Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

dornacervicalSe você sofre de dores nas costas e musculares, saiba que não está só. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), oito em cada dez pessoas em todo o planeta têm o problema.

Uma das principais causas apontadas pelos especialistas é a má postura, como relata o fisioterapeuta Guilherme Faleiro em entrevista no quadro Saúde do programa Cidadania em Destaque desta segunda-feira (11).

“O convívio da vida moderna nos leva a ficar mais em posição de flexão. Trabalhamos, dirigimos, assistimos à TV, ouvimos rádio, sempre sentados. Essa é uma postura que gera muito desgaste na coluna. O próprio meio em que a sociedade está vivendo leva a essa condição de sentir dores na coluna. Então ter uma postura no dia a dia evita este desgaste e problemas futuros”, analisa.

A maioria das pessoas, segundo o especialista, acaba sentando “escorregando” na cadeira. Faleiro explica que a maneira correta de sentar-se é sobre as pernas.

“Temos um ossinho no bumbum chamado de ‘isco’. É sobre ele que devemos sentar, ou seja, sentando sobre ele não tem como deixar a coluna em flexão. Então, o correto é sentar sobre as pernas e não sobre as costas”, pontua.

Faleiro ressalta que atividades como pilates ou mesmo a malhação podem ajudar a evitar problemas, quando executados na maneira e postura corretos.

A dor aguda é a que acomete ao momento. A crônica é uma dor aguda que não se resolveu e vai ficar ali por meses ou anos incomodando. Existe uma memória da dor”, pondera.

Um problema contemporâneo e que tende a prejudicar ainda mais pessoas é o uso frequente do das novas tecnologias como tablets e smartphones, que obriga o usuário a olhar para baixo.

“As alterações posturais que tiram a cabeça do centro de gravidade, ou seja, projetar a cabeça para frente, principalmente nas posturas sentadas, a coluna acaba de adaptando. Flexiona-se a lombar e a cabeça acaba projetando para frente. Então, em vez de apoiada sobre o corpo, vai ser necessário segurar a cabeça”, aponta.

Para saber mais, ouça a íntegra da entrevista a seguir

faleirod

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757