Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

Foto: Murilo Nascente / Portal 730
marcelo cabo murilo nascente
O Atlético reencontrou o caminho da vitória no Goianão . Jogando contra o Crac, o rubro-negro venceu por 1 a 0, com gol de Jorginho. A partida marcou a estreia do time campineiro no estádio Olímpico em 2017. Apesar das duas vitórias e da liderança do Grupo B, o saldo do clube atleticano não é nada bom. Em quatro partidas, este foi apenas o segundo gol da equipe na competição, algo que novamente incomodou o técnico Marcelo Cabo, que ressaltou a qualidade e o modo de jogar do Dragão.

“Não podemos ficar o jogo todo no fio da navalha, onde correríamos o risco do empate em uma bola. Precisamos melhor isso. Mas, mais uma vez, passamos o jogo sem tomar sustos. Comandamos a partida. Só que precisamos transformar todos os números em gols para ter uma maior tranquilidade”, afirma.

Quem acompanhou a partida pôde perceber o quanto o técnico se mostrou preocupado em algumas partes do jogo. Marcelo explicou logo após a partida que a falta de gols vem tirando a sua paciência. Mesmo dominando o Crac durante todo o jogo, a finalização ainda não está no nível que Cabo deseja. Ao ser questionado se ainda falta muito para a equipe atingir o nível ideal, o treinador foi enfático ao ressaltar que “falta muito”.

“Falta muito. Precisamos trabalhar, mas com tranquilidade. Precisamos, também, ressaltar os três pontos. Sabemos que a proposta do Crac era de vir aqui, se defender, jogar no contra-ataque e na bola parada. Nós conduzimos o jogo inteiro e estávamos muito bem posicionados taticamente. Circulamos bem a bola, tivemos superioridade numérica pelos lados, boas tabelas e finalizações. Mas não adianta ficar falando isso toda hora e não concluir em gols. O que me irritou foi essa questão. Criar, mandar na partida, mas não transformar em gols”, ressalta.

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757