Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

hemersonmaria.assessoriavilanovaVila Nova e Goiás farão o clássico mais esperado desse segundo turno, neste sábado (14), no estádio Serra Dourada, às 16h30. Opostos na tabela e faltando apenas um dia para o maior clássico do centro-oeste, a expectativa já começa a tomar conta não só dos torcedores, mas dos jogadores e também do técnico Hemerson Maria.

Em caso de vitória colorada, a equipe volta ao G4 torcendo pelo tropeço de seus adversários. Quem está na torcida pelo Tigrão é o ex-jogador, que trabalhou com Hemerson Maria no Fortaleza e no Joinville, onde o treinador foi campeão da Série B. Ele torce para que o comandante colorado leve a equipe à elite do Brasileirão. O treinador Hemerson falou sobre.

“Primeiramente não podemos fugir da responsabilidade que o clássico é um jogo a parte dentro do campeonato. Ele eleva muito a autoestima do torcedor, o nível de confiança dos atletas e é um jogo que pode alavancar de uma maneira forte ao objetivo. Não podemos esquecer que ele vale os mesmos três pontos dos jogos que disputamos em Criciúma, e que disputamos contra o Ceará. Tivemos uma semana bastante positiva de trabalho, conscientizando os jogadores da importância da vitória”, comenta. 

Falou ainda sobre o ex-jogado

“César Sampaio é um amigo que fiz no futebol. Brinco com ele que faz parte do meu currículo ter trabalhado com ele. Uma pessoa do bem, um excelente profissional, muito humilde, um cara batalhador que serve de exemplo para que eu siga minha carreira. Nós temos um vilanovense, que é o César Sampaio e que torce bastante com a filha dele", diz. 

O técnico Hemerson Maria tem o costume de fechar sempre o último treino antes de cada jogo, mas diferente dos outros jogos ele preferiu manter a privacidade na reta final da preparação diante do Goiás. Moisés e PH podem estar de volta para a partida. O técnico manteve o sigilo para surpreender o rival no clássico.

“A questão é o seguinte, eu vou enfrentar uma equipe local que ela já tem diariamente abastecida de muita informação. Tenho essas dúvidas como treinador de que se eu souber como a equipe adversária irá jogar com antecedência de três, quatro dias eu já faço uma preparação redirecionada para as peças que eu devo utilizar no jogo. Então eu tenho algumas alternativas e foram trabalhadas. Se o Hélio já soubesse de antemão, ele teria mais dias para trabalhar. A um respeito que tenho ao Hélio e ao Goiás, foi isso que tentamos fazer. Acredito que o treino secreto garanta que você vença o jogo, mas ele pode atrapalhar o adversário e foi isso que nós fizemos”, finaliza.

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757