Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

Hospital Alberto Rassi - HGG (Foto: Divulgação)
hospitalalbertorassis
*Com informações da repórter Giuliane Alves O Hospital Alberto Rassi (HGG) superou as expectativas da Secretaria Estadual de Saúde (SES-GO). Isso porque a unidade realizou em um mês 17 transplantes de rins. O titular da pasta, Leonardo Vilela, afirma que a intenção agora é aumentar o índice e transplantar também outros órgãos.

“A ideia é transformar o HGG em uma referência neste procedimento. Nos próximos dias vamos começar também a fazer transplantes de fígado, pâncreas, que são também bastante complexos, mas que, sem dúvida, colocam Goiás na vanguarda, na liderança de transplantes no centro-oeste do Brasil”, afirma.

Atualmente, 232 pessoas aguardam na fila de transplantes. Segundo Leonardo Vilela, caso os procedimentos sigam o ritmo apresentado no período de 17 de março a 17 de abril, em no máximo dois anos, a fila será zerada.

“No ano passado, em todo o estado, foram realizados 84 transplantes de rins, mas não conseguimos reduzir significativamente a fila de pessoas que esperam por este procedimento. Pelo contrário, essa fila vem aumentando lenta e gradativamente. Nós esperávamos fazer em torno de cinco transplantes por mês aqui no HGG. No ano passado a média foi de sete no estado inteiro”, relata.

O próximo passo para ajudar a diminuir essa fila é reforçar a campanha de doação de órgãos em Goiás. “Temos toda a estrutura aqui no HGG e profissionais altamente qualificados que podem fazer um número ilimitado de transplantes renais e, com isso, reduzir drasticamente, rapidamente a fila de espera”, pondera.

Entenda todas as etapas do processo de doação de órgãos:

Diagnóstico de morte encefálica

À princípio, qualquer pessoa que tenha tido a morte encefálica confirmada pode se tornar doadora. Esse é um quadro irreversível em que é diagnosticada a parada total das funções cerebrais. São realizados testes como o eletroencefalograma e a angiografia cerebral para certificar os médicos e a família da parada do órgão.

Em geral, isso ocorre após traumatismos cranianos ou acidentes vasculares. Contudo, apesar da falência do cérebro, o coração continua batendo e é a irrigação sanguínea que mantém os órgãos viáveis para doação. A circulação é mantida artificialmente, por meio de aparelhos e medicamentos, enquanto a Central de Transplantes é avisada e a família é notificada da situação. 

Autorização da família

Após o diagnóstico de morte encefálica, a família deve ser consultada e orientada sobre o processo de doação de órgãos. Depois de seis horas de atestada a falência cerebral, o potencial doador passa por um novo teste clínico para confirmar o diagnóstico. Em seguida, a família é questionada sobre o desejo de doar os órgãos. 

Mensagens por escrito deixadas pelo doador não são válidas para autorizar a doação. Por isso, apenas os familiares podem dar o aval da cirurgia, após a assinatura de um termo. De acordo com o Ministério da Saúde, metade das famílias entrevistadas não permite a retirada dos órgãos para doação.

Por isso, é importante conversar com a família ainda em vida para deixar claro esse desejo. 

Entrevista familiar

Depois da confirmação da morte encefálica e de manifestado o desejo pela família de doar os órgãos do parente, a equipe médica realiza um questionário com os familiares para detalhar o histórico clínico do paciente. A ideia é investigar se os hábitos do doador teriam levado ao desenvolvimento de possíveis doenças ou infecções que possam ser transmitidas ao receptor.

Doenças crônicas como diabetes, infecções ou mesmo uso de drogas injetáveis podem acabar comprometendo o órgão que seria doado, inviabilizando o transplante. Por isso, a equipe médica verifica o passado clínico do doador. A entrevista é um guia para os médicos, que ainda realizam testes biológicos e físicos que indicam também a possível compatibilidade com os receptores na fila do transplante. 

Retirada de órgãos

De um mesmo doador, é possível retirar vários órgãos para o transplante. Em geral, as cirurgias mais recorrentes são as de coração, pulmões, fígado, pâncreas, intestino, rins, córnea, vasos, pele, ossos e tendões. Com isso, inúmeras pessoas podem ser beneficiadas com os órgãos de um mesmo doador. Os órgãos que duram menos tempo uma vez fora do corpo são retirados antes. 

Nos 27 centros de notificação integrados, os dados informatizados do doador são cruzados com os das pessoas que aguardam na fila pelo órgão para que o candidato ideal, conforme urgência e tempo de espera, seja encontrado em qualquer parte do País.

Os profissionais envolvidos no processo trabalham em contagem regressiva para não ultrapassar o tempo limite para a retirada dos órgãos e também para a preservação dos mesmos durante o transporte. 

b_300_0_16777215_00_http___www.brasil.gov.br_saude_2016_06_doaodergos.JPG

Transporte

Quando a doação é entre pessoas de Estados diferentes, o Ministério da Saúde viabiliza o transporte aéreo dos tecidos e órgãos. A pasta tem um acordo voluntário de cooperação com companhias aéreas para assegurar o translado. As empresas transportam os órgãos gratuitamente em voos comerciais.

Em 2015, o Ministério da Saúde viabilizou o transporte de 1.164 órgãos e 2.409 tecidos para transplantes por meio do termo de cooperação e ainda 110 órgãos e 219 tecidos por meio de voos fretados e transportes terrestres em parceria com as Centrais Estaduais de Transplantes.

Para reforçar o processo de transporte, o presidente em exercício, Michel Temer, por meio de decreto, determinou que a Força Aérea Brasileira (FAB) também forneça apoio ao Ministério da Saúde, especialmente em missões solicitadas pela Central Nacional de Transplantes.

Recuperação

Depois de transplantado, o paciente tem um pós-operatório semelhante ao de outras cirurgias. Mas o sucesso da operação depende de vários fatores, como as condições do órgão e o estado de saúde do paciente. No entanto, ele terá de tomar remédios imunossupressores durante toda a vida para evitar uma possível rejeição do corpo ao novo órgão.

A estimativa do Ministério da Saúde é de que a sobrevida dos pacientes depois de cinco anos da cirurgia é de 60% nos casos de transplante de fígado e pulmão; 70% para cirurgias de substituição do coração; e 80% para os transplantes de rim.

Foto: SES-DF
etapas

Com informações do Ministério da Saúde

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757