Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

Leia mais...O Poder Judiciário do Peru condenou nesta segunda-feira (04), a 18 meses de prisão preventiva, quatro ex-executivos de empresas que atuaram como sócias da construtora brasileira Odebrecht na execução de obras na Rodovia Interoceânica Sul, que liga o Acre, no Brasil, ao Oceano Pacífico, no litoral do Peru.

Os ex-dirigentes da empresa Graña y Montero, José Graña Miró Quesada e Hernando Graña Acuña; o presidente da companhia JJ Camet Contratistas Generales, Fernando Camet Piccone, e o gerente -geral da construtora ICCGSA, José Castillo Dibós, são acusados de subornar agentes públicos, dentre eles o ex-presidente peruano, Alejandro Toledo, para fraudar processos licitatórios.

Na mesma sentença, o juiz Richard Concepción Carhuancho condenou o ex-presidente executivo da Graña y Montero, Gonzalo Ferraro Rey, a cumprir sua pena em uma clínica médica, onde terá que observar uma série de restrições enquanto se trata de um câncer.

Além de conluio para fraudar licitações, Graña Acuña, Camet Piccone, Castillo Dibós e Ferraro Rey são acusados de lavagem de dinheiro. Os réus negam as acusações e seus advogados já anunciaram que vão recorrer da sentença.

Metrô

Além de indícios de irregularidades nas obras da Rodovia Interoceânica Sul, a Justiça peruana investiga suspeita de fraudes em outras obras civis que contaram com a participação da Odebrecht. Como na construção da Linha 1 do metrô de Lima.

Em setembro, o mesmo juiz Richard Concepción decretou a prisão preventiva por 18 meses de Víctor Muñoz Cuba, acusado de participar do pagamento de propina ao ex-vice-ministro de Comunicações Jorge Cuba Hidalgo.

De acordo com a denúncia da Procuradoria, Muñoz Cuba, primo do ex-vice-ministro, intermediou a transferência para um banco suíço de US$ 6,2 milhões dos cerca de US$ 8 milhões que teriam sido entregues pela Odebrecht, através das empresas Hispamar International Corporation e Coneng Assets Incorporated.

Durante as investigações, a Odebrecht admitiu ter pago propina a funcionários do país entre 2005 e 2014. Primeiro-ministro e titular de Economia durante o governo de Alejandro Toledo (2001-2006), o atual presidente do Peru, Pedro Pablo Kuczynski, nega ter recebido qualquer quantia da construtora brasileira.

Da Agência Brasil

Leia mais...Ministros da Cultura dos países do Mercosul lançaram nesta sexta-feira (01) o Mapa de Residências Artísticas do bloco. A plataforma pretende aproximar a comunidade cultural na América do Sul e facilitar o diálogo para ações conjuntas entre os artistas.

Segundo o ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, o objetivo é formar uma rede e uma política cultural articulada entre os países sul-americanos. “Esse mapa visa estimular a circulação de artistas na região para que haja um maior intercâmbio entre os nossos países no campo da cultura. A ideia é que, por meio de programas e ações, os artistas possam entrar em contato com seus colegas e trocar experiências, valores, ideias e sua produção”, disse.

Na reunião dos ministros nesta sexta no Museu do Amanhã, na Praça Mauá, na região central do Rio de Janeiro, também foi aprovado o plano de ação do Mercosul Cultural para o próximo biênio. Sá Leitão explicou que esse plano é uma espécie de mapa para o próximo período, com temas e metas a serem alcançadas.

“O tema central é o desenvolvimento da economia criativa na região. A economia criativa é um ativo muito importante e vamos discutir maneiras de fazer com que as atividades culturais e criativas possam se desenvolver ainda mais e, com isso, contribuir para o desenvolvimento dos nossos países”, disse o ministro.

Da Agência Brasil

Leia mais...Neste 1º de dezembro, quando as Nações Unidas marcam o Dia Mundial de Combate à Aids, os dados recém-divulgados da enfermidade no continente europeu preocupam. Em 2016, mais de 160 mil pessoas foram diagnosticadas com o vírus da Aids na Europa, segundo dados divulgados pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Esse é o maior número de pessoas recém-diagnosticadas com a doença no continente em um ano, desde que o registro de casos de HIV começou na década de 1980.

