Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail


Foto: Reprodução/ Internet
maduro
O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou nesse domingo (4) que alguns dos manifestantes que saíram às ruas para protestar contra o seu governo estavam sob os efeitos do captagon, uma droga que, segundo afirmou, "é utilizada pelo Estado Islâmico".

"Estão usando algumas drogas que foram e são utilizadas pelo Estado Islâmico. O captagon é uma droga poderosíssima", disse Maduro em seu programa semanal de rádio, ao lembrar que um manifestante terminou com queimaduras depois de uma "ação temerária" na qual tentou incinerar a moto de um policial durante protesto.

Saiba MaisMorre jovem linchado e queimado vivo durante protesto na VenezuelaEleição de Constituinte venezuelana deve ser marcada para 30 de julho

O captagon movimenta milhares de dólares anuais, e tudo indica que a Síria é um de seus maiores produtores, disse à Agência EFE, em fevereiro de 2016, a especialista do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crimes (UNODC), Angela Me.

O estimulante é conhecido como "droga dos jihadistas" por seu suposto uso por parte dos combatentes do Estado Islâmico, apesar de a especialista ter reconhecido que a UNODC não tem provas dessas suposições.

Segundo o presidente venezuelano, a droga é "entregue" aos manifestantes que se tornam violentos, para que cometam ações violentas "em meio ao êxtase e à aceleração".

Os opositores ao governo promovem protestos nas ruas há 65 dias, alguns deles marcados por incidentes violentos que deixaram até agora 65 mortos e mais de mil feridos, de acordo com números do Ministério Público.

Da Agência EFE

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757