Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail


Foto: Reprodução/ TV Anhanguera
torcidas 19382
Neste sábado ocorre o clássico entre Vila Nova e Goiás, no Serra Dourada, às 16h30. Para o confronto foi decidido que haverá somente uma torcida, que será a do Vila Nova por ser mandante da partida. O repórter André Rodrigue informou que dois torcedores do Goiás entram com um pedido de Habeas Corpus Liberatório, para que possam comparecer ao estádio. O advogado Douglas Duarte e  seu sócio Andrey Henrique Freitas Warzocha também solicitaram ao Comandante Geral da PM e ao Secretário de Segurança Pública que possam ser acompanhados com segurança. Em entrevista a reportagem da rádio 730, Douglas Moura explicou como entrou com o pedido.

“Eu e o Andrey entramos com o Habeas Corpus Liberatório para que eu e ele possamos ir ao jogo Goiás e Vila Nova. O artigo 5º da Constituição Federal prevê que será concedido Habeas Corpus sempre que alguém sofrer violência ou coação em sua liberdade de locomoção, por ilegalidade ou abuso de poder. Nesse caso,  é a  violência e a liberdade de locomoção que estamos sofrendo. Eu e o Andrey, paciente de violência e coação, somos torcedores do Goiás, como torcedores a Lei Pelé nos equipara a condição de consumidores do serviço prestado pelo clube mandante, que no caso é o Vila Nova. Mas em razão das liminares em vigência que estão valendo hoje, o jogo terá torcida única. Essas liminares não respeitam o regulamento geral das competições da CBF, que no artigo 86 manda reservar 10% da cota de ingresso, para o clube visitante. Em virtude dessas decisões, não terem respeitado a autonomia da justiça desportiva, que é assegurado pelo artigo 217 da Constituição Federal, nós pedimos Habeas Corpus, para que eu e Andrey consigamos ir ao jogo. Essa é a questão principal do nosso processo”, Douglas Moura

Os advogados entram também com pedido de segurança e explicam se o pedido para comparecer no estádio está limitado somente a eles ou podem chegar a outros torcedores.

“Fizemos o pedido do Habeas Corpus no plantão judiciário de Goiás e nós pedimos que eu e ele tenhamos garantido esse nosso acesso ao jogo no sábado. Pedimos também que seja oficiados o Comandante Geral da PM e o Secretário de Segurança Pública, para garantir a nossa presença com segurança no jogo e pedimos a intimação de todos os envolvidos, como o Vila Nova, a Federação Goiana, A CBF, a AGETOP e também o Goiás. Fiz um pedido para que seja garantido a outros torcedores esmeraldinos, o direito de aproveitarem a tutela provisória de urgência a ser deferida a favor de nós pacientes. Isso porque a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal  autoriza que outros interessados se aproveitem da liminar concedida em Habeas Corpus. Então por exemplo, foi deferida para mim e para o Andrey, outros poderão manifestar interesse via petição dentro dos autos do Habeas Corpus”, finaliza.

TORCIDA ÚNICA

O Tribunal de Justiça de Goiás acatou o recurso da advogada do Vila Nova, Neliana Fraga, e cassou a decisão do juiz Élcio Vicente. Em liminar, o juiz havia decidido o clássico deste sábado entre Vila Nova e Goiás com duas torcidas, mas com limite de oito mil torcedores para cada lado.  Com a decisão derrubada, prevalece torcida única na partida, ou seja, a colorada, que é a mandante.

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757