De acordo com a OMS, a Europa é a única região do mundo onde o número de novas infecções por HIV está aumentando. E as pesquisas revelam uma tendência preocupante: mais da metade (51%) dos diagnósticos ocorreram em um estágio tardio da infecção.

Na Europa, os números seguem a tendência da última década. A maioria (quase 80%) das pessoas recém-diagnosticadas eram da parte oriental da região, 17% da parte ocidental e 4% da parte central. Isso contribui para estimar que existam 2,4 milhões de pessoas vivendo com HIV na Europa, entre as quais mais de um quarto não têm conhecimento da infecção.

"A epidemia de HIV continua a aumentar a um ritmo alarmante na Europa, principalmente na parte oriental, que é o lar de quase 80% dos 160 mil novos diagnósticos de HIV. Este é o maior número de novos casos já registrados em um ano. Se essa tendência persistir, não seremos capazes de alcançar o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável de acabar com a epidemia de HIV até 2030 ", adverte a Dra. Zsuzsanna Jakab, Diretora Regional da OMS para a Europa.

Diagnóstico tardio

Os dados de 2016, publicados esta semana pela Organização Mundial de Saúde, mostram que na Europa a proporção de pessoas com diagnóstico tardio está aumentando. Em toda a região, 65% de pessoas com idade igual ou superior a 50 anos foram diagnosticados tardiamente.

Segundo a OMS, especialmente neste grupo etário mais velho, os serviços de saúde na comunidade desempenham um papel vital no fornecimento de oportunidades para o diagnóstico precoce. O teste de HIV com base em condições de saúde específicas, como outras infecções sexualmente transmissíveis, hepatite viral, tuberculose ou certos tipos de câncer, também pode levar a um melhor diagnóstico.

De acordo com Andrea Ammon, diretora do Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças (ECDC), as pessoas levam cerca de três anos a partir do momento da infecção, até serem diagnosticadas. “Isso resulta em piores resultados de saúde a longo prazo para muitas pessoas que são diagnosticadas com atraso e também aumentam o risco de transmissão futura do HIV", afirmou.

Ao longo da última década, a idade média no momento de detecção do HIV aumentou de 35 anos em 2007 para 37 anos em 2016. Para reduzir o número de futuras infecções, a Europa precisa se concentrar em três áreas principais, segundo a OMS e o ECDC. A primeira é priorizar medidas de prevenção efetivas e abrangentes, como a conscientização, a promoção do sexo seguro e o fornecimento de programas de troca de seringas e profilaxia pré-exposição para o HIV.

A segunda medida é fornecer serviços eficientes de aconselhamento e testes do HIV, incluindo serviços de diagnóstico rápido, testes comunitários de HIV e auto-teste do HIV. E a terceira medida é garantir o acesso rápido a tratamento e cuidados de qualidade para aqueles diagnosticados.

Diagnóstico precoce

O diagnóstico precoce é importante porque permite que as pessoas iniciem o tratamento mais cedo, o que aumenta suas chances de viver uma vida mais longa e saudável. Além disso, o tratamento precoce reduz o risco de transmissão do vírus, pois resulta em uma carga viral indetectável (ou seja, o vírus não pode mais ser transmitido para outros), além de reduzir a probabilidade de o paciente desenvolver a doença.

Muitos não sabem, mas ser portador do vírus HIV e ter Aids são duas coisas diferentes. O vírus é o causador da Aids, mas isso não significa que todas as pessoas que têm o vírus vão desenvolver a doença. Para evitar que a Aids se desenvolva, é necessário fazer o tratamento adequado, que pode deixar o paciente com uma carga viral indetectável e, assim, o vírus se torna intransmissível na relação sexual, desde que não existam outros fatores que aumentem o risco de transmissão, como, por exemplo, ter sífilis, o que causa lesões que aumentam o risco de contaminação.

