Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

Leia mais...O ministro do Exterior norte-coreano, Ri Yong Ho, disse nesta segunda-feira (25) que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, está "declarando guerra"  à Coreia do Norte por meio de sua retórica e que por isso o seu país tem direito de derrubar aviôes de guerra americanos.

"Temos todo o direito de tomar contramedidas ... inclusive para derrubar aviões bombardeiros estratégicos dos Estados Unidos, mesmo quando não estiverem dentro do espaço aéreo do nosso país", afirmou Ho durante uma rápida conversa com jornalistas, em frente ao seu hotel próximo à sede das Nações Unidas em Nova York.

Ri Yong Ho estava falando especificamente das últimas declarações do presidente norte-americano sobre a Coreia do Norte postadas no Twitter no fim de semana, quando Trump disse que o líder da Coreia do Norte "não estará lá por muito tempo", insinuando que destituiria a dinastia de Kim Jong-Un. 

"No fim de semana Trump afirmou que nossa liderança não duraria muito mais tempo e declarou uma guerra no nosso país", afirmou o ministro norte-coreano aos repórteres.

Ele frisou que pela retórica de guerra de Trump - o seu país tem direito de reagir. "Teremos todo o direito de tomar todas as medidas contrárias autodefensivas, incluindo o direito de derrubar os bombardeiros estratégicos", comentou.

A Casa Branca ainda não se pronunciou sobre os comentários do ministro norte-coreano.

Guerra de palavras

A guerra de palavras entre os dois líderes aumenta a cada dia a tensão entre Washington e Pyongyang, especialmente depois do discurso de Donald Trump perante a ONU, em que o presidente americano ameaçou destruir a Coreia do Norte, caso o seu programa de armamento nuclear não seja abandonado.

No sábado (23) forças norte-americanas sobrevoaram o espaço aéreo próximo às águas norte-coreanas. O ministro do Exterior norte-corean disse que Trump estava em uma "missão suicida", devolvendo assim as palavras ditas pelo presidente americano na ONU sobre Kim Yong Un, a quem chamou de "homem-foguete", em uma "missão suicida".

"Ninguém além do próprio Trump está em uma missão de suicídio", disse Ri Ho em um discurso na na Assembléia Geral da ONU. Ele também falou que "se vidas inocentes dos Estados Unidos forem prejudicadas por causa desse ataque suicida, Trump será totalmente responsável".

Ainda na ONU, Ri Yong Ho também informou que seu país está entrando na “fase final" do estabelecimento de um sistema nuclear que tem fins de defesa e só será utilizado como "última opção". A Coreia do Norte já foi sancionada pelo Conselho de Segurança da ONU pela continuidade de testes com missieis balísticos e pelo desenvolvimento de armamento nuclear.

Da Agência Brasil

Leia mais...O governo chinês pediu nesta segunda-feira (25) à Coreia do Norte e aos EUA para acabarem com a escalada de ameaças e provocações e exortou-os a "parar de jogar gasolina no fogo", após um novo episódio de tensão dialética no fim de semana passado na Assembleia Geral da ONU. A informação é da agência Télam.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Lu Kang, disse que "a situação [na península coreana] continua muito complexa" na sequência da recente troca de ameaças entre o chefe diplomático norte-coreano Ri Yong-ho e o presidente dos Estados Unidos Donald Trump.

"Ambos os lados devem abster-se de aumentar as tensões com suas palavras e ações, não se provocando, mantendo a calma e não provocando emoções, mas procurando uma saída para o problema", disse o porta-voz chinês.

Da Agência Télam via Agência Brasil

Leia mais...Brigadas de resgate localizaram o corpo de uma mulher entre os escombros da escola Enrique Rébsamen, com o que subiu para 26 o número de mortos no local após o terremoto do dia 19 de setembro na capital do México, informou neste domingo a Secretaria da Marinha do país. A informação é da Agência EFE.

O corpo da mulher, que não foi identificada, foi encontrado 130 horas depois do momento do terremoto, ocorrido às 13h14 (horário local, 15h14 em Brasília) na última terça-feira, (19).

A Marinha confirmou que a busca de indícios de pessoas vivas entre os escombros do colégio vai continuar até que se tenha plena certeza de que não resta ninguém, nem sequer mortos.

O número de mortos no terremoto ocorrido no México chegou a 320, 182 deles na Cidade do México, 73 em Morelos, 45 em Puebla, 13 no Estado do México, seis em Guerrero e um em Oaxaca.

