Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

Foto: Reprodução/ Internet
aedewsaegypti
Os casos de dengue notificados em Goiânia sofreram redução de 82,40% na comparação entre os dois primeiros meses deste ano e o mesmo período de 2016. As notificações passaram de 26.471 para 4.657, segundo Boletim Epidemiológico da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) da Capital. Em 2017, nenhum óbito por dengue foi registrado. Em relação às infecções pelo vírus Zika, no mesmo período, houve uma queda de 80,81%, de 1.887 passaram para 362 casos. Das notificações deste ano, três já foram confirmadas em gestantes. 

“Quando a sociedade ajuda e se mobiliza, os resultados acontecem”, pontua a secretária municipal de Saúde, Fátima Mrué. Para a gestora, os dados são resultados do trabalho de intensificação do combate ao Aedes aegypti da Prefeitura de Goiânia. Desde o início do ano, por exemplo, a SMS tem utilizado armadilhas para capturar ovos do mosquito para que, a partir do quantitativo encontrado em cada região da Capital, intensifique as atividades contra o vetor. “As ovitrampas servem para orientar as ações para eliminar o Aedes no município”, destaca Mrué.

Outra estratégia para combate ao Aedes é a Operação Cata Pneus, que - neste ano de 2017 - já recolheu mais de 50 mil pneus em toda Goiânia. A partir da próxima semana, a ação será realizada em todas as quartas-feiras, até o mês de junho, com o objetivo de retirar os materiais do ambiente e realizar a destinação adequada. Além disso, os agentes de combate a endemias continuam a fazer o trabalho de rotina de visitas aos imóveis, vigilância e orientação. Para denunciar locais com criadouros do mosquito, a população pode entrar em contato com a Diretoria de Vigilância em Zoonoses por meio dos telefones do “Disque Aedes”, 3524-3125 ou 3524-3131.

Números

Durante todo o ano de 2016, foram notificados 62.920 casos de dengue em Goiânia com registro de catorze óbitos. Os números revelam a necessidade de constante monitoramento aos focos e criadouros do vetor responsável pela transmissão da doença. 'Com o período chuvoso, a atenção deve ser redobrada e cabe ao poder público e à população se unir contra o Aedes”, explica o superintendente de Vigilância em Saúde da SMS, Robson Azevedo. Quanto à Zika, no ano passado, foram notificados 8.708 casos com 333 confirmações em gestantes.

Para este ano, além da atenção aos casos graves de dengue e da síndrome congênita do Zika vírus, a febre de Chikungunya é motivo de preocupação para as autoridades de saúde. Como é grande a quantidade de pessoas que nunca tiveram contato com o vírus, é preciso estar atento para uma possível epidemia da doença neste verão. Em 2017, já foram notificados oito casos de Chikungunya no município, enquanto o ano anterior encerrou com 90 notificações realizadas.

De acordo com o último Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa), o atual IPP em Goiânia é de 1,39%. O valor aponta um cenário de médio risco e exige um estado de alerta em relação à infestação pelo mosquito. Os números superiores a 3,9% indicam alto risco de epidemia das doenças causada pelo vetor. O estudo foi realizado no período de 2 a 6 de janeiro de 2017.

Com informações da Prefeitura de Goiânia

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757