Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

Foto: Petras / Rádio 730
jovair arantes petras
No último sábado (01), após o empate do Atlético com o Santos, no Estádio Olímpico, pela 11ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série A, a torcida rubro-negra presente começou a fazer protestos pelo momento ruim do time na competição. Alguns torcedores, em direção à tribuna do estádio (aonde ficam os dirigentes do clube), começaram a gritar para o diretor de futebol e vice-presidente executivo, Adson Batista. Os alvos eram ele e o presidente do Conselho Deliberativo, Jovair Arantes. 

Frases que continham palavras como "ladrões", "incompetentes" e "burros" foram alguns dos argumentos usados por parte da torcida. Esse palavreado não agradou em nada Adson Batista, que fez um desabafo sobre estar cansado da falta de respeito e reconhecimento do torcedor. Você pode conferir esta entrevista clicando aqui

Nesta segunda-feira (03), em entrevista exclusiva ao repórter Pedro Henrique Geninho, da Rádio 730, foi a vez de Jovair Arantes se pronunciar sobre o ocorrido. Jovair deu total apoio em relação às fortes declarações de Adson, desabafou sobre também estar cansado da forma como a torcida cobra, mas não apoia o time e deixou claro que não tem medo em deixar o comando do clube a qualquer momento, algo que incentiva Adson a fazer também. 

Confira abaixo a entrevista completa: 

O que você achou das declarações por parte da torcida do Atlético no último sábado? 

- Temos feito um trabalho histórico no Atlético, levando o time à Série A do Campeonato Brasileiro. A equipe não está bem, mas está igual aos outros, o poderoso São Paulo está com 11 pontos, quatro a mais que o Atlético. Eu não quero entrar nesta discussão, mas esses malandros que falam de mim e do Adson, que denigrem nossa imagem, nós que damos a vida pelo clube, somos homens honrados. Iremos entrar na justiça contra esses marginais que estão fazendo isso, vamos fazer o que tiver que ser feito para processá-los e quem quiser administrar o Atlético, que venha. O clube não é meu, não é do Adson e quem sabe no final do ano a gente já abandone o time e deixe esses bonitões assumirem.  

O Atlético consegue sobreviver sem você e o Adson no comando? 

- Tranquilamente. Esses torcedores aí que nos criticam sem parar na internet, denegrindo pessoas, podem assumir, passamos o clube para eles a hora que quiserem. Se não tiver uma manifestação de apoio ao Atlético da torcida, vou sugerir ao Adson que ele abandone o comando. Será um prejuízo enorme para a instituição, mas tenho certeza que o Adson vai ganhar muito mais. Ele tem mercado para trabalho em qualquer clube brasileiro, já vi times ligando e fazendo propostas muito maiores para ele sair daqui. Não vou permitir que ele seja sacaneado de forma injusta e não fazer nada. Não faço esporte para fazer propaganda, não preciso do Atlético para me eleger, nunca precisei e nem vou precisar. Não uso e nunca tirei um centavo do Atlético, aliás tenho lá dentro muito dinheiro que investi, mas não quero tirar nada de lá, quero apenas respeito pelo nosso trabalho. 

O orçamento prejudica o Atlético na Série A do Brasileiro? 

- O clube está na Série A com um orçamento de R$18 milhões para encarar equipes que, para citar o mais barato, é o Avaí de R$45 milhões. Eu não vou colocar mais dinheiro meu no Atlético, já chega! Ninguém mais vai colocar dinheiro lá, não iremos repetir esta bobagem. Conseguimos tirar o Atlético da lama! Nos últimos anos o time estava com uma divida de mais de R$120 milhões. Nós ajustamos tudo, negociamos, não devemos mais para ninguém. Aí vem meia dúzia de imbecis xingar lá no estádio. Eles possuem esse direito porque pagaram o ingresso, mas xinguem o clube, xinguem quem quiser, mas tenha respeito pela vida, pelas pessoas.  

Hoje, quem ajuda o Adson dentro do Atlético? 

- São pouquíssimas pessoas que dão apoio necessário ao Adson para comandar o clube, e isso desde o ano passado. Quem comanda hoje é o mesmo que comandou na campanha da Série B em 2016 que fomos campeões quase de forma absoluta. Não é o comportamento do clube que nos chateia, mas sim o de alguns imbecis que não vão ao estádio, que não dão um centavo, que acham caro pagar ingresso de R$20,00, R$10,00. Se colocarmos de graça também vão falar que é caro porque tem que pagar o ônibus para ir. Não queremos aplausos, separem o homem da política do homem do esporte. Estou falando como desportista, ninguém aguenta ficar enxugando gelo e ouvindo desaforo de uma torcida que não colabora, não vai ao estádio. O Adson tem razão para estar cansado, inclusive se ele quiser sair hoje do Atlético, nós combinamos e saímos os dois para esses bonitões assumirem. 

Contratar o Walter foi um erro? 

- Não foi um erro, foi uma aposta. Aposta você faz no futebol a todo momento, ainda acreditamos nele, acho que vai dar certo. O campeonato está só começando e sei que quando estiver pronto para jogar pode fazer a diferença. Se não der certo, tudo bem, apostas no futebol é assim mesmo. Quem autorizou a contratação do Walter fui eu, busquei os recursos para isso, o patrocínio necessário e foi uma aposta importante. Vamos contratar e organizar, isso não significa que vamos ou não cair, o importante é que o clube existe e está respirando numa Série A. Se cair, caiu, o Internacional foi rebaixado e está mal, o Vasco, Palmeiras todos já caíram. O Atlético também pode, mas pode também se reerguer e voltar. 

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757