Da Agência Brasil via Agência EFE

Leia mais...O apoio dos cidadãos da Austrália à pergunta sobre a legalização dos casamentos entre pessoas do mesmo sexo continua sendo majoritário, segundo uma pesquisa publicada hoje (25). A informação é da Agência EFE.

Cerca de 16 milhões de australianos foram convocados a dar sua opinião a favor ou contra o casamento homossexual em uma pesquisa via correio e não obrigatória. A pesquisa termina dentro de 13 dias e os resultados serão anunciados em 15 de novembro.

A sondagem da firma Newspoll, publicada pelo jornal The Australian, indica que 57% da população é a favor da medida. No entanto, o apoio caiu seis pontos percentuais se comparado ao registrado no mês anterior, enquanto o apoio ao "não" cresceu de 30% para 34%.

Na sondagem realizada na quinta-feira passada (21), 9% se declararam indecisos ou optaram por não revelar a sua posição, entre os 1.695 eleitores ouvidos.

As fichas com a pergunta "Deve ser modificada a lei, para se permitir que pessoas do mesmo sexo se casem?" começaram a ser enviadas no dia 12 de setembro e até agora 15% dos eleitores as devolveram.

Se o "sim" ganhar na sondagem postal, o governo conservador permitirá aos seus deputados que proponham antes de Natal a reforma da Lei de Casamentos de 1961, que recebeu emenda em 2004 para detalhar que esta união é exclusiva entre um homem e uma mulher.

Mas se o "não" vencer, o governo deixará a reforma de lado. Os trabalhistas, que estão na oposição, prometeram que, se ganharem as eleições gerais previstas para 2019, organizarão um debate sobre o tema no Parlamento nos primeiros cem dias do seu mandato.

A votação pelo correio foi criticada por políticos e ativistas a favor dos direitos da comunidade LGTBIQ (de lésbicas, gays, transexuais, bissexuais, intersexuais e queers, expressão que designa pessoas que não seguem o padrão da heterossexualidade ou do binarismo de gênero). Eles consideram que o Parlamento deveria debater o tema diretamente e temem o impacto de campanhas de ódio.

A Austrália, que aceita a união civil em vários de seus estados, recebeu críticas de várias organizações devido à sua lentidão na legalização dos casamentos entre pessoas do mesmo sexo.

Em dezembro de 2013, o Tribunal Superior anulou uma lei que permitia este tipo de união no Território da Capital Australiana por considerar que transgredia a Lei Federal de Casamentos de 1961.

Também fracassaram propostas legislativas similares nos estados da Tasmânia e Nova Gales do Sul, cuja capital é Sydney.

Da Agência Brasil via Agência EFE

Leia mais...Líderes de vários países parabenizaram a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, que foi reeleita para um quarto mandato nas eleições gerais da Alemanha, no domingo (24).

De acordo com dados do Escritório Eleitoral Federal, a União Democrata-Cristã (CDU) de Merkel e a União Social-Cristã da Baviera (CSU) ficaram com 33% dos votos – queda de 8,5 pontos em relação às eleições ocorridas há quatro anos.

Já o Partido Social Democrata (SPD), liderado por Martin Schulz, caiu para 20,5%, mais de cinco pontos abaixo das eleições gerais anteriores e o pior resultado da história da legenda.

A ultradireitista Alternativa para a Alemanha (AfD), que nas eleições de 2013 ficou fora do Bundestag (equivalente à Câmara dos Deputados) ao não conseguir, por alguns décimos, o mínimo necessário de 5% dos votos, neste domingo conquistou 12,6%.

União Europeia

O presidente da Comissão Europeia (CE), Jean-Claude Juncker, parabenizou a chanceler ao falar em uma Alemanha forte: "A UE precisa, agora mais do que nunca, de um governo alemão forte", disse Juncker em carta enviada a Merkel.

Em entrevista coletiva diária, o porta-voz da Comissão Europeia, Margaritis Schinas, disse que Juncker conversou com a chanceler e a parabenizou por sua "vitória histórica pela quarta vez consecutiva".

O novo governo alemão deve ser "capaz de dar forma ativamente ao futuro do nosso continente", acrescentou o presidente da CE.

Juncker expressou também confiança de que as negociações para a formação de um governo de coalizão "contribuirão para isso".

Perguntado sobre a ascensão da extrema-direita, o porta-voz disse que "a Comunidade Europeia tem fé na democracia".

