Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail


Pelo menos 28 civis morreram ontem à noite em bombardeios contra a localidade de Armanaz, na província de Idlib, na Síria, controlada quase totalmente por facções islamitas, informou hoje (30) o Observatório Sírio de Direitos Humanos. A informação é da Agência EFE.

Foram feitos dois bombardeios de aviões não identificados sobre uma mesma zona residencial, o segundo dos quais causou vítimas entre as equipes de resgate que tentavam ajudar aos feridos do primeiro ataque, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU).

O número de vítimas fatais pode aumentar, segundo o Observatório, pois há vários feridos graves e pessoas presas sob os escombros.

Os bombardeios aumentaram nos últimos dias em Idlib e na vizinha província de Hama, apesar de no dia 15 de setembro os participantes na conferência de Astana sobre o conflito sírio - na qual atuam como fiadores Rússia, Turquia e Irã - tenham acertado a criação de zonas de distensão nessas áreas.

Esta semana a Rússia, aliada do Governo de Bachar al Assad, anunciou que tinha retomado os ataques contra as posições jihadistas em Idlib e na região nordeste síria de Deir ez Zor.

Da Agência Brasil via Agência EFE

Leia mais...Pelo menos dez tripulantes de um avião militar de carga morreram devido à queda da aeronave na manhã deste sábado no distrito de N'sele, ao leste da capital da República Democrática do Congo, devido a um erro técnico, informaram fontes governamentais à Agência EFE.

O avião militar, que havia saído do aeroporto internacional de N'djili, em Kinshasa, com destino a Bukavu (no leste do país), caiu poucos minutos após decolar, causando a morte de pelo menos 10 pessoas que formavam a tripulação.

O acidente teria ocorrido devido a erros técnicos, segundo o Ministério de Mídia e Comunicação, que informou que a investigação está aberta para conhecer mais detalhes sobre o incidente.

"O avião caiu minutos após decolar. Perdeu o controle e estava invisível para a torre de controle", disse o porta-voz do governo, Lambert Mende Omalanga.

Segundo fontes do Aeroporto Internacional de Kinshasa, a aeronave tinha a missão de prestar reforço a soldados congoleses em Bukavu, e levava munição e dois veículos, mas não militares.

Em 2014, outro avião da missão da ONU para a estabilização da República Democrática do Congo (MONUSCO) caiu na província de Kivu do Norte, no leste do país africano, sem provocar vítimas.

Da Agência Brasil via Agência EFE

Leia mais...A Guarda Civil espanhola entrou neste sábado (30) no centro de telecomunicações do governo regional da Catalunha para bloquear os serviços de voto à distância para o referendo de independência da região, marcado para este domingo. As informações são da Agência EFE.

A magistrada Mercedes Armas ordenou na sexta-feira (29) que os responsáveis pelo Centro de Telecomunicações e Tecnologia da Informação (CTTI) catalão suspendam o acesso a 29 softwares que administram bases de dados que as autoridades da Catalunha pretendem usar na consulta popular.

O CTTI é uma empresa pública do governo da Catalunha que integra todos os serviços informáticos e de telecomunicações da administração regional.

O porta-voz do governo espanhol, Íñigo Méndez de Vigo, considerou nque o "bloqueio" das instalações do CTTI significa que "foi desferido um golpe na organização do referendo ilegal" que os independentistas pretendem realizar e que foi suspenso pelo Tribunal Constitucional do país.

Em declarações à imprensa, Méndez de Vigo ressaltou que o referendo "já foi cancelado pelo Estado de Direito". A respeito da intervenção no CTTI, explicou que, desta forma, se evitou a utilização do voto à distância e a apuração de cédulas.

O governo catalão, que confirmou a intervenção da Guarda Civil, advertiu que o bloqueio do sistema informático para o voto telemático afetará de forma direta outros serviços.

Outra medida determinada pela Justiça espanhola para impedir a consulta separatista é o fechamento dos 2.315 centros de votação designados pelos responsáveis pelo referendo.

