Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

Paulo Sérgio Rezende. (Foto: Portal 730)
paulinhohidro
O presidente da Associação Goiana dos Municípios (AGM) e prefeito de Hidrolândia, Paulo Sérgio de Rezende (PSDB), concedeu nesta quarta-feira (22) uma entrevista exclusiva à Rádio 730. Na ocasião, o presidente da AGM avaliou as oportunidades e os desafios que se apresentam à sua gestão.

Acerca das adversidades, Paulo Sérgio Rezende destaca que os projetos em trâmite no Congresso Nacional  estão, por vezes, distantes das reais necessidades dos municípios. “Às vezes nós ficamos esperando uma emenda de um deputado federal, esperando que o governo cumpra o seu dever com os municípios, quando na verdade nós precisamos ser mais rígidos para sermos ouvidos. Somos nós, os prefeitos, que estamos diretamente ligados às cidades. Eles impõem demandas lá no governo federal e os municípios que pagam as contas”.

Em contrapartida, o presidente da AGM elogiou o relacionamento do Executivo estadual com os municípios. Segundo Rezende, o governador Marconi Perillo (PSDB) tem atendido todas as demandas dos prefeitos, independente de partidos políticos. “O Marconi nos recebe muito bem. Não estou aqui defendendo ele, só estou dizendo que ele é cordial com os prefeitos. Se o governador deixar de nos ouvir nós teremos uma conduta diferente em relação ao estado, mas não podemos também levar tudo a ferro e fogo”, esclarece.

Repasses

Segundo dados do governo de Goiás, dos R$ 6,1 bilhões arrecadados de Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) no primeiro semestre deste ano, a Secretaria da Fazenda repassou mais de R$ 1,4 bilhão aos 246 municípios referentes ao percentual constitucional.

De acordo com Paulo Sérgio Rezende, os repasses dos governos estadual e federal estão sendo pagos em dia. Entretanto, no que tange aos recursos federais, o presidente da AGM afirma que o montante nem sempre é suficiente para cobrir os gastos públicos. “Nós recebemos R$ 45 mil mensais do governo federal para o serviço de transporte escolar, quando nós gastamos R$ 150 mil. Então é por isso que nós precisamos ir à Brasília mostrar para o governo que a situação dos municípios está insustentável”, declara.

Confira a entrevista na íntegra:

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757