Schinas lembrou que Juncker se pronunciou em várias ocasiões sobre "a necessidade de evitar a autocomplacência" e "distinguir entre aqueles que questionam nossas políticas dos que simplesmente querem destruir a UE".

O presidente do grupo dos Socialistas e Democratas na Eurocâmara, Gianni Pittella, também se pronunciou sobre os resultados das eleições e agradeceu a Schulz pela "paixão" mostrada durante a campanha, que "infelizmente não foi suficiente".

Disse que agora começa uma "fase de renovação" no partido socialista alemão, que estará na oposição nesta legislatura, algo "em linha com o que decidimos fazer aqui no Parlamento Europeu".

França

Já o presidente da França, Emmanuel Macron, telefonou ontem para Merkel e disse que ambos vão continuar cooperando "com determinação" para a Europa e para os seus respectivos países. Em mensagem na sua conta do Twitter, Macron disse: "Continuamos com determinação a nossa cooperação essencial para a Europa e para os nossos países".

O porta-voz do governo francês, Christophe Castaner, reconheceu que a vitória do partido da chanceler é, na realidade, uma vitória "amarga" devido à ascensão de "uma extrema direita muito radical", em alusão ao partido Alternativo para a Alemanha (AfD), que conseguiu mais de 13% dos votos.

Em entrevista à imprensa Castaner destacou que neste contexto, "a relação franco-alemã é essencial" porque constitui "o motor que vai permitir mudar as coisas na Europa".

Amanhã em Paris, Macron deve informar sobre novas propostas para relançar a construção europeia através de "um mapa para transformar em profundidade o continente", disse Castaner.

"Se se quer lutar contra o nacionalismo, contra o populismo em cada país, é preciso uma Europa potente, uma Europa que proteja, uma Europa que liberte", disse o porta-voz.

Israel

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, saudou Angela Merkel em sua conta no Facebook e no Twitter. "Felicidades a Angela Merkel, uma verdadeira amiga de Israel, por sua reeleição como chanceler da Alemanha", escreveu o premiê que usa frequentemente as redes sociais para enviar mensagens políticas.

Consultado pela Agência EFE, o Ministério das Relações Exteriores israelense não se pronunciou sobre a ascensão da extrema-direita e sua chegada ao Parlamento, e disse apenas que "por enquanto não há reação" oficial.

Da Agência Brasil via Agência EFE

Leia mais...Voltaram ao Brasil 204 militares que faziam parte da Missão das Nações Unidas no Haiti. O voo chegou ontem (24) à noite na Base Aérea de Guarulhos, na Grande São Paulo. Os integrantes do 26º contingente enviado ao país caribenho foram recebido em uma solenidade, com música e cumprimentos de autoridades das Forças Armadas.

O comandante militar do Sudeste, general João Camilo Pires de Campos fez um discurso parabenizando os homens e mulheres pelos resultados da missão. O grupo ainda ficará por dois dias na base, antes de ir para casa, a fim de passar por exames médicos e procedimentos burocráticos.

O general Campos destacou os feitos dos militares brasileiros no Haiti. Segundo ele, além de pacificar o país, a missão, nos 13 anos de duração, foi fundamental durante os desastres naturais que ocorreram – o terremoto de 2010 e o furacão de 2016. “Contribuição para as missões humanitárias e estabilização do Haiti. E a contribuição para que a polícia nacional haitiana se consolidasse, como se consolidou”, afirmou.

A atuação fora do país também trouxe, segundo o general, expertise para as tropas brasileiras. “Voltamos muito mais ricos do que quando fomos, com aquela riqueza que o ladrão não rouba e a ferrugem não corrói”, acrescentou.

A desmobilização da missão no Haiti começou no fim de agosto. O primeiro voo com os militares brasileiros chegou na madrugada de sábado (23). Mais dois voos devem chegar até o fim de setembro, removendo cerca de 90% da força presente na ilha. O encerramento completo dos trabalhos deve ocorrer em 15 de outubro.

A desmobilização começou em 31 de agosto na capital do Haiti, Porto Príncipe. Ao longo da missão, 37,5 mil militares participaram dos esforços de paz. O objetivo era proporcionar estabilidade e segurança ao povo do Haiti, assim como assistência humanitária, depois que o país foi alvo de um terremoto que deixou mais de 220 mil mortos.

