Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

Momento Pró-Aprendiz desta quarta-feira (6) abordou a campanha Natal Total, da Rede Pró-Aprendiz (Foto: Johann Germano)
pmod
Fazer a alegria de jovens e suas famílias em uma época mais que especial, em que a solidariedade transborda nos corações das pessoas, na esperança de começar melhor um novo ano que se aproxima. No último sábado (2), a Rede Pró-Aprendiz, juntamente com colaboradores e parceiros, realizou mais uma edição do Natal Total. Mais de 60 famílias assistidas pela fundação foram visitadas na ação.

A coordenadora do Núcleo de Acompanhamento, Seleção e Encaminhamento do Jovem (Nasce) Jéssica Mendes de Araújo, concedeu entrevista no Momento Pró-Aprendiz desta quarta-feira (6) no Cidadania em Destaque, da Rádio 730. Ela explica como funciona e qual o objetivo da ação.

“É um dia de voluntariado, que acontece aos sábados pela manhã, e todos os colaboradores estão convidados a estar presentes. É estendido a parceiros, jovens que desejam visitar outros jovens, e acaba tendo essa dinâmica muito bacana. Então o colaborador que não tem esse contato com o jovem, tem essa oportunidade no Natal Total, de ir nas casas, de conhecer a família e como os jovens vivem, levando uma cesta básica ou um complemento alimentar, brindes, cartões natalinos, lembrancinhas que são feitas também pelos jovens. Uma visita de muito afeto e muito carinho. A gente vai para doar, mas somos nós mesmos que recebemos”, ressalta.

A ação atende a jovens assistido pelo departamento psicossocial da Rede Pró-Aprendiz, como destaca a assistente social de Atendimento Multidimensional Especializado (AME), Juliana Nahid Jermach, também nos estúdios da 730.

“Gostaríamos que fosse estendido para todos. Durante o curso teórico, com os instrutores, eles percebem a necessidade daqueles jovens e daquela família que estão em alguma situação de vulnerabilidade, ou algum jovem que está com problemas em casa”, afirma.

A família do jovem aprendiz João Marcelo Miranda, de 16 anos, que com uma voz potente sonha em ser locutor, faz parte de uma dessas 60 famílias atendidas na ação. Ele conta como foi a experiência de receber a visita.

O jovem aprendiz João Marcelo Miranda, de 16 anos, recebeu em casa a visita da ação Natal Total (Foto: Petras de Souza)
mpae

“Foi uma troca de experiência muito grande. Eles chegaram lá, mais ou menos umas cinco pessoas, e foram muito interessantes, legais, pessoas humildes, que chegaram lá rindo o tempo todo. Levaram uma cesta com frutas, minha vó fez até um suco para eles. Conversamos sobre os assuntos da Fundação Pró-Cerrado e sobre a nossa vida, por cerca de uma hora”, relembra.

Da Rádio 730, os diretores de Recursos Humanos, Cléia Medeiros, e de Jornalismo, Petras de Souza, também participaram da ação no último sábado. Ela relata que a experiência foi, no mínimo, diferente.

“Você vai visitar a família com outro olhar, um olhar de solidariedade e de entender um pouco e compartilhar o que esses jovens vivem e, de certa, acabamos tendo um feedback do projeto como um todo, ver que o trabalho tem frutos. Nessa conversa, eles também falam da gratidão de ter conseguido colocar o seu filho dentro do projeto. As casas que visitamos foram pessoas muito simples e que tinham uma necessidade material, uma estrutura emocional”, ressalta.

Cléia foi uma das parceiras do projeto que levou a filha, de 14 anos, para presenciar a ação. Ela conta o quão importante foi este gesto no Natal Total. “É importante mostrarmos aos nossos filhos que a solidariedade e o voluntariado, e sair do nosso meio, para vivenciar a realidade de outras pessoas que estão na mesma faixa etária, e que têm uma vida completamente diferente”, conta.

O diretor de Jornalismo, Petras de Souza, conta que, embora participe de ações como o Comunicadores da Alegria, além de relembrar visitas como à Vila São Cottolengo no ano passado em Trindade, se surpreende também com o Natal Total.

“A gente recebe muito mais no final do encontro, do que o que a gente pode oferecer a essas pessoas. Não é só levar uma cesta. Em uma das famílias que fomos visitar, batemos várias vezes e não fomos atendidos, mas não desistimos. Quem finalmente abriu o portão foi um jovem, com a camisa da Fundação Pró-Cerrado. Ele foi muito educado conosco, estava dormindo (risos), disso eu não tenho dúvida. Os pais dele não estavam, nem os irmãos, mas isso não impediu que nós entrássemos e conversássemos com ele”, afirma.

Quer saber mais sobre a ação e as visitas do Natal Total? Ouça a entrevista na íntegra

 

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757