Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

Foto: Divulgação
tite2 1260x710
A Seleção Brasileira empatou nesta terça-feira (5) com a Colômbia por 1 a 1 , em jogo válido pelas eliminatórias. O resultado acabou com os 100% de Tite, mas para o técnico, pela atuação das duas equipes, foi justo ter terminado em empate, apesar que o Brasil desperdiçou chances as quais poderia ter levado a vitória.

"Fiquei mais contente pela consistência desse jogo do que no último. Nesse mantivemos o padrão de atuação que dá consistência a equipe. O resultado de empate é justo. Mas se tivesse um vencedor seria o Brasil, pelas chances que criou. Volto a ressaltar o grande jogo técnico. Tem que parar com essa história de porrada, de provocação. É jogo de futebol, um grande espetáculo que vimos hoje", afirmou.

Para o duelo desta terça-feira, o treinador optou por começar jogando com Fernandinho no lugar de Casemiro e Firmino no lugar de Jesus. O volante foi bem no jogo, ao contrário de Firmino que pouco apareceu. Tite falou sobre os jogadores.

"Quando é um processo criativo, como o do Firmino, há uma dificuldade maior de entrosamento. Quando é posicional, como do Fernandinho, fica mais fácil. Sei que o Firmino tem mais para dar, a atuação dele foi normal, ele tem mais para mostrar. Depende do entrosamento. Fernandinho e Casemiro podem jogar juntos, por exemplo. Entre os dois, escolho de olhos vendados. Os dois jogam muito", destacou.

Assim como no jogo diante do Equador, o meia Philippe Coutinho entrou no segundo tempo no lugar de Renato Augusto. Tite explicou o porque do meia ter entrado novamente na segunda etapa da partida.

"Essa pergunta eu fiz ao Cléber Xavier e ao Sylvinho. Uma coisa é entrar contra o Equador, numa pressão média baixa. A outra serve para avaliar contra uma equipe que agride, que tem consistência forte e joga em casa. O gramado poderia ser melhor para ajudar o espetáculo. Mas a minha equipe mostrou que pode manter a consistência. Podia manter o Renato e tirar o Paulinho, mas queria manter a sustentação pela direita por causa do cartão do Daniel Alves. Tenho essas opções, essas armas, esse canhão, e não posso deixar de usá-las", finalizou.

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757