Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

Hóspedes deixam hotel no complexo Resorts World Manila (Foto: AP Photo/Bullit Marquez)
resort
Um homem armado invadiu um cassino, disparou vários tiros e ateou fogo em mesas de jogos de aposta na região de Manila, capital filipina. O chefe da polícia do país afirmou que não há nenhuma indicação de que se tratou de um ato de terrorismo e o atirador responsável pelo ataque, que não deixou vítimas, foi morto.

O atacante "está morto". "Ele foi abatido por nossas tropas", informou o comandante da polícia nacional, Ronald dela Rosa, à emissora de TV GMA.

O grupo terrorista Estado Islâmico (EI) chegou a emitir um comunicado reivindicando a autoria do atentado, dizendo que o homem seria um de seus "soldados.

Dela Rosa afirmou à radio DZMM que apenas um homem conduziu a ação e não apontou ou disparou sua arma nas pessoas do local, o complexo turístico Resorts World Manila. Segundo ele, a motivação do homem seria a de tentar realizar um assalto. 

Disparos e altas explosões foram ouvidos logo após a meia-noite (hora local) nos prédios, localizados perto do Terminal Três do Ninoy Aquino International Airport e de uma base da Aeronáutica. 

"Não entrem em pânico, isso não é uma causa para alarme. Não podemos atribuir isso ao terrorismo", disse Dela Rosa. "Estamos trabalhando com a linha de uma tentativa de assalto, já ele não machucou ninguém e foi direito para  a sala de armazenamento das fichas. Ele estacionou no segundo andar e se dirigiu para o cassino, atirando contra uma grande tela de TV e jogando gasolina na mesa antes de atear fogo."  

Dela Rosa disse que o suspeito tinha uma aparência caucasiana. Segundo o policial, ele conseguiu escapar em meio à fumaça que impediu as câmeras de segurança de filmá-lo, mas foi perseguido e morto pela polícia.

Vídeos postados mais cedo nas redes sociais mostraram pessoas correndo com malas para deixar o local e fortes barulhos de explosões. Ao menos 13 pessoas receberam atendimento em um hospital perto por terem inalado fumaça ou se machucado ao deixar o hotel.

Reuters via Estadão 

 

 

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757