Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

Leia mais...O incêndio em Abrantes, que atingia há três dias o centro de Portugal, foi dado por controlado pelos bombeiros, que mantêm uma ampla operação na região para apagar as chamas que seguem ativas.

Segundo dados da Defesa Civil, o incêndio já pôde ser controlado e permanecem agora no local 544 bombeiros apoiados por 183 meios terrestres e três aéreos.

A situação na área tinha sido qualificada como "estável" no último boletim divulgado pela Defesa Civil esta manhã (12), apesar de várias reativações registradas durante a noite.

Para apoiar o combate às chamas, as autoridades portuguesas contavam hoje com a ajuda de um avião marroquino e duas aeronaves procedentes da Espanha.

Após o controle do incêndio, considerado o mais grave da temporada de verão após a tragédia de Pedrógão Grande, que deixou 64 mortos no último mês de junho, permanecem ativos quatro focos em todo o país que são combatidos por um total de 181 efetivos, 44 meios terrestres e três aéreos.

O que mais preocupa as autoridades é o de Póvoa de Lanhoso, no distrito de Braga, no norte do país, onde trabalham 60 bombeiros apoiados por 15 meios terrestres e um aéreo.

O aumento das temperaturas e os fortes ventos registrados nos últimos dias fizeram com que sexta-feira (11) se batesse o recorde de focos de incêndio registrados em um só dia, com um total de 220 ocorrências.

Da Agência EFE via Agência Brasil

Leia mais...A China pretende erradicar a pobreza até 2020. De acordo com a Fundação para Alívio da Pobreza, vinculada ao Ministério de Assuntos Civis chinês, existem 43,35 milhões de pobres no país. Em 1978, início da política de reforma e abertura econômicas, eram 250 milhões nessa situação.

Na segunda potência econômica mundial, a pobreza está concentrada nas áreas rurais, em regiões montanhosas e remotas, com minorias étnicas ou atingidas por desastres naturais, como inundações e terremotos, em 22 províncias do Centro e do Oeste do país. A população rural chinesa corresponde a 44% dos mais de 1,3 bilhão de habitantes.

Segundo a Fundação para Alívio da Pobreza, o governo central chinês segue os parâmetros da Organização das Nações Unidas e considera pobre quem vive com menos de US$ 1 por dia, o que significa que está nesta situação quem tem uma renda per capita anual abaixo de 2,5 mil iuanes (cerca de R$ 1,25 mil).

Entre as políticas de redução da pobreza rural estão programas de apoio a cooperativas agrícolas e ao turismo rural, isenção de impostos para os trabalhadores rurais, ampliação da cobertura dos serviços médicos e da educação obrigatória gratuita e microfinanciamentos a juros baixos a domicílios pobres para melhorar a produtividade no campo.

O diretor do Departamento Internacional da Fundação para Alívio da Pobreza, Wu Peng, também cita que as políticas públicas incluem capacitação da mão de obra, construção de infraestrutura e reassentamento de quem vive em regiões com terras inférteis e de difícil acesso. Ele acrescentou que o governo mobiliza empresas privadas para ajudar no combate à pobreza.

Para Wu Peng, o objetivo de erradicar a pobreza até o final desta década é viável com os parâmetros atuais. A meta, segundo ele, é retirar desta situação em torno de 10 milhões de pessoas por ano. “Temos plena confiança de que vamos acabar com a pobreza até 2020. No ano passado, tiramos 14 milhões da pobreza”, disse. “Temos uma garantia institucional porque o governo central determinou ser um dever a redução da pobreza para os governos provinciais, municipais e distritais”.

Combate à pobreza

Dos 91 milhões de habitantes de Sichuan, província no sudoeste do país, 2,7 milhões são pobres, informou o vice-inspetor do Escritório de Redução da Pobreza do governo local, Zhang Haipeng. “Ao mesmo tempo em que tivemos um desenvolvimento econômico acelerado nos últimos anos, ainda temos uma tarefa muito árdua no trabalho de redução da pobreza”, disse.

