonte de interesse inesgotável que, em parte, bebe do mito criado ao seu redor.

Magdalena Carmen Frida Kahlo Calderón nasceu em 6 de julho de 1907 na Casa Azul, no bairro de Coyoacán, mesmo lugar onde faleceu em 1954, deixando cerca de 200 obras, um romance passional e tumultuado com Diego Rivera e a marca de um caráter rebelde que rompeu com as convenções.

Para a acadêmica Eli Bartra, o reconhecimento nacional e internacional de Frida tem uma parte "legítima", mas também outra que responde ao "marketing" e que deixa em segundo plano o valor de sua produção artística. A professora da Universidade Autônoma Metropolitana, autora de "Frida Kahlo - Mujer ideología y arte" (2003), defende que o mito da artista surgiu nos Estados Unidos e na Europa, onde acharam sua figura "muito exótica, impactante e crítica, embora não seja o quesito crítica que interesse a eles".

Frida provocou um grande impacto, mas o mesmo não aconteceu, por exemplo, com María Izquierdo (1902-1955), ainda que, segundo a professora, sua obra possa ser considerada "tão exótica quanto a de Frida e sua vida, tão ou mais triste". Para ela, o nome de Frida passou a ser icônico por uma "conjunção de fatores".

A obra de Frida é marcada pela presença da dor. Ainda pequena, contraiu poliomielite e aos 18 anos a vida deu uma reviravolta, quando o ônibus em que estava colidiu com um bonde. No acidente, fraturou a coluna e vários ossos e ficou de cama por meses. Por puro tédio, conforme ela mesmo dizia, começou a pintar, e deixou de lado a ideia de estudar medicina.

A dor física ficou imortalizada em pinturas como "La columna rota", um autorretrato em que seu tronco aparece dividido em dois para mostrar a coluna quebrada em três partes. Já o sofrimento da alma brota em criações como "La cama volando", onde mostra um dos abortos que teve. Frida nunca conseguiu ter filhos e essa era uma de suas grandes decepções.

De acordo com Eli, fora do México o que chamou a atenção foi a história da "pobre mulher do terceiro mundo que, apesar de tudo, é uma grande artista". Para a professora, essa é a parte mais "nefasta" no mito Frida.

"O marketing, que fez com que tantas obras da pintora estejam em itens como jogos, cadernos e camisetas, se apoderou de sua figura, vida e obra, com o intuito puro e simples de lucrar", afirmou Eli.

Josefina García, uma das diretora do Museu Dolores Olmedo - que possui uma das coleções mais importantes de Frida Kahlo -, defendeu que a soma das dimensões artística e comercial são o que constituem a "riqueza" da figura da artista.

Para ela, uma pessoa pode se aproximar da pintora através dos produtos e da mesma forma ficará "fascinada" por quem foi Frida Kahlo como artista e pessoa.

"Isso é o que dá à ela o valor além do marketing e o que faz com que seja uma artista tão bem-sucedida", justificou.

De acordo com Josefina, Frida conquista tanta admiração entre os visitantes dos museus porque entre eles e ela cria-se um vínculo, graças ao componente autobiográfico de suas pinturas.

"Quando as pessoas vão a uma exposição de Frida, elas conseguem sentir e se identificar com a artista e encontram outro ser humano que teve, como qualquer pessoa, experiências difíceis na vida", argumentou.

Da Agência EFE

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757