Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail


Foto: Divulgação
carlos eduardo gec
Na última semana o Goiás contratou o atacante Nathan, de 23 anos, que estava sem espaço no Paraná. O jogador foi indicação do técnico Argel Fucks e chega com contrato até o final do ano. Assim como Carlos Eduardo, Nathan também joga mais aberto e é um velocista. Além dos dois, Michael e Jarlan também possuem a mesma característica, já que Viçosa passa a ser o centroavante com Gamalho afastado do time principal.

Apesar da forte concorrência na posição, Carlos Eduardo, que foi criado no Goiás, garante que a disputa é sadia e o único objetivo é ajudar o esmeraldino a melhorar neste segundo turno.

“Sempre busco meu espaço, quero estar jogando a todo momento que é o objetivo de todo jogador. O Nathan está chegando para nos ajudar, tenho certeza que vai somar. O Michael é um jogador de muito importância no grupo também e tenho certeza que quem o Argel escolher para jogar, vai ajudar”, afirmou.

O próximo compromisso do Alviverde é diante do Figueirense, no Orlando Scapelli, no sábado (12). A partida marca o início do segundo turno na Série B e também pressiona o Verdão a voltar com o triunfo, já que perdeu os dois últimos jogos (contra Inter fora, e Oeste em casa). Argel Fucks já teve três passagens pelo Figueira como treinador e já passou para o grupo do Goiás as dificuldades que serão encontradas.

“Por tudo que ele já viveu lá, sabe da dificuldade que é jogar lá no Orlando Scarpelli, time com apoio da torcida é forte. Ele falou também do clima que o estádio fica, mas temos que estar focados no objetivo que é a vitória, todos juntos vamos voltar para casa com os três pontos”, declarou.

Nesta semana o presidente esmeraldino Sérgio Rassi concedeu uma entrevista exclusiva para a Rádio 730 onde comentou que o Goiás possui a “síndrome do filho rico”, já que os jogadores tem tudo, mas não mostram resultados (clique aqui para ler a entrevista completa). Carlos Eduardo comentou sobre a declaração do presidente.

“O presidente tem a opinião dele, tem que deixá-lo falar, mas creio que ele vai mudar esse pensamento para o segundo turno e começar a nos enxergar diferente e que os jogadores que ele tem no clube não são do jeito que ele falou”, finalizou.

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757