O vice-inspetor ressaltou a necessidade da precisão nas políticas de redução da pobreza, em que são identificadas as causas com a subsequente implantação de medidas de apoio para cada caso. “Aplicamos diferentes políticas a diferentes pessoas e lares pois são diversas as causas da pobreza”, explicou.

Segundo Zhang, entre as medidas para retirar a população da pobreza figuram o desenvolvimento industrial para aumentar a geração de postos de trabalho e a ampliação da assistência médica. “De acordo com as estatísticas, a enfermidade é a causa da pobreza para 1 milhão de pessoas em Sichuan. Nosso objetivo é que possam ter acesso a serviços de saúde. Os gastos médicos não podem ultrapassar 10% da sua renda. O restante é coberto pelo governo”, disse.

Outro mecanismo são os subsídios a quem perdeu a capacidade de trabalho. De acordo com o funcionário, a província tem 1 milhão de habitantes nessa situação. Para esses casos, o governo paga 3,3 mil iuanes (cerca de R$ 1,65 mil) ao ano a cada pessoa. “Quem ganha menos que 3,3 mil iuanes é considerado pobre em Sichuan”, disse Zhang.

Nos povoados de Nanshan e Yongtai, no distrito de Zhongjiang, em Sichuan, o trabalho de erradicação da pobreza é feito por meio do incentivo ao turismo rural e ao desenvolvimento da indústria agrícola, com produção de uvas, kiwis, gengibre e cogumelos.

O camponês Jin Shuguang, de 52 anos, nativo de Nanshan, conta que sempre cultivou flor de lótus cujas sementes são comestíveis e as folhas são usadas na produção de medicamentos tradicionais chineses. Ele diz que viu sua renda aumentar desde o ano passado quando passou a vender refeições, chá e raiz de lótus para turistas depois da melhora da infraestrutura na região que atraiu visitantes.

Da Agência Brasil

Leia mais...O governador do estado norte-americano da Virginia, Terry McAuliffe, decretou estado de emergência por causa dos confrontos entre ultranacionalistas de maioria branca e grupos antifacistas na cidade de Charlosttesville. Com protestos realizados nessa sexta-feira (11) e novos protestos hoje (12) de manhã o chamado União da Direita entrou em confrontos com grupos antifacistas. Tropas policiais de choque foram usadas para tentar conter os ataques entre os grupos opostos.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, também condenou a violência dos manifestantes. No Twitter, ele escreveu: "Todos nós devemos estar unidos e condenar tudo o que representa o ódio. Não há lugar para esse tipo de violência na América. Vamos juntos como um!".

O enfrentamento começou durante protestos de ontem, liderados pelo grupo União de Direita. Centenas de homens e mulheres participam das manifestações contra uma decisão da prefeitura de remover uma estátua do general  confederado Robert E. Lee, um dos símbolos do movimento separatista dos Confederados.

Durante a Guerra Civil americana, entre 1861 e 1865, a Região Sul dos Estados Unidos, que reunia estados sulistas contrários a abolição da escravatura, tentaram a independência. Mesmo derrotado na Guerra da Secessão, alguns estados do Sul como a Virgínia, Norte Carolina e Sul Carolina, bem como Alabama e Georgia têm até hoje defensores dos confederados que aglutinam extremistas direita.  

Os manifestantes que marcharam pela supremacia branca e contra a remoção da estátua, gritaram saudações nazistas e palavras de ordem contra negros, imigrantes, homossexuais e judeus.

Nos protestos que ocorreram à noite foram usadas tochas e alguns manifestantes cobriram o rosto. As tochas são um dos símbolos do KKK, Ku Klux Klan, um grupo formado depois da guerra civil americana por soldados das tropas confederadas.  O KKK foi um dos grupos que se levantaram contra o movimento pelos direitos civis liderados pelos negros americanos, no Sul dos Estados Unidos.

Da Agência Brasil

Leia mais...O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta sexta-feira (11) que não descarta uma "opção militar" para a crise que assola a Venezuela, país que, em sua opinião, se encontra afundado em uma "bagunça muito perigosa". A informação é da agência EFE.

