Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

Foto: Reprodução/ Internet
fabiosousa3
O deputado federal Fábio Sousa (PSDB) concedeu nesta sexta-feira (16) uma entrevista exclusiva à Rádio 730, na qual comentou a atual situação política do país e a manutenção da aliança entre PMDB e PSDB.

A decisão do PSDB sobre a permanência na base do governo acontece no momento em que os deputados federais aguardam a possível formalização de uma denúncia – protocolada pela Procuradoria Geral da República (PGR) - contra o presidente Michel Temer (PMDB).

Durante a entrevista, Fábio Sousa – que é membro da Comissão e Constituição e Justiça da Câmara (CCJ) - garantiu que apesar de se posicionar de forma contrária à aliança entre peemedebistas e peessedebistas, deve continuar atuando como membro titular da Comissão se o documento for encaminhado à Casa. “O nosso líder, deputado federal Ricardo Trípoli (PSDB), já deixou bem claro que não haverá substituição na CCJ se a denúncia contra Temer chegar à Câmara”, assinala.

Ainda de acordo com Fábio Sousa, a tendência é de que a CCJ acate a denúncia do Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, se o texto for aceito pelo Supremo Tribunal Federal (STF). “A denúncia ainda é uma hipótese, ela ainda não existe de fato, mas é muito difícil que o Ministério Público Federal (MPF) elabore uma denúncia que esteja fora dos padrões técnicos. Portanto essa denúncia, se apresentada, deve ser aceita na CCJ. Agora, a votação no plenário é uma outra história”, assinala” acrescenta.

A PGR investiga se Temer cometeu ou não os crimes de corrupção passiva, organização criminosa e obstrução de Justiça, por meio de inquérito aberto no Supremo Tribunal Federal (STF) após as delações premiadas dos donos do frigorífico JBS – Wesley e Joesley Batista – virem à tona.

O envio da denúncia de Rodrigo Janot ao Supremo Tribunal Federal (STF) deixa a cargo do ministro  Edson Fachin a decisão sobre a validade das provas. Se aceitar as alegações de Janot, Fachin enviará o processo para a Câmara dos Deputados e os parlamentares determinarão se o presidente será ou não julgado.

Confira a entrevista na íntegra:

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757