Europa em números

Os países europeus com as maiores taxas de novos diagnósticos de HIV em 2016 foram a Letônia (18,5 por 100 mil habitantes; 365 casos), a Estônia (17,4 por 100 mil habitantes; 229 casos) e Malta (14,5 por 100 mil habitantes; 63 casos). As taxas mais baixas foram registradas na Eslováquia (1,6 por 100 mil habitantes; 87 casos) e na Hungria (2,3 por 100 mil habitantes; 228 casos).

A taxa de novos diagnósticos de HIV foi maior entre os homens (8,9 por 100 mil habitantes) do que entre as mulheres (2,6 por 100 mil habitantes).

A taxa europeia é de 18,2 novos casos de HIV a cada 100 mil habitantes. A grande maioria dos novos casos (80%) foram diagnosticados no leste europeu, com uma taxa crescente de 50,2 a cada 100 mil habitantes, enquanto 17% foram diagnosticados no oeste com uma taxa de 6,2 por 100 mil habitantes, e 4% no centro com uma taxa de 2,9 por 100 mil habitantes. A Rússia e a Ucrânia continuaram a ter uma grande influência na contaminação por HIV na Europa em 2016, contribuindo com 73% dos recém-diagnosticados na região e 92% no leste.

Da Agência Brasil

Leia mais...O Parlamento Europeu vai debater na tarde desta quinta-feira (30) um relatório que avalia a implementação da Estratégia Europeia para a Deficiência 2010-2020, que pretende proporcionar às pessoas com deficiência uma vida sem barreiras.

O documento aponta 153 pontos de ação para que os países-membros da União Europeia (UE) façam esforços para promover a inclusão e a participação das pessoas com deficiência, entre as quais incluem-se aqueles que têm incapacidades duradouras físicas, mentais, intelectuais ou sensoriais.

No relatório, os eurodeputados reforçam que as pessoas com deficiência têm direito à igualdade de tratamento e à sua autonomia, mas sublinham que são ainda necessárias mais medidas para que possam desfrutar plenamente dos seus direitos e ter melhores condições de vida e pedem a adoção da Lei Europeia de Acessibilidade.

Entre várias ações consideradas necessárias, o documento trata da acessibilidade aos espaços públicos, de percentagens mínimas para a empregabilidade das pessoas com deficiência nos setores público e privado e da melhoria de acesso a programas de estudo, como o Erasmus +.

Deficiência em números

Na Europa, quase uma em cada seis pessoas com 15 anos ou mais vive com algum tipo de deficiência, e o número deve aumentar com o envelhecimento da população. O relatório lembra que essas pessoas enfrentam discriminação, preconceitos e barreiras que prejudicam a sua plena participação na sociedade e na economia.

A taxa de pobreza entre as pessoas com deficiência é 70% superior à média, pois enfrentam despesas adicionais, rendimentos mais baixos e maior desemprego.

Além disso, 75% das pessoas com deficiência grave não têm oportunidade de participar plenamente no mercado de trabalho; o subemprego e o desemprego podem constituir problemas, especialmente para pessoas com perturbações do espetro do autismo e surdas ou com deficiência auditiva, bem como para as cegas ou surdas-cegas.

Outro dado apresentado pelo Parlamento é que 34% das mulheres com problema de saúde ou deficiência foram vítimas de violência física ou sexual por parte de um parceiro durante a sua vida.

Por ocasião do Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, celebrado a 3 de dezembro, os eurodeputados realizarão, no dia 6 de dezembro, o 4º Parlamento Europeu das Pessoas com Deficiência. Além de eurodeputados, o evento reunirá ativistas e representantes de organizações não governamentais (ONGs).

Da Agência Brasil

Leia mais...O governo brasileiro condenou nesta quinta-feira (30), “com a maior veemência”, o lançamento de um míssil balístico pela República Popular Democrática da Coreia, a Coreia do Norte, realizado na última terça-feira (28).

“O lançamento viola as resoluções pertinentes do Conselho de Segurança das Nações Unidas e constitui ato gravíssimo de desestabilização da segurança regional e internacional”, afirmou, em nota, o Ministério das Relações Exteriores.

