Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

Adriana Accorsi (Foto: Larissa Artiaga/ Portal 730)
adrianaaccorsi
A deputada estadual Adriana Accorsi (PT) concedeu, nesta segunda-feira (31), uma entrevista exclusiva à Rádio 730. No diálogo com os jornalistas Cléber Ferreira, Eduardo Horácio e Rubens Salomão, Accorsi relembrou a trajetória política do ex-prefeito de Goiânia, Paulo Garcia, que morreu no domingo (30), vítima de um infarto fulminante.

Ao comparar a gestão do ex-prefeito com a gestão da ex-presidente Dilma Rousseff, a deputada afirmou que, no futuro, a população reconhecerá a importância de obras construídas durante o mandato de Paulo Garcia. “Assim como está acontecendo com a Dilma, acredito que a população vai reconhecer a importância de algumas obras deixadas por Paulo Garcia e que não foram, talvez, compreendidas. Sinto muito que as obras do BRT não estejam tendo continuidade. Foi objeto de matéria nesta semana a informação de que os recursos federais destinados à construção do BRT não estejam chegando a Goiânia”, pontua Adriana.

Durante o velório do ex-prefeito, o secretário de Meio Ambiente, Recursos Hídricos, Cidades, Infraestrutura e Assuntos Metropolitanos, Vilmar Rocha (PSD), confirmou que convidou Paulo Garcia a filiar-se ao PSD. Accorsi garantiu, todavia, que o ex-prefeito nunca quis sair do PT. “Ele disse pra mim que não iria sair do PT. Conversamos sobre o futuro do partido e já estávamos começando a pensar um trabalho conjunto para o ano que vem (em referência às eleições de 2018)”.

Paulo Garcia tinha 58 anos. Ele morreu no apartamento onde morava com a esposa, Tereza Beiler, em Goiânia. O corpo do petista foi sepultado ainda no domingo, às 17h, no cemitério Jardim das Palmeiras, localizado na capital.

Paulo de Siqueira Garcia, nascido em 13 de maio de 1959, foi eleito vice-prefeito de Iris Rezende (PMDB) em 2008, e assumiu a prefeitura em 1º de abril de 2010, com a renúncia do peemedebista para a disputa do governo do Estado de Goiás.

O petista foi secretário de organização da sigla na Capital e suplente de vereador da mesma cidade em 2000, além de ter sido deputado estadual de Goiás no período de 2002 a 2006. Era neurocirurgião, formado pela Universidade Federal de Goiás (UFG). O goianiense deixa uma esposa e dois filhos.

Ouça e assista a entrevista na íntegra:

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757