Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

Alexandre Baldy (Foto: Portal 730)
baldy
O deputado federal Alexandre Baldy (PTN) afirmou em entrevista concedida com exclusividade à Rádio 730, que o fato de ter votado a favor da reforma trabalhista não criará obstáculos para sua campanha à reeleição em 2018.

A proposta de reforma trabalhista foi aprovada na Câmara Federal na quinta-feira (27) por 296 votos a favor e (eram necessários pelo menos 257) e 177 contrários. O texto segue para votação no Senado.

Entre os deputados goianos, além de Baldy, votaram a favor da reforma: Célio Silveira (PSDB), Daniel Vilela (PMDB), Fábio Sousa (PSDB), Giuseppe Vecci (PSDB), Heuler Cruvinel (PSD), Jovair Arantes (PTB), Lucas Vergílio (Solidariedade), Magda Mofatto (PR), Marcos Abrão (PPS), Pedro Chaves (PMDB), Roberto Balestra (PP) e Thiago Peixoto (PSD).

Dos políticos goianos, apenas Flávia Morais (PDT), Delegado Waldir (PR) e Rubens Otoni (PT) votaram contra a reforma. “Eu acredito que com a recuperação da economia e com a geração de novos empregos, aqueles que apoiaram a reforma trabalhista vão ter reflexo positivo”, pontua Alexandre Baldy.

O deputado ainda classificou como pontos positivos, trechos da reforma que dispõem sobre a flexibilização das férias e sobre o fim da contribuição sindical. “Essa reforma trabalhista servirá para dar ao trabalhador a oportunidade de escolher realmente se ele quer ou não contribuir com o sindicato, para que ele não tenha a obrigação de cumprir coisas que não sejam pertinentes à sua vontade. Nós não restringimos nem diminuímos nenhuma garantia trabalhista”.

Greve geral

Trabalhadores e membros ligados à organizações da Sociedade Civil de todo o país se uniram na sexta-feira (28) em protesto contra as reformas trabalhista e da previdência. Em Goiânia, os organizadores estimam que pelo menos 30 mil pessoas tenham participado das manifestações, número que não foi confirmado pela Polícia Militar (PM).

Ao avaliar as manifestações, o deputado afirmou que há interesses pessoais envolvidos nos grupos que lideraram os protestos. “Essas manifestações foram encampadas por aqueles que perderam privilégios, que perderam garantias. Sou empresário e ganhei minha vida trabalhando. Sou contra qualquer privilégio de qualquer segmento ou setor”.

Confira a entrevista na íntegra:

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757