Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

Wellington Peixoto (Foto: Larissa Artiaga/ Portal730)
wellingtonpeixoto
O vereador Wellington Peixoto (PMDB) concedeu nesta segunda-feira (28) uma entrevista exclusiva à Rádio 730. Em pauta, o andamento da Operação Multigrana, que investiga desvios de recursos oriundos da venda de ingressos nos Parques Mutirama e Zoológico.

O caso teve uma reviravolta depois que ex-servidores da Agência Municipal De Turismo Eventos e Lazer (Agetul) – órgão responsável pela administração dos Parques – delataram, em depoimento ao Ministério Público do Estado de Goiás (MPGO), o envolvimento de políticos nas fraudes.

Entre os políticos citados está o vereador Wellington Peixoto, que é filho do ex-presidente da Agetul, Sebastião Peixoto. Questionado sobre o assunto, o vereador afirmou que não está envolvido nas fraudes.  “Me citaram para atingir o meu pai (Sebastião Peixoto). Quiseram atingir o meu pai, que foi presidente da Agetul por aproximadamente 1 ano e dois meses. Ligaram meu nome ao dele. Meu nome foi citado em um único depoimento, de uma ex-funcionária, que em nenhum momento disse que eu estava indo ao Mutirama para pegar dinheiro”, se defende Wellington Peixoto.

O depoimento ao qual o vereador se refere foi prestado ao MPGO pela ex-diretora financeira da Agetul, Larissa Carneiro, acusada de ter se apropriado indevidamente de R$ 30 mil. Larissa assumiu o cargo no lugar de Geraldo Magela, apontado pelo Ministério Público como suposto chefe da organização criminosa.

Larissa Carneiro afirmou ainda, em depoimento, que além da fraude na bilheteria, a Autorama, empresa responsável pela manutenção dos brinquedos do Parque, superfaturava notas fiscais em 37%, embutindo valores que seriam desviados. Segundo a ex-servidora da Agetul, o superfaturamento seria parte de um acordo entre Sebastião Peixoto e a Autorama.

De acordo com Wellington Peixoto, Sebastião Peixoto não desviou recursos do Mutirama e não praticou fraudes durante o período em que esteve à frente da Agetul.  “Na época em que meu pai foi presidente da Agência, o engenheiro responsável pelo Parque, que é o mesmo que está lá hoje, tinha registro. As manutenções foram feitas. Neste ano o Mutirama estava muito cheio, mais até do que em anos anteriores”, analisa.

As fraudes nas vendas de ingressos do Mutirama e do Zoológico foram descobertas depois que o atual presidente da Agetul, Alexandre Magalhães, denunciou o caso à justiça. No mês passado, vereadores de oposição ao prefeito Iris Rezende (PMDB) pediram à saída de Magalhães, por considerar que ele deveria ser responsabilizado pelo acidente com o brinquedo Twistter, ocorrido no dia 26 de julho, no qual 11 pessoas ficaram feridas. Todavia, Iris garantiu a permanência de Alexandre Magalhães no cargo até o fim das investigações.

Acompanhe a entrevista completa:

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757