No comunicado, o Brasil conclama o governo da Coreia do Norte a cumprir, “com a maior urgência”, as resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas, a interromper a escalada de tensões e a contribuir ativamente para a retomada das negociações relativas à paz e à desnuclearização da península coreana.

Da Agência Brasil

Leia mais...O presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Juarez Quadros, disse hoje (29) que empresas de telecomunicações chinesas demonstraram interesse em investir na Oi, maior operadora de telefonia fixa do país e que passa por um tumultuado processo de recuperação judicial. Quadros disse que, em especial a China Mobile, manifestou interesse na Oi.

“Achamos que esse é um sinal de que a empresa tem valor, quando tem grandes interessados em entrar”, disse Quadros. A China Mobile é a maior empresa de telefonia do mundo em número de assinantes, com uma base de mais de 900 milhões de linhas.

A empresa abriu, em setembro, a sua primeira filial no Brasil, na cidade de São Paulo. O possível interesse da tele vem a público pouco tempo depois de que outra gigante chinesa das comunicações, a China Telecom, ter acenado com a possibilidade de compra da Oi por R$ 20 bilhões.

Quem também teria acenado com a possibilidade de aporte financeiro na Oi é o Banco de Desenvolvimento da China (BDC), um dos 55 mil credores da empresa. Em processo de recuperação judicial, a Oi acumula dívidas de cerca de R$ 65 bilhões.

Ontem, a Anatel determinou a suspensão da celebração de qualquer acordo da Oi com credores referente ao Plano de Recuperação Judicial da empresa.

A decisão foi tomada após a empresa protocolar na agência reguladora o contrato de suporte ao plano recuperação judicial. Para a agência, que já havia manifestado restrição a pontos do plano, a proposta apresentada pelos controladores da Oi mantém “potencial ruinoso aos interesses da companhia e da coletividade”.

Da Agência Brasil

Leia mais...A alta taxa de homicídios de jovens negros levou o Fórum Permanente pela Igualdade Racial (Fopir) a protocolar denúncia contra o Estado brasileiro em relatorias do Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU).

A denúncia foi formalizada em 22 de agosto e divulgada hoje (29), no aniversário de um ano do fórum, que reúne movimentos em defesa da igualdade racial, como a Articulação de Organizações de Mulheres Negras Brasileiras (AMNB), o Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc) e o Grupo de Estudos Multidisciplinares da Ação Afirmativa (Gemaa).

A denúncia tem como principal base o relatório final da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) do Assassinato de Jovens, do Senado, finalizado em 2016. Na página 145, o documento afirma, em sua conclusão, que a comissão, desde o início, "se deparou com uma realidade cruel e inegável: o Estado brasileiro, direta ou indiretamente, provoca o genocídio da população jovem e negra".

A expressão genocídio aparece já no capítulo 1 do relatório, cujo título é O genocídio da população negra. "É a que melhor se adequa à descrição da atual realidade em nosso país com relação ao assassinato dos jovens negros", diz o texto.

Advogado do fórum, Daniel Teixeira argumenta que o Estado assumiu a existência do genocídio ao produzir o documento. "Textualmente, o Estado Brasileiro, por meio de uma de suas casas legislativas, reconhece que há um genocídio em curso contra os jovens negros", disse. "É tão naturalizada essa situação dos jovens negros, que é um dos únicos casos na história em que o próprio país a assume".

Consta ainda no relatório da CPI que um jovem negro é assassinado no Brasil a cada 23 minutos, e que, entre as vítimas de homicídio no país, 53% são jovens, 77% são negros e 93% são do sexo masculino.

A denúncia foi apresentada a diferentes relatorias do conselho: a de afrodescendentes, a de racismo, a de questões de minorias e a de execuções sumárias, arbitrárias e extrajudiciais. O texto será avaliado pelas relatorias, que podem pedir esclarecimentos e fazer vistorias no país, além de emitir um posicionamento formal na próxima sessão do Conselho de Direitos Humanos, em março.

A intenção do fórum é gerar pressão internacional para a implementação de políticas que enfrentem o problema, como as que foram recomendadas pelo relatório.

