Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail
Sagres A Caminho da Copa

vila nova base

O meio-campista João Pedro, que estava nas categorias de base do Vila Nova, colocou em pauta um assunto polêmico: o atraso de salários para os garotos da base do time colorado. Em entrevista á RÁDIO 730, o jogador que acabou de ser relacionado para o time profissional, contava sobre a experiência de ter vindo vestir a camisa do clube e tocou na questão salarial contando das dificuldades do Vila em pagar os jogadores.

- No começo, eu até estava gostando (de jogar no Vila Nova), só que no momento, teve uma situação complicada, aliás desde o começo, que é a questão de salário. Os caras pegam muito nisso. Eles não dão muito valor pra base lá, entendeu. A base inteira do Sub-19, tem meninos com três meses de salários atrasados, o meu tá chegando quatro meses atrasados. O fato de eu ter chegado ao profissional, eles deviam dar uma condição pra mim. Ninguém dá satisfação, ninguém fala nada. Eles pecam muito com isso. Hoje em dia é necessário a gente ter um salário pra viver e a gente trabalha muito.

Perguntado sobre o Vila Nova ter tido a luz e a água cortada no clube na república onde os jogadores da base ficam concentrados, João Pedro disse que ouviu sobre essa história pelos seus companheiros e revelou que a direção também está deixando a desejar nesse quesito.

- Os meninos comentaram comigo mesmo, que teve um dia lá que ficou sem luz, sem energia. Parece que demorou quase um dia sem luz. Aí voltou de noite. Só que até nisso eles tão pecando. Não sei se eles tão deixando de pagar a conta de luz, de água, da casa que os meninos ficam. Fica complicado mais ainda. O pessoal desanima cada vez mais.

João Pedro também comentou sobre a possibilidade de deixar o Vila Nova caso o clube não resolva a situação dos salários atrasados. Ele revelou que tem uma decisão tomada.

- No momento, eu não decidi nada ainda. Com essa notícia agora de que eu subi para o profissional, agora vamos esperar. Ver se as coisas melhoram. Estou trabalhando em casa, pra voltar em janeiro bem. Estou na torcida também para que melhore para os meninos da base.

(Entrevista realizada pelo repórter Pedro Henrique Geninho) 

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757