A polícia catalã (Mossos d'Esquadra) já está presente em pelo menos 1,3 mil centros, dos quais 163 (12%) estão ocupados desde a noite de sexta-feira por pessoas que tentam evitar que as instalações sejam fechadas, segundo dados da delegação do governo espanhol na Catalunha.

Enquanto isso, milhares de pessoas se manifestaram neste sábado no centro de Madri e em outras cidades espanholas como Santander, Logroño e Palma contra o referendo independentista e a favor da unidade da Espanha.

Da Agência Brasil via Agência EFE

Leia mais...O governo de Cuba classificou nesta sexta-feira (29) como "precipitada" a decisão dos Estados Unidos de retirar mais da metade de seus diplomatas de Havana e limitar a emissão de vistos a americanos para a ilha como consequência de supostos ataques acústicos sofridos por funcionários americanos em Havana. A informação é da EFE.

A diretora para os Estados Unidos do Ministério das Relações Exteriores de Cuba, Josefina Vidal, afirmou hoje que a decisão vai afetar a relação bilateral, mas ressaltou a vontade do governo de Raúl Castro de continuar com a "cooperação ativa" entre os dois países.

"Para o esclarecimento total dos fatos será essencial ter e contar com a participação e o envolvimento efetivo das autoridades americanas", indicou Vidal, na primeira reação do governo de Cuba à decisão anunciada hoje pelo Departamento de Estado dos EUA de reduzir pessoal da sua embaixada em Havana.

O governo americano também desaconselhou hoje os americanos a viajar a Cuba, já que se acredita que alguns desses ataques ocorreram em hotéis da ilha. Também foi suspensa a emissão de vistos cubanos na embaixada americana em Cuba.

Prejuízo

Segundo a diplomata cubana, as decisões americanas vão prejudicar a relação bilateral, em especial a "cooperação sobre temas de interesse mútuo e as trocas de diversa natureza que ocorrem entre Cuba e os EUA".

Ela lembrou que, na última terça-feira, se reuniram em Washington, pela primeira vez, o chanceler de Cuba, Bruno Rodríguez, e o secretário de Estado, Rex Tillerson, em um encontro no qual foram abordados os "ataques acústicos" que afetaram a saúde de pelo menos 21 diplomatas americanos que estavam em missão em Havana.

"Nosso ministro o advertiu sobre não tomar decisões apressadas que não se sustentem em evidências nem em resultados de investigações conclusivas", citou Vidal sobre a reunião. No encontro, Cuba pediu aos Estados Unidos para "não politizar" o assunto e solicitou "cooperação ativa" para esclarecer o incidente.

Proteção de diplomatas

"O governo cubano não tem responsabilidade alguma com os fatos que são alegados e cumpre séria e rigorosamente as suas obrigações com a Convenção de Viena no que diz respeito à proteção de diplomatas", reafirmou Josefina.

Os EUA não responsabilizam diretamente o governo de Cuba, pelo menos por enquanto, pelos danos causados à saúde dos diplomatas americanos que estavam em Havana. No entanto, o caso, que era definido até então como "incidente”, agora passou a ser chamado de "ataque específico".

Os governos dos dois países seguem investigando o caso. Os EUA não descartam a possibilidade de um "terceiro país" ser o responsável pelos supostos ataques sônicos contra os diplomatas.

Cuba e EUA, ainda no governo do democrata Barack Obama, anunciaram em dezembro de 2014 o restabelecimento das relações diplomáticas após mais de 50 anos de inimizade e selaram a decisão com a reabertura mútua de embaixadas em julho de 2015.

Da Agência Brasil via Agência EFE

Leia mais...O governo da Espanha recebeu nesta sexta-feira (29) o apoio à legalidade e à Constituição do país de líderes de membros da União Europeia (UE), entre eles o presidente da França, Emmanuel Macron, e a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, na cúpula informal dos chefes de Estado do bloco em Tallinn, capital da Estônia. A informação é da EFE.

