Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

Uruguaios comemoram último título da Celeste, a Copa América de 2011 (Foto: FIFA)
uruguai copa america 2011
Se o Uruguai é tido como o melhor país para se viver na América Latina, além de ser pioneiro nas lutas sociais, a seleção de futebol do pequeno país no sul do continente não fica atrás e também tem bastante destaque.

O pioneirismo realmente está no sangue uruguaio, e a Celeste, apelido da seleção por causa da característica cor do uniforme, tradicionalmente utilizado desde 1910, realizou a primeira partida oficial de futebol na América do Sul contra a Argentina. Ao lado da vizinha Albiceleste, foi precursora do esporte no continente e desde então é um dos grandes exportadores de jogadores para o futebol europeu. Mesmo com a população pequena, de cerca de 3,5 milhões de habitantes, sendo o menor país a conquistar uma Copa do Mundo, o Uruguai é reconhecidamente referência na revelação de jogadores.

História reforçada pelo começo vitorioso do país. Foi o primeiro a conquistar o campeonato continental de seleções nacionais, hoje a Copa América, em 1916, assim como o primeiro sul-americano a ganhar o ouro nos Jogos Olímpicos, em 1924 (Paris) e 1928 (Amsterdã), à época reconhecido pela Fifa como título mundial. E sede da primeira Copa do Mundo, em 1930, deu sequência à geração de ouro, conquistando o título em casa.

O histórico gol de Ghiggia no Maracanazo de 1950 (Foto: El País)
ghiggia uruguai 1950
Na guerra política contra os europeus, que rejeitaram viajar até o país para participar do Mundial, também recusou participar dos campeonatos em Itália (1934) e França (1938), que seriam conquistadas pelos italianos, então sob o regime fascista do ditador Benito Mussolini, acusado de manipular os resultados para mostrar poder ao mundo através do esporte. Depois da Segunda Guerra Mundial, voltou a disputar a Copa do Mundo e frustrou os anfitriões brasileiros, protagonizando o histórico Maracanazo no gol fatal de Alcides Ghiggia no último jogo da competição, dando o segundo título mundial do Uruguai.

Este, porém, acabou sendo o último título mundial, que também não voltou a ter sucesso na Olimpíada, perdendo força no cenário mundial, ausente em cinco das últimas nove Copa do Mundo. De qualquer forma, no continente seguiu forte e venceu a Copa América em todas as décadas desde sua criação, a mais recente em 2011, seguido da melhor campanha em 40 anos da seleção no Mundial de 2010, com o quarto lugar.

Desde 2006, a história da seleção uruguaia passa pelo veterano treinador Oscar Tabárez. Escolhido pela federação depois dos vários fracassos do selecionado, há mais de uma década é a cabeça do projeto que ajudou a profissionalizar o futebol no país, valorizando as categorias de base. Atualmente não tem o mesmo prestígio, mesmo por sua resistência em renovar o grupo do time principal, mas está na história como o treinador com mais partidas por uma única seleção nacional e por restaurar a importância do Uruguai no esporte bretão.

Duas vezes campeão da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos, além de maior campeão da Copa América, com 15 conquistas, e o Mundialito de 1980, é a seleção com mais títulos internacionais do futebol, inclusive na frente do Brasil (17 títulos). Hoje está na cola da Seleção para garantir mais uma vez sua presença em um Mundial, dessa vez na Rússia, em 2018, com 23 pontos em 12 partidas nas Eliminatórias sul-americanas.

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757