Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

Andrey Azeredo nos estúdios da 730 (Foto: Giovanna Lopes/Portal 730)
andreyazeredoentrevista
Os principais problemas de Goiânia foram o foco da entrevista do presidente da Câmara Municipal, Andrey Azeredo (PMDB), na manhã desta terça-feira, 24 de outubro, feriado de 84 anos da Capital goiana, no programa Primeiro Tempo da Notícia – Debates, na 730.

Azeredo abordou diversos temas como meio ambiente, saúde, mobilidade urbana, transporte público e a questão da crise hídrica vivida na Grande Goiânia. Ele ressaltou a importância de climatização dentro dos ônibus na capital e criação de um órgão que realize a gestão conjunta de trânsito e transporte, como acontece em Belo Horizonte.

“Ar condicionado nos ônibus. Vivemos com temperaturas escaldantes em Goiânia. O calor está absurdo, o clima muito seco e não temos ônibus com ar condicionado. Isso precisa ser de imediato. Temos também que continuar investindo no verde, preservando nossos mananciais, o que é qualidade de vida não só para a nossa mas para gerações futuras”, argumenta.

Apesar de as obras do Bus Rapid Transit (BRT) em Goiânia estarem paralisadas desde o último mês de julho, Andrey Azeredo afirma que essa é a forma mais barata de garantir um transporte público de qualidade na Capital, e reitera a necessidade de modernização do Eixo-Anhanguera.

“Temos soluções mais baratas e mais práticas como BRT. O Eixo-Anhanguera, por exemplo, é um dos primeiros BRTs do mundo. Podemos investir em corredores que não sejam somente em trechos, mas de ponta a ponta, do terminal de origem ao de destino. Com isso diminuiremos o tempo da viagem, teremos maior eficiência, pontualidade, mais qualidade no transporte, e aí o transporte coletivo será de fato atrativo, e não a última opção, como é hoje”

Tecnologia

O presidente da Câmara defende que as novas tecnologias sejam cada vez mais incorporadas aos serviços públicos. “Uma cidade tecnológica que faça o cidadão ser tecnológico. Não adianta ter as ferramentas e o cidadão não saber usá-las. Não concebo o fato de ter que ir pessoalmente ir aos órgãos públicos pedir documentos. Isso tem que mudar, podemos resolver tudo na palma da mão hoje”, avalia.

Saúde

O vereador questionou ainda a necessidade de melhorias nos serviços de Saúde da Capital. De acordo com Andrey Azeredo, Goiânia possui mais pacientes na rede pública municipal do que habitantes.

“Goiânia tem uma conta absurda. São 4 milhões de cartões SUS para uma população de quase 1,5 milhão de habitantes. Isso precisa ser revisto, um novo recadastramento já está sendo realizado pela Secretaria Municipal de Saúde e esperamos que, ao final nós tenhamos, de fato, um número de cartão SUS compatível com os nossos moradores. Não quero dizer que não iremos dar assistência a quem vem do interior, mas que ele venha de fato encaminhado pelos meios corretos para que aquilo que for gasto em Goiânia com a saúde dessa pessoa que mora no interior seja ressarcido a Goiânia e assim possamos gerar um melhor atendimento na área de Saúde a todos”, analisa.

Crise hídrica

Há semanas, a população goianiense e da região metropolitana clama por regularidade no abastecimento. Diversos bairros da Capital estão sem água, apesar da antecipação na inauguração do Sistema Mauro Borges. Andrey Azeredo reforçou o discurso do prefeito Iris Rezende da possibilidade de municipalização do serviço de água e esgoto em Goiânia.

“É preciso dar celeridade a isso e a Saneago tem que agir com muita responsabilidade. Por isso que o prefeito Iris Rezende disse, em entrevista na semana passada e muitos consideraram como muito radical, mas que eu endosso. Ou a Saneago toma atitude, cumpre o seu papel e atende a Goiânia e região metropolitana com qualidade, ou Goiânia vai refletir ainda mais sobre reassumir o controle, investimento e distribuição da água e do tratamento de esgoto na Capital. Goiânia representa 42% da receita da Saneago”, reitera.

Ouça a entrevista na íntegra

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757