Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

Foto: Paulo Marcos / Comunicação ACG
walteratletico.comunicacaoacg
Na tarde desta terça-feira (21), o Atlético apresentou oficialmente o principal reforço do clube nestes 80 anos de história: o atacante Walter. O jogador de 27 anos, que pertence ao Porto, de Portugal, chega emprestado ao Dragão até o final da temporada e vai disputar o Campeonato Brasileiro Série A e a Copa do Brasil com o manto rubro-negro. Sua estreia está prevista para acontecer na segunda rodada do Brasileirão, contra o Flamengo, no estádio Serra Dourada.

Durante sua coletiva de apresentação, Walter fez questão de elogiar bastante o diretor de futebol e vice-presidente executivo, Adson Batista, e revelou que a conversa que teve com ele foi o que mais pesou na hora de escolher o Atlético como seu novo clube. Walter também comentou sobre seus objetivos, foco, volta por cima, gratidão e vontade de fazer história no time rubro-negro.

Confra abaixo a entrevista do jogador:

Qual a diferença entre o antigo clube para o novo?

Eu saí da Serrinha muito triste com tudo que aconteceu e vi que não tinha mais condições de continuar lá, mas Deus é tão bom que colocou o Adson Batista no meu caminho. Ele conversou comigo frente à frente e falei para ele 'Estou fechado com vocês'. Tiveram outras propostas, mas da forma que ele falou do grupo, do treinador, do time, da estrutura e do projeto que ele tem, aceitei na hora e minha vontade é de ficar aqui durante muito tempo. Todos falam da estrutura do Goiás, e claro, é ótima, mas a do Atlético vai crescer demais ainda, porque podem contar em este cara (Adson), que é muito inteligente. 

De onde vem essa grande motivação que você está tendo aqui no Atlético e qual o principal motivo que te fez ficar em Goiânia? 

Tiveram outras propostas, mas o Adson conversou sério comigo, frente à frente, sou uma pessoa humilde e que gosta de sinceridade. Depois que ele falou comigo, recebi propostas de mais dois ou três times, mas já tinha definido para onde eu iria, só não falei o nome. Coloquei na cabeça que eu quero, quero dar a volta por cima, tenho certeza que não sou aquele monstro que muitos falaram. Se eu fosse, não estaria sendo tão bem recebido aqui, se estou sendo é porque fiz algo grande no futebol, e pode ter certeza que tentarei fazer algo grande aqui no Atlético para marcar meu nome na história do clube. 

Porque você acha que vai conseguir render mais no Atlético do que nesta sua última passagem pelo Goiás? 

Eu cheguei em 2016 no Goiás, ajudei o time a não cair para a Série C, e no ano seguinte não me colocaram para jogar. Eu pego ritmo é jogando, aqui estou tendo um trabalho de dois meses, que nunca tinha acontecido na minha carreira, o máximo que já havia permanecido foi um mês, no Atlético-PR e que deu muito resultado. Sem contar tudo o que eu conversei com minha família, minha mãe, essas coisas que aconteceram nos últimos meses não afetaram só a mim, afetaram a família toda. O Atlético foi lá e abriu as portas, tenho só o que agradecer a todos, treinador, jogadores, é um grupo excelente. O Walter sozinho não vai ganhar nada, o que vai ganhar é o grupo, foi assim que eles foram campeões da Série B. 

Você acha que faltou essa conversa olho no olho lá no Goiás, como a que o Adson teve com você? 

Com certeza, um diretor de futebol tem que estar sempre junto com o jogador. Querendo ou não é um braço direito que nós temos. Lá no Goiás saí de uma pré-temporada onde não alcancei meu peso ideal, e pouca gente sabe, mas eu machuquei o meu joelho no final do ano, onde precisava fazer uma cirurgia de riso, mas eles acharam melhor não fazer e aplicaram uma injeção. Esse joelho está me incomodando demais, por isso fiz a pré-temporada lá incompleta. Tenho um carinho muito grande pelo Goiás, construí uma história lá, mas acabou, vou construir uma nova história aqui no Atlético. 

Comprometimento maior com o Atlético do que teve com o Goiás para perder peso? 

Escutei muitas piadas sem graça sobre mim lá no Goiás, que eu fazia o que queria lá, e não é bem assim. Cada um tem o lugar que treina, tem um projeto diferente, perfil de trabalho diferente. Estou fazendo treinos aqui no Atlético que nunca fiz na minha vida e estou gostando muito, podem ter certeza que terá um ótimo resultado. Estou treinando muito e o mais importante é que estou muito feliz, e quando estou feliz em um lugar podem ter certeza que virá algo grande por aí. 

Você encara essa oportunidade no Atlético como uma grande possibilidade de dar uma volta por cima na sua carreira? 

Com certeza, onde eu passei fui bem, feliz. No Cruzeiro e no Fluminense não fui tão bem assim, mas o restante fui feliz e campeão, e é isso que vou repetir aqui, ser campeão e fazer uma boa campanha no Brasileiro. 

Como é estar sendo tão bem recebido aqui no Atlético? 

Deus é tão bom comigo que não só a torcida do Goiás ou do Atlético, mas a torcida toda do Brasil tem um carinho muito grande por mim, torce de verdade, pessoas que nem me conhecem. E ter essa confiança da torcida é muito importante, me sinto mais motivado, claro que eu sei que vão vaiar e cobrar, e isto é normal, já passei por isso em vários clubes que defendi. Mas em todos eles, a torcida gosta de mim. 

 

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757