Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

Foto: Rosiron Rodrigues / GEC
Pedro Bambu
Neste domingo (5), às 17h, no Serra Dourada, o Goiás faz o seu primeiro clássico na temporada, o primeiro também de Pedro Bambu com a camisa esmeraldina. Quis o destino, que o primeiro clássico do volante fosse justamente contra o Atlético, seu ex-clube.

O time rubro-negro foi o clube que projetou Bambu no cenário do futebol nacional, já que anteriormente ele havia jogado apenas em times do interior do nordeste. Por isso, o jogador prega respeito em seu primeiro confronto contra o Dragão.

“Vai ser um jogo especial. Vou poder rever alguns amigos que deixei lá, pessoas por quem eu tenho um carinho enorme. Mas vamos nos dedicar bastante para conseguirmos uma boa vitória, claro, respeitando o Atlético, mas queremos fazer um bom jogo domingo”.

Bambu vestiu a camisa atleticana por quatro temporadas e foi uma peça importante nas boas campanhas que o time fez e principalmente no Acesso à Série A no ano passado. Com a oportunidade de disputar a primeira divisão do Campeonato Brasileiro, o atleta diz não estar arrependido de ter optado por vestir a camisa esmeraldina em 2017.

“Eu estou tranqüilo e tenho certeza que eu fiz a escolha certa. Tanto eu quanto minha família estamos felizes porque eu vir para o Goiás foi uma decisão em comum. Eu estou muito bem aqui pela estrutura que o clube me oferece e vou lutar para conquistarmos o nosso objetivo aqui de levar o Goiás à série A, assim como conseguimos lá (no Atlético)”.

Com tantos anos defendendo as cores do Atlético, Pedro Bambu fez muitos amigos em seu antigo clube e sabe do potencial de cada um dentro de campo. “Jorginho, Viçosa, são jogadores que conheço muito bem. Sei das qualidades e não só eu, mas todos nós aqui vamos procurar neutralizar os pontos fortes do Atlético para sairmos com um grande resultado”.

Em quatro anos com a camisa rubro-negra, Bambu marcou apenas seis gols. Por ser volante, balançar a rede adversária não é tão comum. Mas e se diante do Atlético surgir a oportunidade, vai ter ou não comemoração?

“Vai depender do momento do jogo. Tenho respeito pelo Atlético por tudo o que ele me ofereceu, mas estou orgulhoso de estar hoje no Goiás. Se eu fizer um gol, na hora eu vou decidir se vou comemorar ou não”, declara o jogador.

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757