Para Hélio Santos, do Instituto Baobá, uma das entidades integrantes do fórum, só foi possível encerrar a segregação racial na África do Sul com pressão estrangeira.

"Acreditamos que haverá, como na África do Sul, o reconhecimento de um absurdo. Entre os 10 mais ricos, o Brasil é o único de maioria negra. É uma situação avassaladora. A palavra genocida também cabe se pensarmos no impacto demográfico: são 23 mil homens [assassinados por ano], com idade entre 12 e 29 anos. Homens que ainda não procriaram. Durante 10 anos, são menos 230 mil pessoas".

A denúncia endossa as recomendações da CPI no Senado e também traz proposições próprias, como a formulação de um Plano Emergencial de Políticas para a Juventude Negra e uma CPI da Segurança Pública. 

A coordenadora Executiva do Instituto Odara, Valdecir Nascimento, defendeu que é preciso cobrar a responsabilidade do estado, mas também é necessário discutir a falta de sensibilidade da sociedade e da mídia em relação às mortes.

"Precisamos de novas formas de comunicar e implodir o imaginário que a mídia criou sobre a população negra brasileira. Não basta colocar negros na TV se você não implodir esse imaginário racista", disse a coordenadora. Ela criticou a associação constante de periferias e favelas à criminalidade.

"A mídia não consegue enxergar as riquezas dessas comunidades. Ela tem um olhar cotidiano de desqualificação".

Divulgado neste ano pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, o Atlas da Violência mapeou que, entre 2005 e 2015, a taxa de homicídios entre negros subiu 18,2%, enquanto a de não negros caiu 12,2%.

Com base em dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística e do Ministério da Saúde, o estudo mostrou que a taxa de homicídios da população negra em 2015 foi quase 2,5 vezes maior que a da população não negra.

Da Agência Brasil

Leia mais...O Departamento de Defesa dos Estados Unidos (EUA) afirmou nesta terça-feira (28) que detectou um “provável” lançamento de míssil por parte da Coreia do Norte.

Por meio de nota à imprensa, o porta-voz do Pentágono, a sede do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, coronel Robert Manning, disse que a situação está sendo avaliada e fornecerá mais informações assim que possível.

A nota diz ainda que o evento foi detectado às 18h30 GMT, 16h30 no horário de Brasília. O comunicado dos EUA foi feito depois que os Sul-coreanos teriam anunciado que os vizinhos do Norte haviam disparado um míssil de categoria ainda desconhecida.

O último míssil lançado pela Coreia do Norte foi há 70 dias.

 

Leia mais...O mês de outubro de 2017 foi extremamente seco e excepcionalmente quente em Portugal. De acordo com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), foi o mês de outubro mais quente dos últimos 87 anos (desde 1931), com a média da temperatura do ar cerca de 3°C acima do valor normal.

Ainda de acordo com o IPMA, a média da temperatura máxima foi a mais alta desde o ano de 1931, cerca de 5°C acima do valor normal. Já a temperatura mínima teve uma média superior ao normal em cerca de 1°C.

Em outubro ocorreram duas ondas de calor que abrangeram grande parte do território do continente, com exceção das regiões do litoral. A primeira onda de calor, entre os dias 1º e 16, foi uma das mais longas registradas no mês de outubro.

Em relação às chuvas, o mês de outubro classificou-se como extremamente seco, com 30 % do valor normal. Este mês foi o mais seco dos últimos 20 anos.

De acordo com o índice meteorológico de seca - PDSI, no final do mês de outubro, todo o território de Portugal continental estava em situação de seca severa (que atingiu 24,8% da área) e extrema (75,2%) .

Aviso amarelo

Hoje (28) , cinco distritos portugueses entraram em alerta amarelo devido à previsão de períodos de chuvas fortes e trovoadas em alguns locais. O aviso amarelo é emitido pelo IPMA sempre que há situação de risco para determinadas atividades dependentes da situação meteorológica.

Os distritos de Évora, Faro, Setúbal, Lisboa e Beja estarão sob aviso amarelo a partir das 15h de hoje.

Da Agência Brasil

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757