Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

Foto: Assessoria Vila Nova
mazolajunior.assessoria
Após 12 anos sem chegar a uma final de Campeonato Goiano, o Vila Nova conseguiu este feito novamente, mas começou com o pé esquerdo. O time colorado perdeu o jogo de ida, em que era o mandante, para o Goiás por 3 a 0 e precisa agora devolver este placar para levar para os pênaltis.

Apesar de parecer uma missão difícil, o técnico Mazola Júnior está confiante no trabalho que foi realizado durante esta semana com a equipe. O treinador afirmou que o primeiro passo é mudar a forma em que jogou no primeiro duelo, colocar o time para correr atrás do placar já no primeiro tempo, mesmo que isso ofereça alguns riscos, e que a intenção é levantar o caneco.

“Vamos ter que agredir o adversário, ter um posicionamento diferente do que tivemos no primeiro jogo, precisamos fazer três gols, mas teremos que correr os riscos. Eles tem uma válvula de escape com o Carlos Eduardo, mas teremos que arriscar mais. Ninguém vai jogar somente para vencer o jogo, essa história de jogar por honra não existe. Vamos jogar para sermos campeões”, declarou.

Durante os primeiros 90 minutos o time colorado teve maior posse de bola e levou mais perigo, mas pecou nas finalizações. Apesar do otimismo para reverter o placar, Mazola Júnior disse que todo o clube ficou abalado com o resultado pelo desempenho que o grupo teve dentro de campo, e que o placar não traduz o que realmente foi o duelo.

“O Tigre está ferido, ninguém aqui tem sangue da barata, temos profissionais sérios e todos sentiram. Estudei aquela partida umas cinco vezes esta semana e realmente o resultado é ilusório, assim como chegou até mesmo a afirmar o presidente do adversário. O que eu mais temia não aconteceu, não tem ninguém de cabeça baixa. E é nessa expectativa que vamos para o jogo domingo, que possamos conseguir tudo ao contrário do que aconteceu domingo passado”, afirmou.

Mazola Júnior também pediu o apoio da torcida neste momento delicado, e a convocou para comparecer no Serra Dourada para acreditar ao lado do time que tudo é possível.

“Espero que o torcedor compareça, ninguém aqui entregou. Faziam 12 anos que nem na final estavam. Eu não percebi nenhum desânimo por parte da torcida. Depois de passar a tristeza, o torcedor viu que o Vila fez um grande jogo e sabe que o placar foi injusto. Temos esperança e espero que eles acreditem assim como nós”, finalizou.

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757