Trump fez essa declaração no seu clube de golfe em Nova Jersey, após reunir-se com o secretário de Estado, Rex Tillerson; o assessor de segurança nacional, general H. McMaster; e a embaixadora americana na ONU, Nikki Haley.

Da Agência EFE via Agência Brasil

Leia mais...O ministro de Relações Exteriores russo, Sergey Lavrov, disse nesta sexta-feira (11) que é "muito alto" o risco de um confronto militar entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte, e lembrou que Moscou se opõe terminantemente ao armamento nuclear de Pyongyang. A informação é da EFE.

"Considero que o risco é muito alto. Especialmente levando em conta a atual retórica: soam claras ameaças do uso da força", disse Lavrov. Ele lembrou que "a Coreia do Norte diz que tem direito a fabricar armas nucleares e que inclusive já as tem". E reconheceu que Moscou está "muito preocupada" pelas ameaças de Washington de um possível ataque preventivo e as agressivas respostas de Pyongyang.

"Os comentários (nos EUA) de que é preciso realizar um ataque preventivo à Coreia do Norte e as afirmações de Pyongyang que é preciso atacar a ilha de Guam não param e isso algo é que nos preocupa muito", apontou o chefe da diplomacia russa. Ele afirmou que fará todo o possível para evitar um conflito e pediu que Washington dê o primeiro passo para rebaixar a tensão.

"Opino que quando a situação desemboca praticamente em uma briga, quem deve dar o primeiro passo para se afastar dessa perigosa linha é o mais forte e astuto, ou seja, os Estados Unidos”, comentou.

Lavrov ainda lembrou que a Rússia e a China propuseram no começo de julho "um plano muito sensato para um duplo congelamento". Por parte do regime de Kim Jong-un, visando suspender todos os testes de armas nucleares e mísseis balísticos, e para EUA e Coreia do Sul a suspensão das suas manobras militares conjuntas em grande escala.

Da Agência EFE via Agência Brasil

Leia mais...A alta representante da União Europeia (UE) para a Política Externa, Federica Mogherini, convocou hoje (11) os embaixadores dos países do bloco para uma reunião extraordinária na próxima segunda-feira, a fim de abordar a situação na Coreia do Norte e planejar os "próximos passos". A informação é da EFE.

Federica decidiu convocar um encontro "extraordinário" do Comitê Político e de Segurança da UE, no qual estão representados os embaixadores dos Estados Membros do bloco, por conta das reuniões que ela teve em paralelo ao Fórum Regional da Associação de Nações do Sudeste Asiático (Asean, na sigla em inglês), em Manila, com o secretário de Estado dos Estados Unidos e os ministros das Relações Exteriores da Coreia do Sul, Rússia, China e Austrália, entre outros.

O anúncio de Mogherini chega após o presidente dos EUA, Donald Trump, advertir Pyongyang de que as Forças Armadas americanas estão "posicionadas, armadas e carregadas" para um eventual combate com a Coreia do Norte, um comentário que mantém elevadas as tensões dos Estados Unidos com o líder norte-coreano Kim Jong-un.

Da Agência EFE via Agência Brasil

Leia mais...Os principais assessores da Coreia do Sul e dos Estados Unidos (EUA) na área de segurança concordaram nesta sexta-feira (11) em dialogar antes de tomar qualquer atitude em relação à crise atual com a Coreia do Norte. A decisão é para que Washington consulte Seul antes de um eventual ataque preventivo. A informação é da Agência EFE.

Em conversa telefônica de cerca de 40 minutos, Chung Eui-yong e H.R. McMaster trataram "das atuais condições de segurança na Península [Coreana], geradas pelas provocações da Coreia do Norte e a escalada de tensão, bem como de maneiras para enfrentar essas ameaças", afirmou o escritório presidencial sul-coreano em comunicado.

"As duas partes reiteraram seu compromisso de cooperar de maneira estreita e transparente sobre os passos a serem dados em cada momento, para garantir a segurança da Coreia do Sul e dos Estados Unidos e de suas respectivas populações", acrescentou o texto.