Embora o referendo separatista da região da Catalunha da Espanha não esteja na pauta da reunião e não tenha sido abordado no jantar informal de ontem noite entre os líderes da UE, a tensão institucional na Espanha é visível na cúpula.

"Tanto o presidente francês Macron quanto a chanceler alemã Merkel expressaram à delegação espanhola, quando tiveram oportunidade, o seu apoio ao presidente do governo, à Constituição do país e ao Estado de direito", disseram fontes diplomáticas espanholas em Tallinn.

O presidente do governo espanhol, Mariano Rajoy, não compareceu à cúpula informal em Talinn, onde a delegação do país é liderada pelo secretário de Estado de Assuntos Europeus, Jorge Toledo.

Apoio à legalidade

O presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani, declarou que, a nível jurídico, "Madri tem razão", e disse que posteriormente é preciso tentar um diálogo para buscar uma solução política a respeito. O primeiro-ministro da Itália, Paolo Gentinloni, também expressou seu apoio à legalidade constitucional da Espanha, e disse que seu país respeita as leis espanholas.

"Penso que sobre a Catalunha, como Estados da União Europeia, respeitamos na nossa casa e na casa dos demais as leis de cada país, sem nos intrometermos em suas dinâmicas internas, mas fazendo referência às leis vigentes", apontou o líder italiano.

Outro que se pronunciou sobre a questão independentista foi o presidente da Romênia, Klaus Iohannis, que se mostrou "preocupado" com a situação e rejeitou esse tipo de referendo na UE."É um tema que afeta a todos. Para mim é muito importante manter uma Europa unida. Não ajuda ninguém ter partes da UE deixando o bloco através de um referendo desse tipo", disse.

Mais direto em suas palavras, o premiê de Luxemburgo, Xabier Bettel, declarou à imprensa que "há uma lei e uma Constituição na Espanha e elas têm que ser respeitadas".

Por sua vez, a presidente da Lituânia, Dalia Grybauskaite, reconheceu que a situação na Espanha "não é fácil, é sensível. Desejamos que permaneçam fortes", declarou.

Da Agência EFE via Agência Brasil

Leia mais...A Administração Nacional da Aeronáutica e Espaço dos EUA, Nasa, e sua congênere russa, a Roscosmos, assinaram uma declaração conjunta sobre a construção de uma "porta de entrada para o espaço profundo" em órbita lunar. A parceria visa a cooperação para a construção de uma estação espacial tripulada em órbita da lua. A informação é da agência chinesa Xinhua.

No acordo, assinado esta semana  na cidade australiana de Adelaide, durante o 68º Congresso Internacional de Astronáutica, a Nasa e a Roscosmos disseram em declaração conjunta que a ideia é promover “uma visão comum para a exploração humana compartilhada” entre os EUA e a Rússia.

O conceito de "porta de entrada para o espaço profundo", ainda em formulação, foi proposto pela primeira vez pela Nasa em março, que o concebeu como um porto espacial tripulado em órbita lunar para "servir como uma porta de entrada para o espaço profundo e a superfície lunar."

De acordo com a Nasa, o porto espacial terá um centro de energia, um pequeno habitat para ampliar o tempo de permanência da tripulação no espaço, um módulo de encaixe de naves, uma câmara de produção de ar e módulos de logística para permitir a realização de pesquisas.

"Ambas as agências, bem como outros parceiros da Estação Espacial Internacional, consideram a porta espacial como um componente estratégico da arquitetura de exploração espacial humana que merece estudos adicionais," disse a Nasa.

Robert Lightfoot, atual administrador na sede da Nasa em Washington, disse que "declarações como esta assinada com a Roscosmos reforçam o conceito de porta de entrada como um facilitador para um tipo de arquitetura de exploração que é acessível e sustentável."

A Nasa disse que está trabalhando com seus parceiros para "identificar objetivos de exploração comuns e possíveis missões para a década de 2020.”  A agência americana também tem se envolvido com a indústria dos EUA em conceitos de habitação para a porta de entrada espacial e para o transporte espacial que será necessário para a exploração de Marte, disse a Nasa.

