Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

Foto: Paulo Marcos / ACG
adson.paulomarcos 001
O Atlético empatou jogando em casa com o Bahia, no Estádio Olímpico, na noite dessa segunda-feira (11), por 1 a 1. O time rubro-negro segue na lanterna do Brasileiro com 19 pontos, cinco atrás do penúltimo colocado São Paulo. Após a surpreendente vitória diante do Corinthians em Itaquera, por 1 a 0, pela 22ª rodada do campeonato, as esperanças haviam aumentado em relação a permanência na elite.

Após perder pontos importantes em casa diante do Bahia, o diretor de futebol e vice-presidente executivo, Adson Batista, falou com exclusividade à Rádio 730 e admitiu que a situação está cada vez mais complicada. “Agora não tem volta mais, estamos no segundo turno. Empatar com o Bahia dentro de casa é uma situação que a cada dia está mais difícil, precisamos aprender a lidar com isso”, destacou.

Confira abaixo a entrevista completa:

O que você achou das estréias de Alisson e Ronaldo?

- Acredito que Walter e Alisson não tem condições de jogarem juntos, ambos possuem a mesma característica. São situações que faltou experiência para que certo momento do jogo pudessemos ganhar. Gostei do Ronaldo, é um jogador que tecnicamente tem qualidade.

Como você avalia as recentes atuações de Walter?

- Assim como muita gente, o Walter também não jogou bem. O Atlético tem uma característica de jogo há anos e tem perfil que não se adapta. Precisamos entender isso. Ele está lutando, se não foi bem é porque estava em um dia ruim.

Você pretende continuar com o João Paulo Sanches até o fim do campeonato?

- Vamos avaliar. O Atlético tem um planejamento que é fazer contensão de despesas. E isso será de acordo com os resultados, não adiante pensarmos em algo maior se não tivermos respostas. Quero ver o Paulinho jogar com o Ronaldo.

Como você avalia o desempenho da equipe diante do Bahia?

- Nós não soubemos jogar esse jogo. Era uma partida primordial para sonharmos, mas não tivemos Inteligência para jogar. Fizemos um gol e tivemos um primeiro tempo até aceitável, mas no segundo tempo entramos muito fechados e o Bahia começou a pressionar. Tínhamos que ter tido a percepção para adiantarmos a marcação, mas fizemos o contrário e pagamos um preço altíssimo por isso. Podíamos ter tirado proveito da desorganização da partida.

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757