Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

Analista do Sebrae, Priscila Vilarinho de Menezes (Foto: Petras de Souza/Portal 730)
analista
Levar a capacitação a jovens mulheres em situação de vulnerabilidade social. Este fator integra o Projeto Womp, realizado pelo Sebrae Goiás em parceria com a Rede Pró-Aprendiz.

Nesta terça-feira (22), a analista do Sebrae Goiás, Priscila Vilarinho de Menezes, concedeu entrevista exclusiva no quadro Sala da Direção do programa Cidadania em Destaque, da 730. Ela falou sobre a importância de as jovens aprendizes participarem do projeto já integradas ao ambiente corporativo e empreendedor.

“As meninas estão no Programa Jovem Aprendiz. Elas já estão dentro de um ambiente profissional, corporativo, entendendo a sistemática dessas empresas. Participar de um conteúdo como este que nós temos vai proporcionar a elas maior empregabilidade. Elas estarão mais aptas para assumir funções no mercado e ajudá-las a se empoderarem, não apenas de conhecimento mas também de autoestima e inovação para poderem seguir em frente”, afirma.

O Womp já conta com duas turmas de 40 jovens aprendizes, cujas aulas são realizadas às quintas-feiras, nos períodos matutino e vespertino. A analista do Sebrae ressalta o diferencial da atual geração de jovens no país, e que os temas serão trabalhados em módulos durante o curso, que tem duração de cinco meses.

“Os módulos são complementares, só que de uma forma mais inovadora. Teremos módulos com relação a competências inovadoras, falar sobre a geração milênio. Teremos uma palestra nesta quinta-feira (24) às 14h no auditório Mauro Borges, para exatamente mostrar que existe uma grande diferença entre a geração da juventude passada e a de hoje, que quer exatamente inovação”, analisa.

Outros temas como Habilidades Femininas, Vantagens Competitivas e Planos de Negócios x Modelos de Negócios também farão parte do programa. “É preciso que essas meninas entendam que tem oportunidade para elas no mercado, que elas podem ser empreendedoras, terem seus próprios negócios ou também atuarem como intraempreendedoras, ou seja, com empreendedorismo dentro de empresas”, enfatiza a analista do Sebrae Goiás.

Ouça a entrevista na íntegra

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757