Histórico

Desde junho de 2004, quando foi escolhido para comandar o braço militar da missão de estabilização formada por tropas de 16 países, o Brasil enviou ao Haiti cerca de 37,5 mil militares. O maior contingente é o do Exército, que mobilizou 30.359 homens e mulheres. A Marinha enviou 6.299 militares e a Aeronáutica, 350. Vinte e cinco militares brasileiros morreram nesse período, incluindo dois generais.

Da Agência Brasil

Leia mais...Ao todo, oito pessoas ficaram feridas neste domingo (24) em um tiroteio em uma igreja da pequena cidade de Antioch, perto de Nashville, no Tennessee (Estados Unidos), informou o Corpo de Bombeiros.

As informações são da Agência EFE. O crime aconteceu por volta do meio-dia (hora local) na capela da Igreja Christ Burnette (foto), conforme a imprensa local.

"A equipe médica está atendendo oito pessoas baleadas na capela da Igreja Christ Burnette. O atirador está entre os feridos", indicou o Departamento de Bombeiros de Nashville no Twitter.

"Todos os feridos, exceto um, têm mais de 60 anos", detalhou o Corpo de Bombeiros.

O local foi cercado, e a polícia investiga o caso. Os feridos foram levados para hospitais da região. As motivações do crime ainda são desconhecidas.

"Os membros da igreja não feridos estão em um lugar seguro", acrescentaram os bombeiros, que não informaram quantas pessoas estavam no templo na hora da ação.

Da Agência EFE via Agência Brasil

Leia mais...O número de mortos no forte terremoto que atingiu o México na última terça-feira (19) subiu para 318, sendo 180 deles na Cidade do México, informou neste domingo o coordenador nacional de Proteção Civil, Luis Felipe Puente. As informações são da Agência EFE.

Em uma atualização do balanço de vítimas do tremor de magnitude 7,1 graus na escala Richter, Puente informou que outras 73 pessoas morreram em Morelos, 45 em Puebla, 13 no Estado do México, seis em Guerrero e uma em Oaxaca.

O México foi atingido ontem (23) por outro terremoto, uma réplica do sismo registrado na terça-feira, de 6,1 graus na escala Richter. O novo tremor causou pânico na capital do país e fez com que duas pessoas morressem infartadas por causa do susto.

Além disso, outras duas pessoas morreram no município de Assunción Ixtaltepec, em Oaxaca. No mesmo estado, na cidade de Juchitán, uma ponte e várias outras construções danificadas pelo primeiro terremoto desabaram após o segundo tremor.

De acordo com Puente, das 180 vítimas registradas na Cidade do México, 119 são mulheres e 61 homens. Do total, há 28 menores de idade entre os mortos. Uma pessoa ainda não foi identificada.

Além disso, as equipes de resgate conseguiram retirar com vida dos escombros 69 pessoas. Segundo o balanço divulgado por Puente, 37 delas estão hospitalizadas, 14 em estado grave.

Da Agência EFE via Agência Brasil

Leia mais...O primeiro-ministro do Iraque, Haider al Abadi, afirmou neste domingo (24), em um pronunciamento dirigido à nação, que o governo do país não reconhecerá o resultado do referendo de independência da região do Curdistão, previsto para amanhã (25). As informações são da Agência EFE.

“O referendo de secessão é uma decisão unilateral, contrário à Constituição e à convivência pacífica. Não vamos reconhecê-lo, tampouco seus resultados”, disse Al Abadi em rede nacional de televisão, destacando que tomará as medidas necessárias para “preservar a unidade do Iraque”.

O primeiro-ministro disse que o Iraque está enfrentando uma “tentativa de divisão sobre bases étnicas e nacionais, cujo objetivo é romper a unidade do país”.

Além disso, Al Abadi culpou os líderes da região de terem criado seus próprios problemas econômicos e negou que a crise vivida pela região autônoma tenha sido causada por Bagdá.

Al Abadi acusou, além disso, sem fazer menções diretas, os líderes curdos de se apropriar da produção diária de 900 mil barris de petróleo da região, o que equivale a 95% do total produzido no país.

“Por que não pagam os salários de seus funcionários com esses recursos?”, questionou Al Abadi, antes de reafirmar que os problemas do Curdistão são resultado de questões internas, como a “corrupção e a má administração” da região.

O primeiro-ministro do Iraque também afirmou que o regime de Saddam Hussein perseguiu iraquianos de todas as etnias, tentando rebater um argumento curdo, que se dizem vítimas de massacres cometidos pelo ex-ditador para obter a independência.

Da Agência EFE via Agência Brasil

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757