Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

Kátia Maria (Foto: Larissa Artiaga/ Portal 730)
katiamaria
A presidente do Partido dos Trabalhadores em Goiás (PT-GO), Kátia Maria, concedeu uma entrevista exclusiva à Rádio 730, na qual analisou o atual contexto político brasileiro e apontou as principais articulações do PT para as eleições de 2018.

Filiada desde 2003 e membro da Executiva estadual desde 2007, Kátia Maria foi eleita a primeira mulher Presidente Estadual do PT em Goiás, com aproximadamente 95% dos votos, de um total de 250 delegados que participaram do VI Congresso Estadual do Partido dos Trabalhadores de Goiás.

O Partido dos Trabalhadores em Goiás tem 7.300 filiados que participaram da eleição para a tiragem de delegados para o Congresso, que por sua vez, elegeram Kátia Maria, para substituir César Donizete na presidência estadual da legenda. 

Segundo a nova presidente, durante seu mandato, o PT goiano estará focado na candidatura do ex-presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva à presidência. “Eles, a elite, vão tentar impedir a candidatura de Lula porque sabem que só assim para evitar que o Lula ganhe, as pesquisas mostram isso. Todas as pesquisas colocam o Lula na frente dos outros candidatos. Se o Lula não for o candidato pode ter certeza que o nome que o Lula defender será o presidente”.

Ainda segundo Kátia Maria, apesar do cenário nacional mostrar uma realidade oposta, não existem animosidades entre PMDB e PT em Goiás. “Nós temos bom diálogo com o PMDB, o que não quer dizer que existam acordos entre os dois partidos. Na próxima eleição, um possível acordo vai depender muito de com quem o PMDB estará em 2018. Quem quiser estar conosco em Goiás tem que estar com Lula em 2018 e quem estiver com o Caiado aqui também não estará conosco”, afirma.

Pleito Unificado

O presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia (DEM), desengavetou no dia 04 de maio uma proposta de 2003 que propõe alterações na Constituição em relação ao sistema eleitoral e ao financiamento de campanhas. O texto propõe originalmente o fim das eleições de dois em dois anos. Pelo chamado 'pleito único', os brasileiros votariam para todos os cargos do legislativo e do executivo simultâneamente, de quatro em quatro anos.

Além disso a proposta  apresentada há 14 anos, prevê que  deputados federais e estaduais, prefeitos, vereadores, governadores e presidente da República tenham mandato de cinco anos, com exceção de senadores, que teriam mandato de dez anos caso a proposta fosse aprovada. Ao ser questionada pelo jornalista Cléber Ferreira sobre o assunto, a presidente do PT-GO, Kátia Maria avaliou os prós e contras do pleito único. "Pode ser que a mudança gere economia, mas ao mesmo tempo, quando você coloca uma eleição municipal junto com uma eleição nacional, a eleição nacional sobressai e você acaba não debatendo temas relevantes para o município", pontua.

Confira a entrevista na íntegra:

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757