Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

Rodrigo Janot (Foto: Fellipe Sampaio/ SCO/ STF)
janot
A dois meses de deixar o cargo, o procurador-geral da República (PGR), Rodrigo Janot, disse neste sábado (1º), em São Paulo, que a saída de Rocha Loures da prisão faz parte do processo. “Cada um de nós tem seu entendimento jurídico sobre as questões. O que eu posso dizer é que o Ministério Público tem a mão mais pesada que os outros atores de Justiça".

Janot participou neste sábado do Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo, da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), em São Paulo. Ele falou a uma plateia de jornalistas e estudantes sobre o desenrolar da Operação Lava Jato e as perspectivas de combate à corrupção no Brasil.

No painel "Desafios no Combate à Corrupção: a Operação Lava Jato", o procurador voltou a elogiar a decisão do Supremo Tribunal Federal, tomada na última quinta (29), de validar a delação dos executivos da JBS. "A decisão é fantástica. Ela salvou o instituto da delação premiada".

Sobre a denúncia contra o presidente Michel Temer, ele disse que denunciar o presidente do país não é uma tarefa fácil. "Queria passar ao largo disso, mas tenho que cumprir minha missão".

Quanto à imunidade concedida a Joesley e Wesley Batista, sócios da J&F, dona da JBS, Janot afirmou que os irmãos garantiram entregar autoridades e não abriram mão do benefício da delação. "Se eu não tivesse dado imunidade, não tinha acordo. Se não tivesse acordo, não tinha investigação. E se não tivesse investigação, não cessava o crime”. Para ele, a delação não significa que os irmãos não sejam criminosos. "Continua sendo bandido. É réu colaborador".

Para Rodrigo Janot, a escolha de Raquel Dodge, sua sucessora na PGR, foi legítima. “O importante é que o nome escolhido seja da lista. A lista é tríplice, não é eleição direta. E dentro da lista você escolhe um dos três. A escolha foi legítima”.

Da Agência Brasil

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757