Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

Foto: Reprodução/ Internet
cadeirante
Dados do Censo de 2010 mostram que mais de 45 milhões de brasileiros têm pelo menos um tipo de deficiência, representando quase um quarto da população. Para marcar o Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência, comemorado hoje (21), o Centro Cultural Banco do Brasil no Rio de Janeiro (CCBB Rio) iniciou nessa quarta-feira (20) programação especial de atividades educativas e artísticas, todas gratuitas, com o objetivo de discutir questões ligadas à integração social das pessoas com deficiência e à acessibilidade.

A iniciativa é do Programa Educativo do CCBB e ocorre pelo segundo ano consecutivo. A preocupação com esse público é uma das marcas do centro cultural, que em sua programação permanente já contempla ações inclusivas, com visitas mediadas em Libras, a Língua Brasileira de Sinais, agendadas para grupos de acessibilidade e mediadas para as pessoas com deficiência visual ou baixa visão.

Os movimentos sociais voltados às pessoas com deficiência e suas discussões atuais foram o tema da mesa-redonda Lutar Com!, que abriu na noite dessa quarta-feira (20) a programação. Participaram mulheres envolvidas nas amplas questões da luta da pessoa com deficiência, entre elas a intérprete-criadora Andrea Chiesorin, militante do movimento Artes sem Barreiras; a psicóloga Márcia Moraes, que desenvolve pesquisas ligadas à psicologia e a estudos da deficiência; e a estudante de jornalismo e youtuber Nathalia Santos, considerada a primeira apresentadora cega do Brasil.

“O nosso foco nas discussões este ano é a luta com as pessoas com deficiência e não apenas a luta por elas”, destacou a coordenadora pedagógica do CCBB Educativo, Camila Alves, à frente da organização do evento. “Nós temos conversado muito sobre a diferença de uma acessibilidade feita para as pessoas com deficiência e outra em que essas próprias pessoas participam do processo de elaboração da acessibilidade. Não só dar o seu aval no final, para liberar, mas participar desde o início dos projetos”, explicou.

Até segunda-feira (25), um espaço de convivência, no térreo do CCBB, concentrará as informações sobre a Semana de Luta e uma pequena ação de conscientização. Em uma caixa com diversos recortes, estão descritas algumas situações e dificuldades vividas cotidianamente por pessoas com deficiência e, com ela, um educador estará disponível para conversar sobre o tema.

Outra atividade, também até o dia 25, envolve a exposição retrospectiva do pintor Cícero Dias, em cartaz no CCBB, com o título Espaço Sensorial - ao encontro da poesia. Durante a 2ª Guerra Mundial, quando Paris foi ocupada pelos alemães, Cícero Dias, que viveu a maior parte de sua vida na capital francesa, lançou da janela de um avião inglês sobre a cidade, milhares de papéis com o texto do poema Liberté, de Paul Élouard, inspirando os moradores a resistir aos nazistas.

A poesia é declamada em fones de ouvido e também disponibilizada em Libras. Após conhecê-la, os participantes são convidados a explorar sua própria imaginação e cada um pode representar, com desenhos, palavras ou gestos, aquilo que entende como liberdade nos tempos atuais.

No sábado (23), às 18h, haverá o debate Negra Urbana, que tem como tema o papel das mulheres negras na luta pelos direitos da pessoa com deficiência. O encontro será aberto a todas as pessoas e terá a participação de mulheres negras com deficiência e também daquelas que atuam como cuidadoras de pessoas com deficiência”, adiantou Camila Alves.

O CCBB Rio fica na Rua Primeiro de Março, 66, no centro da cidade, e funciona de quarta-feira a segunda-feira, das 9h às 21h.

Da Agência Brasil

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757