Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

Foto: Reprodução/ Internet
venezuela
O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse nessa quinta-feira (21) que não compareceu à Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), que está sendo realizada em Nova York, por razões de segurança, devido à suspeita de atentados. A informação é da Agência EFE.

"Neste ano, decidi não ir às Nações Unidas por razões de segurança, porque tinha informação de possíveis atentados de setores extremistas que têm o poder nos Estados Unidos [EUA]", disse Maduro durante a reinauguração de um hotel no estado de Aragua.

O presidente venezuelano disse que "precisa se cuidar", mas não fez mais comentários sobre as ameaças à sua segurança.

Maduro lembrou que 91% dos discursos da Assembleia-Geral da ONU foram favoráveis à paz no país, um objetivo que estará sendo alcançado, segundo ele, com o acordo com a oposição.

Ontem, em discurso na ONU, o presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou que a Venezuela está à beira do "colapso total" e disse estar pronto para adotar novas medidas contra o país se Maduro insistir em impor um regime autoritário.

Para o presidente venezuelano, as declarações de Trump representam uma ameaça de morte contra a sua pessoa.

"A ameaça que Donald Trump fez ontem e hoje, se eu a interpretei corretamente, vou repassá-la ao povo: Donald Trump hoje ameaçou de morte o presidente da República Bolivariana da Venezuela", disse Maduro em discurso em rede nacional de rádio e televisão.

O presidente da Venezuela insistiu no assunto, garantindo que ontem foi dada, no Salão Oval da Casa Branca, a ordem para matá-lo. E responsabilizou por isso o presidente do Parlamento do país, Julio Borges, a quem acusa de buscar ajuda internacional para acabar com seu mandato.

Da Agência Brasil via Agência EFE

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757