Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

Rubens Otoni (Foto: Portal 730)
rubensotoni
O deputado federal Rubens Otoni (PT) concedeu nesta quinta-feira (18) uma entrevista exclusiva à Rádio 730, na qual posicionou-se – enquanto membro da oposição ao governo federal – em relação às delações premiadas dos donos do frigorífico JBS, Joesley e Wesley Batista, à Procuradoria-Geral da República (PGR).

Os executivos acusam o presidente Michel Temer (PMDB) e o senador Aécio Neves (PSDB) de corrupção. Joesley e Wesley Batista afirmaram que gravaram o presidente Michel Temer dando o aval para comprar o silêncio do ex-presidente da Câmara, o deputado cassado e preso na Operação Lava Jato, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Já Aécio Neves teria sido gravado pedindo R$ 2 milhões a Joesley Batista.

Segundo o deputado Rubens Otoni, as delações poderão culminar com o desmantelamento da base governista, visto que alguns parlamentares da própria base estão pedindo a renúncia de Temer. “A base aliada do governo admite a renúncia. O clima em Brasília é de muita tensão e de muita perplexidade, estamos em busca de uma saída. A saída, não tenho dúvidas, é a renúncia de Michel Temer e a realização de eleições diretas que colocarão o Brasil nos trilhos”, afirma.

Ainda de acordo com Rubens Otoni, a não realização das eleições diretas pode levar a uma nova crise político-econômica no país. “Tem gente pensando no golpe dentro do golpe. Tem gente que sonha em retirar Temer e dar um golpe dentro do golpe com outras pessoas assumindo. Nesse caso, nós poderíamos nem ter eleições no próximo ano. O governo Temer acabou, mas a elite vai continuar articulando para permanecer no poder”, acrescenta.

As delações dos donos da JBS podem ter consequências significativas, como por exemplo, o impeachment ou a renúncia do presidente Michel Temer. Caso a renúncia ou o impedimento se concretizem, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), assumiria temporariamente a presidência e convocaria uma eleição indireta, já que a chapa que elegeu Temer já completou mais da metade do mandato.

Confira a entrevista na íntegra:

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757