Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

Foto: Reprodução/ Internet
usaflag
Os senadores republicanos desistiram de votar o quanto antes o projeto de reforma do sistema de saúde americano conhecido como Obamacare, e adiaram a votação para depois do feriado de 4 de julho.

A decisão desta terça-feira representa um sério obstáculo para o Partido Republicano e o presidente Donald Trump, que passaram anos defendendo a eliminação do Obamacare sem conseguir montar uma alternativa, e revela uma evidente divisão partidária em relação ao tema.

"Continuaremos discutindo internamente em nosso grupo para resolver as diferenças. Em consequência, não vamos analisar esta questão esta semana", disse nesta terça-feira o líder do bloco republicano no Senado, Mitch McConnell.

"Ainda estamos otimistas", acrescentou.

McConnell confirmou que o chefe de gabinete de Trump, Reince Priebus, convidou todos os senadores republicanos para uma reunião na Casa Branca às 16H00 no horário local (17H00 em Brasília) para discutir a questão com o presidente.

Para o líder da bancada democrata no Senado, Chuck Schumer, "o que aconteceu nas últimas horas é um símbolo do que está acontecendo com o sistema de saúde. Os republicanos estão falando só para os bilionários".

Os democratas, disse Schumer, estão dispostos a se sentar para negociar, mas para isso será necessário que os republicanos abandonem a ideia de cortar impostos aos milionários e aceitem que com o plano que propõem "milhões de pessoas perderão sua cobertura de saúde".

Embora tenham a maioria no Senado, os republicanos não conseguiram aprovar seu projeto porque quatro dos seus integrantes se negam a apoiá-lo.

Três desses legisladores, representantes do bloco ultraconservador do Partido Republicano, consideram que a proposta apresentada não se distancia o suficiente do sistema Obamacare e desejam uma mudança ainda mais radical.

Da Agência France-Presse

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757