Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

(Imagem: Reprodução/ANAF)
bruno rezende arbitro
A partida estava com placar de 2 a 1 a favor do Goiás, o relógio próximo dos 45 minutos apontava uma vitória com muita emoção para o time esmeraldino. Foi então que após uma falta cometida pelo volante Victor Bolt se iniciou uma confusão que ganhou voz nos microfones da imprensa presente no Estádio Anníbal Batista de Toledo e decretou o resultado final do embate.

Segundo o atacante Walter, o árbitro da partida, Bruno Rezende (GO), teria sinalizado ao jogador que era precisa que ele emagrecesse. A “acusação” do camisa 18 do Alviverde fez com que a Federação Goiana de Futebol (FGF) autorizasse o juiz a comentar o assunto após o confronto - algo que geralmente é evitado pelas entidades responsável por gerir os torneios de futebol.

“De maneira alguma aconteceu o que foi alegado pelo Walter. Tenho total respeito por qualquer atleta e instituições que disputam os Campeonatos Goiano e Brasileiro, onde apito. Tenho uma história de quatro temporadas atuando no Goianão, inclusive, trabalhei na final da última edição. Nunca tive nenhum problema com qualquer jogador, não seria hoje e não vai acontecer nunca”, declarou.

Leia mais: Gilson Kleina valoriza postura do Goiás, reclama de arbitragem e faz ‘pedido’ sobre Bolt

Bruno explicou que, na sua versão da história, a confusão aconteceu após a falta cometida pelo meio-campista Victor Bolt. “Os jogadores do Goiás me cercaram, estavam todos agitados. Ele (Walter) colocou a mão em mim falando que eu não deveria expulsar o Bolt, no entendimento dele. Retruquei para ele que não era necessário colocar a mão em mim e me puxar, somente isso”, explicou.

O juiz do duelo contra a Aparecidense, que terminou com placar final de 2 a 2, fez questão de ressaltar que possui um sistema de rádio que captou todos os diálogos e os dois assistentes Alexandre Amaral (GO) e Bruno Pires (GO) e o 4º árbitro Simião Antônio (GO) podem confirmar sua versão da confusão. “Em momento algum eu desmereci o Walter ou qualquer jogador do Goiás e Aparecidense. Não será hoje que vou encerrar minha carreira com uma atitude dessa”, comentou Bruno Rezende.

Questionado pelo repórter André Rodrigues, da Rádio 730, se pode tomar alguma iniciativa judicial contra o atacante Walter, Bruno preferiu não tomar qualquer decisão de ‘cabeça quente’. “Não escutei o que ele falou, para pensar em tomar qualquer atitude eu preciso ter conhecimento sobre o que ele falou. De imediato, não tenho nada contra o Walter, tenho total respeito por ele pelo Goiás Esporte Clube”, declarou.

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757