Cinco protótipos em tamanho natural de sistemas de habitação são esperados para serem concluídos e apresentados em 2018, acrescentou a nota conjunta das duas agências espaciais.

Da Agência Xinhua via Agência Brasil

Leia mais...O presidente da Rússia, Vladimir Putin, afirmou hoje (28) em Ancara que seu país estreitará mais a colaboração com a Turquia para implementar os acordos celebrados em Astana (capital do Cazaquistão) sobre um cessar-fogo na Síria. A informação é da EFE.

"Nas negociações de Astana em setembro chegamos a um acordo para controlar conjuntamente quatro áreas de cessar-fogo na Síria, sendo os países fiadores a Rússia, a Turquia e o Irã", lembrou Putin em coletiva de imprensa transmitida ao vivo pela emissora NTV.

"Este sucesso foi possível, em grande parte, graças aos esforços do (presidente turco) Erdogan", salientou Putin, que falou à imprensa ao lado de seu anfitrião, durante uma visita oficial à Turquia.O presidente russo ressaltou que "é preciso continuar cooperando para parar esta guerra civil fratricida e para acabar totalmente com os terroristas".

A respeito do referendo independentista do Curdistão iraquiano, realizado segunda-feira passada, Putin indicou que a postura da Rússia já tinha sido expressada pelo Ministério de Relações Exteriores.

De sua parte, Erdogan disse que "concordamos plenamente que é preciso proteger a integridade territorial tanto da Síria como do Iraque. Lamentavelmente, as autoridades regionais cometeram um grande erro ao realizar o referendo, apesar de todas as nossas advertências amáveis, e temos que prevenir que cometam erros ainda maiores", acrescentou o presidente turco.

Ambos os líderes ressaltaram a excelente evolução das suas relações bilaterais, tanto no setor comercial como no do turismo. Nesse sentido, Putin destacou que o turismo russo com destino à Turquia tinha se multiplicado por 11 nos últimos sete meses, até alcançar 2,5 milhões de viajantes.

O presidente russo chegou hoje à tarde a Ancara, onde foi recebido com honras militares por Erdogan. Depois, ambos participaram de um jantar de trabalho com suas respectivas delegações, antes de uma reunião pessoal.

Da Agência Brasil via Agência EFE

Leia mais...Todas as casas de Cuba poderão ter acesso aos serviços de internet antes do final do ano, algo que somente os lares em Havana contavam, anunciou ontem (27) o monopólio estatal de comunicações Etecsa, que informou que a partir de amanhã a medida será estendida a cinco províncias da ilha. Ainformação é da agência EFE.

As províncias cubanas de Pinar del Río, Las Tunas, Holguín, Granma e Guantánamo foram as escolhidas para sediar as primeiras conexões fora da capital. Segundo a Etecsa a nova oferta inclui uma maior velocidade de conexão em quatro pacotes de 30 horas, com preços que oscilam entre 15 e 70 CUC (moeda cubana equivalente ao dólar), um serviço caro para o cubano, que recebe um salário médio de US$ 29 por mês.

A chefe do projeto Nauta Hogar, Amarelys Rodríguez, explicou ao jornal oficial Granma que "todos aqueles que tiverem telefonia fixa em casa serão clientes potenciais. Eles serão contatados via telefônica para uma reunião e, se tiverem interesse, assinarão o contrato”.

Teste piloto

Em Cuba, um dos países com menor taxa de conectividade no mundo, não era permitida a conexão à internet nos lares, exceto a alguns profissionais, como médicos, advogados, jornalistas e funcionários de alta categoria. No entanto, entre dezembro e fevereiro deste ano, 858 lares de Havana Velha receberam o serviço de graça, como parte de um teste-piloto para iniciar a comercialização gradual.

Pouco após concluir os testes, a Etecsa anunciou em março que começava a oferecer o serviço, com 358 clientes iniciais, número que ao término de maio ultrapassou os 600 contratos. Para ter acesso a esta nova oferta é preciso pagar por uma única vez a quota de habilitação de 15 CUC, após a qual será cobrada uma tarifa mensal segundo a velocidade contratada, explicou Amarelys Rodríguez.

