Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

Foto: Hegon Guimarães
caugo
O arquiteto e urbanista, Nabil Bonduki, que é ex-vereador por São Paulo e relator do atual Plano Diretor da capital paulista, concedeu uma entrevista exclusiva à Rádio 730 nesta terça-feira (08). Bonduki veio à Goiânia para palestrar na décima edição da Aula Magna do Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Goiás (CAU-GO).

A Lei Complementar nú­me­ro 171, de 29 de maio de 2007 (LC 171/07), o Plano Diretor de Goiânia, completou dez anos em 2017. De acordo com o Estatuto das Cidades, o Executivo de cada cidade fica obrigado a apresentar um projeto de revisão do Plano Diretor a cada dez anos de vigor da legislação municipal.

Segundo o arquiteto e urbanista, Goiânia reúne condições satisfatórias para colocar em prática um Plano Diretor capaz de promover o crescimento da cidade sem causar prejuízos ambientais.

De acordo com dados do Detran e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), datados de 2016, o Brasil possui cerca de 1 veículo para cada 4 habitantes. Em Goiânia, o número de veículos em circulação aumentou mais de 300% nos últimos anos, chegando a 1 carro para cada 2,5 habitantes. Como resultado, o trânsito se tornou um dos principais entraves ao desenvolvimento da cidade.

Considerando as estatísticas, Nabil Bonduki avalia que a eficiência do Plano Diretor está diretamente ligada à mobilidade urbana. Para o arquiteto e urbanista, o investimento nesse setor é uma necessidade e os gastos devem ser planejados a médio e longo prazo.

Bonduki ressalta ainda o que poderia ser feito para melhorar o transporte coletivo de Goiânia.

O objetivo de um Plano Diretor é determinar melhorias para uma cidade, no que tange, por exemplo, a definição das linhas de ônibus, a proteção de rios e córregos destinados ao abastecimento da população, a criação de áreas verdes e de lazer, o limite à altura das edificações e a definição de zonas destinadas à moradia popular. As melhorias devem atender a toda a população local, que pode e deve participar ativamente da elaboração da lei. 

Ouça a entrevista completa:

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757