Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

Mateus Ferreira (Foto: Reprodução/ Internet)
mateus
O estudante do curso de Ciências Sociais da Universidade Federal de Goiás (UFG), Mateus Ferreira, de 33 anos, que foi agredido por  um policial militar enquanto participava de uma manifestação na sexta-feira (28), em Goiânia, apresentou uma melhora clínica. Ele foi internado no Hospital de Urgências de Goiânia (HUGO) com traumatismo cranioencefálico e várias fraturas no rosto.

Segundo boletim divulgado nesta terça-feira (02) pelo HUGO, o sistema respiratório do estudante está estável e a presão está normal. A suspensão da sedação para avaliação neurológica e início do processo de retirada da ventilação mecânica começou a ser feita nesta terça-feira. 

Ainda de acordo com a assessoria do HUGO, apesar da melhora, Mateus encontra-se em estado estável, porém ainda grave, intubado e permanece internado em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Entretanto, ele não corre risco de morte.

PM Afastado

A Polícia Militar do Estado de Goiás (PM-GO) decidiu pelo afastamento do capitão Augusto Sampaio, subcomandante da 37ª Companhia Independente da PM, suspeito de agredir o estudante.

Segundo a PM, o capitão foi afastado das atividades operacionais mas poderá continuar trabalhando na área administrativa. Além disso, a Polícia Militar se pronunciou sobre o caso por meio de uma nota encaminhada a imprensa, na qual a corporação repudiou a agressão ao estudante. Confira a nota na íntegra:

A Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária (SSPAP) condena veementemente as agressões sofridas pelo estudante Mateus Ferreira da Silva, de 32 anos, do curso de ciências sociais, da Universidade Federal de Goiás (UFG), ocorridas durante as manifestações desta sexta-feira (28/04), no centro da Capital.

Tais agressões não condizem com as tradições e o legado histórico da Polícia Militar de Goiás, que tem uma trajetória de grandes serviços prestados à sociedade e ao estado. A SSPAP não compactua com esses atos que ferem a ética da corporação e das demais forças que compõem a Segurança Pública, cuja missão é proteger vidas e jamais atentar contra qualquer cidadão.

As livres manifestações, desde que pacíficas e ordeiras, são um direito constitucional e legítimo de todos os brasileiros e devem ser respeitadas e preservadas por todos. Mesmo quando houver eventual expressão de condutas delituosas, sempre minoritárias, essas devem ser reprimidas com rigor e cuidado técnico pela polícia, até em defesa do conjunto de manifestantes, mas sem jamais utilizar-se de recursos anti-éticos e perversos, causadores de graves e desnecessárias lesões.

A exigência de imobilização de eventuais manifestantes nunca justificará a transgressão de limites, o abuso e a truculência. A única resposta aceitável é a boa e rigorosa técnica. Diante disso, o comandante-geral da Polícia Militar de Goiás, coronel Divino Alves, determinou o imediato procedimento para investigar a atuação dos policiais militares que ocasionaram as agressões ao estudante Mateus Ferreira da Silva.

A Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária, uma vez comprovada a autoria, será rigorosa na punição, até para demonstrar cabalmente a sua contraposição aos desvios e o seu apoio à imensa maioria dos policiais que atuam com correção moral e autocontrole.

Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária (SSPAP)⁠⁠⁠⁠

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757