O usuário deve possuir "um serviço telefônico com condições técnicas que permitam a configuração da velocidade contratada", um modem - que a Etecsa vende por 19 CUC - e uma conta de acesso com domínio local @nauta.com.cu. que se associa à linha telefônica.

A empresa apontou como incentivos para o novo serviço o fato de que o cliente que contratar o pacote de 1 megabyte por segundo receberá o primeiro mês de graça. Já os que pagarem por velocidades superiores (2, 3 e 4 megabytes) terão um desconto de 15 CUC no primeiro mês.

Amarelys, que também é diretora de Operações de Rede em Havana, antecipou que na capital cubana está previsto comercializar cerca de 38 mil novas capacidades, e que o acesso fora de Havana Velha poderá ser contratado "na medida em que cada zona tenha as condições técnicas para isso".

Lentidão

Inicialmente, o Nauta Hogar oferecia velocidades entre 256 kB por segundo e 2 megabytes, o que provocava queixas nos clientes pela lentidão do serviço. De acordo com a Etecsa, o tipo de computador e o sistema operacional instalado também influencia na lentidão da conexão .

Cuba registrou mais de 4,5 milhões de usuários de internet em 2016, o que significa 403 usuários conectados por cada 1 mil habitantes, segundo dados oficiais. Na ilha há registrados 1.152.900 computadores, sendo 628,7 mil com conexão à rede.

Dentro da estratégia do governo da ilha para aumentar a conectividade, a Etecsa iniciou em julho de 2015 a instalação de zonas wi-fi em espaços públicos, onde a conexão custa US$ 1,5 a hora.

Da Agência EFE via Agência Brasil

Leia mais...O líder do grupo terrorista Estado Islâmico (EI), Abu Bakr al Baghdadi, reapareceu nesta quinta-feira (28) com uma mensagem de voz de 47 minutos divulgada através de foros jihadistas na internet, depois de ter sido dado como morto no Iraque e na Síria em várias ocasiões.

Baghdadi disse na mensagem que "qualquer crise ou sofrimento é um presente de Deus", em referência às derrotas sofridas recentemente pelo EI, tanto na Síria como no Iraque, incluindo a perda do seu feudo iraquiano, Mossul, no último mês de julho.

"Apenas após cortar as cabeças e derramar o seu sangue, (os jihadistas) entregaram Mossul, após quase um ano de luta exemplar", destacou Baghdadi. Ele encorajou em várias ocasiões que os soldados do califado "acendam o fogo da guerra contra seus inimigos" das forças sírias apoiadas pelos "apóstatas" do Irã e da Rússia, e dos “ateus curdos", em referência às Forças da Síria Democrática, que lutam contra o EI em Raqqa.

Baghdadi garantiu que "os soldados do Levante (Síria) são um exemplo para seus irmãos no Sinai, no Egito”, e outras áreas que o EI considera como parte do seu "califado", uma boa parte do qual já lhe foi arrebatado desde sua proclamação em 2014.

Apesar da gravação não ter uma data definida, Baghdadi aborda temas de atualidade como a crise entre Estados Unidos e Coreia do Norte e as tensões em torno da realização do referendo de independência do Curdistão iraquiano, na última segunda-feira.

"Os EUA perderam muito poder (...) e vemos como a Coreia do Norte ameaça EUA e Japão, e vemos como a Turquia tem medo da extensão dos curdos nas suas fronteiras", declarou o homem mais procurado do mundo, nascido no Iraque em 1971.

A última mensagem de Baghdadi havia sido divulgada pelo EI na internet em novembro do ano passado, ainda que nem nesta ocasião sua autenticidade tenha podido ser comprovada.

No último mês de junho, o Ministério de Defesa da Rússia havia assegurado que Baghdadi tinha morrido em maio, em um ataque da aviação russa nos arredores de Raqqa.

Da Agência EFE via Agência Brasil

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757