Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

Imagem: Reprodução/ACG
luiz fernando atc
Pé quente e competente. Foi assim que Luiz Fernando tornou-se uma espécie de talismã na campanha do título do Atlético da Série B do Campeonato Brasileiro. No ano passado foram 42 jogos disputados pelo meio-campista, mas o apelido pegou na fase final da competição nacional, quando o camisa 18 passou a marcar diversos gols decisivos depois de entrar no decorrer dos jogos. Dos dez tentos marcados em 2016, seis aconteceram após ele deixar o banco de reservas.

E a sina do jogador começou cedo. Durante coletiva realizada na última quinta-feira (12), Luiz Fernando lembrou do seu primeiro gol marcado com a camisa do Atlético. O detalhe? Ele balançou as redes após substituir um companheiro.

“Não tenho certeza se foi contra o Gama-DF ou Luziânia, mas tenho boas lembranças do Estádio Antonio Accioly. Lembro que precisei finalizar duas vezes para marcar o gol. Espero voltar aqui sábado (14) e fazer uma bela atuação. Fui feliz na base, aprendi muito jogando nesse campo”, comentou.

A volta ao Accioly, contra o Gama-DF em um jogo treino, será um pouco diferente já que o meia vai começar jogando por conta das saídas de Magno Cruz e Gilsinho. Tudo leva a crer que Luiz Fernando jogará ao lado de Jorginho e Willians. Todos dando apoio, principalmente na criação de jogadas, ao atacante Júnior Viçosa, que foi artilheiro da equipe no ano passado.

Mesmo com essa possível alteração, Luiz Fernando espera manter o crescimento futebolístico em 2017. “No ano passado treinei muito forte, desde a pré-temporada e consegui ajudar o Atlético. Espero que isso se repita neste ano. O Marcelo (Cabo) está pedindo para eu me aproximar mais dos atacantes e criar as principais jogadas. A intenção é continuar trabalhando forte para ajudar a equipe, fazendo de 2017 um ano muito importante como foi 2016”, declarou.

A importância do atleta para o clube é tão grande que o Atlético prorrogou seu contrato até o fim de 2020. De quebra, além do aumento salarial e cláusula contratual, Luiz passou a ser referência para os jogadores da base rubro-negra, principalmente para o elenco que disputou a atual edição da Copa São Paulo de Futebol Júnior, que fez história com a camisa atleticana após conquistar a melhor campanha do clube.

“Subi para o profissional em 2015 e é muito bacana saber disso. Eu saí de onde eles estão hoje. Sempre que eles (jogadores da base) falam comigo peço para não desistirem, é difícil, mas eles devem continuar trabalhando que uma hora vai dar certo”, finalizou Luiz.

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757