Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

Foto: Reprodução/ Internet
assembleia13
A Governadoria vetou integralmente, através do projeto n° 2778/17, a matéria de  n° 0557/17, de autoria do deputado Karlos Cabral (PDT), que pretendia tornar obrigatória a colocação de tachas refletivas sobre as marcas longitudinais nas rodovias de maior tráfego de veículos automotores.

A exigência, prevista no artigo 88 do CTB, quanto à obrigação de que as vias pavimentadas só possam ser entregues após a sua devida sinalização, vertical e horizontal, foi, de pronto, meritória, na medida em que promoveu o necessário cuidado quanto à segurança nas condições de trânsito no Brasil.

Tais exigências, segundo o parlamentar, se justificavam  pelo fato de que a implantação de sinalização deve atender a critérios técnicos que só podem ser definidos por aqueles que detêm conhecimento especializado na área. Assim, a definição dos parâmetros técnicos das tachas refletivas e a dotação orçamentária necessária deve ser realizada pela Agência Goiana de Transportes e Obras (AGETOP).

 Segundo a justificativa da Procuradoria-Geral do Estado, o veto se deu em decorrência de inconstitucionalidade, uma vez que a legislação a trânsito e transporte são privativas da União, “Em proposições sobre tema afim, já foi dito nesta Casa que a matéria em foco é de competência privativa da União, nos termos do art. 22, XI, da Constituição Federal”. 

Da Assembleia Legislativa

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757