A deputada dos EUA Nancy Pelosi, líder da minoria. se encontra com o Dalai Lama em Dharamsala (Foto: REUTERS/Douglas Busvine)
dalai
Uma delegação do Congresso dos Estados Unidos visitou nesta terça-feira (9) o Dalai Lama, na Índia, onde vive desde que fugiu do Tibete após a invasão chinesa, procurando chamar a atenção do mundo para a situação dos direitos humanos no país, num momento em que o presidente norte-americano, Donald Trump, se empenha em estreitar os laços com a China.  As informações são da  Reuters.

A líder democrata na Câmara dos Deputados, Nancy Pelosi, viajou com uma delegação bipartidária até a cidade de Dharamsala, localizada em aos sopés do Himalaia e que serve de base para o líder budista de 81 anos. O encontro deve irritar a China, que vê o Dalai Lama como um separatista.

"Ao visitar o Dalai Lama, nossa delegação bipartidária vem em um espírito de fé e paz. Fazemos esta visita para sermos inspirados por Sua Santidade e demonstrar nosso compromisso com o povo tibetano, sua fé, sua cultura e seu idioma", disse Pelosi.

Momento delicado

A visita dos parlamentares acontece em um momento delicado para Trump. Durante sua campanha eleitoral, ele retratou a China como uma adversária comercial e manipuladora de moeda, mas agora quer o apoio do colega chinês, Xi Jinping, para conter a Coreia do Norte, que possui armas nucleares.

"Este é meu lar", disse o Dalai Lama apertando a mão de Pelosi depois de dar as boas-vindas à delegação em sua residência de madeira. Depois ele se corrigiu: "Este é meu segundo lar. Meu lar verdadeiro está do outro lado", disse, referindo-se ao Tibete, que foi incorporado pela China como uma de suas províncias.

“O convidado mais longevo

Mais tarde ele refletiu sobre sua sina de refugiado, desde que fugiu de sua terra natal, em 1959.     "Aqui, nos últimos 58 anos, tenho sido o convidado mais longevo do governo indiano", disse o líder religioso. "Mas, emocionalmente, (tenho) alguma preocupação com o que acontece nas profundezas do Tibete, e também na China propriamente dita, onde há 400 milhões de budistas."

O Dalai Lama disse que está disposto a visitar a China, mas que isso não é possível enquanto Pequim continuar a considerá-lo um "divisor perigoso".

Depois da eleição de Trump, em novembro, o Dalai Lama disse desejar se encontrar com o novo líder dos EUA. Mas agora é improvável que o Dalai, vencedor do Prêmio Nobel da Paz, receba um convite para a Casa Branca no futuro próximo - uma honra que presidentes norte-americanos recentes lhe concederam.

Da Agência Reuters via Agência Brasil

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757