A Coreia do Norte e os Estados Unidos tiveram na última semana uma escalada de tensão na troca de ameaças. O presidente americano Donald Trump disse, na terça-feira (8), que a Coreia do Norte "vai se deparar com fúria e fogo jamais vistos no mundo" se não deixar de ameaçar o seu país, após as últimas sanções impostas pela Organização das Nações Unidas (ONU) ao regime norte-coreano como punição pelos lançamentos de mísseis.

O regime de Kim Jong-un respondeu, dando detalhes de um plano para bombardear a ilha de Guam, em cujas bases americanas estão estacionados os bombardeiros estratégicos que o Pentágono envia regularmente à Península Coreana e que, na última terça-feira, voltaram a voar próximo da Coreia do Norte.

Na sequência, Trump disse na quarta-feira que se Kim Jong-un ordenasse um ataque contra a ilha de Guam, teria como resposta "uma ação jamais vista por alguém na Coreia do Norte".

Os testes contínuos de armas feitos pelo governo norte-coreano desde o início do ano aumentaram a tensão na península. Os Estados Unidos endureceram suas respostas, com o governo Trump insinuando em várias ocasiões a possibilidade de fazer um ataque preventivo contra o regime comunista.

Essa última possibilidade preocupa a Coreia do Sul e o Japão, onde uma resposta da Coreia do Norte a um ataque poderia custar muitas vidas.

Da Agência Brasil via Agência EFE

Leia mais...A Assembleia Nacional Constituinte (ANC) da Venezuela confirmou nessa quinta-feira o presidente do país, Nicolás Maduro, como chefe de Estado, de governo e como comandante em chefe da Força Armada Nacional Bolivariana, horas depois de ele se colocar à disposição do órgão. A informação é da Agência EFE.

A decisão de ratificar Maduro como presidente foi tomada por unanimidade e apresentada, durante sessão especial, pelo deputado constituinte Aristóbulo Istúriz.

O documento assinado diz que Maduro "cumpriu cabalmente todos os seus deveres e obrigações constitucionais" e que, além disso, é "suporte fundamental" para as decisões da Constituinte e "uma garantia para o atual processo democrático de transformação integral" do país.

A Assembleia Nacional Constituinte fez sua terceira sessão plenária com uma convocação especial que contou com a presença de Maduro, a quem foi entregue um acordo em apoio aos ataques "imperialistas".

Durante a sessão no Palácio Legislativo, Maduro fez um discurso de aproximadamente três horas e entregou seu projeto de Constituição que, segundo ele, é o mesmo do presidente Hugo Chávez.

Com atribuições quase ilimitadas, a Constituinte foi eleita no dia 30 de julho e tem mais de 500 integrantes, todos eles vinculados ao governo e que se ocuparão de refundar o Estado. Ela foi rejeitada pela oposição venezuelana, além de não ser reconhecida por boa parte da comunidade internacional.

A ANC tem poder para destituir e nomear qualquer autoridade do Estado venezuelano, ditar e reformar leis e implementar decisões sem a necessidade do aval de qualquer outro poder, como ocorreu com a polêmica destituição da agora ex-procuradora-geral Luisa Ortega, que entrou em rota de colisão com Maduro.

Da Agência Brasil via Agência EFE

Leia mais...Um ônibus colidiu contra a parede de um túnel na região Centro-Norte da China, deixando um total de 36 mortos e 13 feridos, informou nesta sexta-feira (11) a agência oficial de notícias Xinhua.

O acidente ocorreu às 23h34 locais dessa quinta-feira (12h34 de Brasília) no túnel Qinling da estrada Xian-Hanzhong, na província de Shaanxi, disseram na manhã de hoje as autoridades locais.

O ônibus viajava entre Chengdu, capital da província vizinha de Sichuan, e a cidade de Luoyang, na província de Henan, que fica cerca de mil quilômetros a nordeste do local de partida.

As equipes de resgate continuam trabalhando na região do acidente, enquanto os feridos estão sendo atendidos em um hospital próximo.

Da Agência Brasil via Agência Xinhua

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757