Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

Foto: Assessoria GEC
marcelo rangel ass gec
O Goiás perdeu para o Juventude na última terça-feira (27), no Estádio Alfredo Jaconi, por 3 a 0. O time esmeraldino teve uma de suas piores atuações fora de casa e ainda por cima contou com algumas falhas individuais, como foi o caso de Marcelo Rangel. O goleiro alviverde teve uma de suas piores atuações desde que chegou ao Goiás e falhou feio nos dois primeiros gols do Juventude. 

Ao voltar para Goiânia na noite desta quarta-feira, ainda no aeroporto, Rangel que é conhecido por nunca fugir da imprensa independente do resultado da equipe, se disponibilizou a falar sobre o duelo. O goleirão assumiu as falhas, lamentou a derrota e pediu calma para a torcida neste momento de instabilidade do time. 

"Houve falha nos dois gols, acho que desde que eu cheguei ao Goiás é a primeira partida que acabei falhando, é um jogo para ser esquecido. É fácil vir nos microfones e falar quando você pega um pênalti ou faz cinco defesas importantes, mas quando erra tem que vir também. Na minha carreira nunca passei por aquilo, errar duas vezes de forma feia. Mas agora é equilíbrio, tranquilidade e trabalhar para acertamos individualmente. Sabemos que tem muita coisa pela frente, mas não podemos ficar adianto, temos que já reagir", afirmou. 

O placar negativo diante do Juventude não agradou em nada o presidente esmeraldino Sérgio Rassi, O mandatário, que estaca em um congresso médico em Viena, se pronunciou ao nosso repórter André Rodrigues por mensagem e afirmou que "providências serão tomadas". Apesar da forte declaração, Rangel destacou que não vê necessidade em grandes mudanças no time e que acredita no potencial do grupo e do técnico Sílvio Criciúma. 

"Não vejo que seja um momento de troca nem de treinador e nem de chegada de jogadores. Já falei isso antes e sigo afirmando: nosso grupo é muito bom, o trabalho do Sílvio vem sendo elaborado da melhor maneira possível, com treinamentos intensos, reduzidos, cobrando bastante. Tenho certeza que não é um momento de mudança, teremos 10 dias para trabalhar e todos precisam se cobrar individualmente para podermos vencer o máximo de partidas possíveis neste fim do primeiro turno", finalizou. 

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757