Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

Foto: Arthur Magalhães / Rádio 730
teojose.estudio.arthurmagalhaes
A edição desta sexta-feira (01) do programa Debates Esportivos, da Rádio 730, recebeu o radialista e empresário Téo José para uma participação especial. Téo, que é torcedor do Goiás declarado, comentou sobre vários assuntos de quando participava efetivamente do conselho esmeraldino e também do que vem acontecendo com o clube neste ano de 2017.

Confira abaixo alguns trechos da participação de Téo José:

Sobre Argel Fucks:

- O Rassi me ligou pedindo uma ajuda com dois treinadores que estava interessado e eu dei uma sondada, mas eles acabaram não vindo pra cá. E eles optaram por esta porcaria que estava aqui, o Argel. E eu falei que estava maluco, que não era treinador para o Goiás. Mas mesmo assim defenderam, fizeram uma coisa em conjunto, o Rassi, Osmar, Júnior Vieira e Marcelo Almeida e resolveram trazer o cara. Você tem que ver o passado hoje no futebol, e o que o Argel fez? Arrebentou com o Figueirense, não foi durante a passagem dele, e sim depois. Por onde ele passa deixa um rastro de destruição. Arrebentou com o Internacional, e o Goiás está arrebentado. Pode esquecer, o Goiás vai tomar muita porrada agora, pode esquecer, tem que pensar, no momento, sobre a Série C. O grupo está quebrado, destruído e não adianta vir com conversinha.

Sobre a renúncia de Sérgio Rassi:

- Eu não falo mal do Sérgio Rassi porque minha ligação com ele é desde os 10 anos de idade, é uma das melhores pessoas que conheço. Estive com ele no Goiás durante um bom tempo quando ele criou o Conselho da Presidência, o Colegiado é outra coisa. Esse Conselho era formado por sete pessoas e eu estava entre elas. Desde a época que o Ximenes chegou participei de quatro reuniões. Sempre fui contrário ao Ximenes.

Por quê?

- Porque ele não era um cara correto com o Goiás, ele não estava interessado que tivéssemos um bom time. Mas algumas pessoas lá dentro, inclusive o Sérgio, se encantaram com ele, achavam que o Ximenes resolveria a situação do Goiás, e eu já tinha informações que não era. Na reunião em que ele caiu mostrei para todos que das contratações que tinha feito o Rossi era único que poderia dar certo. Depois disso o Goiás entrou em crise. Se antes tinha bicho para 20 pessoas, com ele passou para 40. E eu avisava, mas eles não acreditavam então eu saí.

Sobre o novo presidente esmeraldino:

- Claro que estou do lado do Marcelo (Almeida), sou torcedor do Goiás, apaixonado pelo time, mas as coisas precisam mudar. Tem que ser um time mais aberto, precisa ter mais profissionais. Sempre falava nas reuniões: se você gasta R$20 milhões com o time profissional, tem que gastar R$10 milhões nas categorias de base, é o futuro. Não entra na minha cabeça a estrutura que o Goiás tem, o dinheiro que o Goiás tem aplicado e estar atrás de Atlético-PR, Chapecoense, Sport, Náutico.

- O Goiás hoje tem uma boa grana no banco por causa do Erick e do Bruno Henrique. Tem mais de R$35, R$40 milhões. Se o Marcelo (Almeida) estiver pensando em usar este dinheiro para montar um time, ele está errado. Não sei quanto o Goiás terá ano que vem, mas tem condições com o que recebe hoje ter um grande time de futebol, mas quantos jogadores foram contratados? 27!

Você acha que o Goiás vai ser rebaixado?

- Eu tenho esse receio, mas acredito que tem time pior que o Goiás para ser rebaixado.

Se o Vila Nova subir vai ajudar o Goiás?

- Sim, isso vai ajudar o Goiás. Já pensou quando aqui, no ano que vem, vocês forem falar numa sexta-feira do jogo do Vila Nova contra o Corinthians e o programa de duras ser dedicado uma hora e 40 ao Vila e 20 minutos ao Goiás? Já pensou que vai doer isso lá? A diretoria mal tratou demais o torcedor e precisam baixar a bolinha. E se o Vila subir isso vai doer demais no Goiás.

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757