Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

Foto: Rosiron Rodrigues
helio.rosironrodrigues
O Goiás encara seu maior rival, o Vila Nova no clássico deste sábado (14), no Serra Dourada, às 16h30, precisando da vitória. Na 14ª colocação, com 34 pontos, a equipe esmeraldina precisa vencer para afastar ainda mais do Z4 e de quebrar ainda mais a chance de classificação do arquirrival para a Série A do Brasileiro.

O clássico será de torcida única para o lado do Vila Nova. Pensando nisso, o Goiás fez nesta sexta-feira (13), um treino diferente de todos os outros quando enfrenta um clássico e abriu os portões da Serrinha para seu torcedor, que foram em peso. Além disso, Hélio dos Anjos sai bem no retrospecto diante do colorado, sendo quase 20 clássicos e apenas uma derrota.

"Primeira coisa que queremos deixar bem claro que a festa da torcida é muita em função destes torcedores não poderem abraçar e estarem lá fisicamente com a gente. Eu fechei a minha preparação em termos de conjunto e parte técnica na quarta-feira. Ontem desenvolvemos as bolas paradas ofensivas e situações de jogo. Ontem e hoje treinei bola parada defensiva como de praxe. O Vila está vivendo um momento excepcional, um time com identidade e que vem numa regularidade sobre a competição impressionante", afirmou.

Em sua apresentação, Hélio dos Anjos falou que o time do Goiás precisava adquirir identidade. No começo o treinador começou com três zagueiros em suas escalações e agora ele opta por três atacantes. Com Nathan, Carlos e Viçosa, foi perguntado se o time adquiriu essa tal identidade e o treinador respondeu.

"Quando falamos de adquirir identidade, não tem alguma coisa a ver com a parte tática, mas sim com saber o que queremos e fazer o que foi proposto. Com isso você começa a criar identidade. Eu sempre falo que nós temos ao longo da história do futebol brasileiro equipes distintas. Tínhamos o São Paulo de Telê, o Grêmio de Luis Felipe e o Flamengo o qual pude participar do elenco de 78,79 e 80 com outra identidade. Temos essas histórias de identidade, onde é você ter uma proposta de jogo. Eu vou jogar contra uma equipe que tem essa identidade, o Vila criou isso nessa temporada e o Goiás comigo sempre teve uma identidade. Acredito que essa intensidade vai ser a nossa grande marca nesse momento de recuperação e acho que o time está adquirindo isso", finalizou.

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757