Atlético Goianiensebrasao-goias-3Vila Nova
appleandroidtwitterfacebookyoutubeinsta-bordaemail

Leia mais...Eu sou um tanto suspeita para falar sobre pipoca porque simplesmente amo e sou praticamente uma viciada! Se deixar, como todos os dias!!! E pensar que ainda tem gente que considere este um alimento sem graça... Mas, definitivamente, não dá pra pensar num cineminha sem pipoca, não é mesmo?

Só que agora a pipoca entrou na era da gourmetização, como dizem por aí, e ganhou espaço nos mais variados eventos, com apresentações em embalagens impecáveis e sabores até mesmo inusitados. A pipoca gourmet é uma novidade que chegou há pouco tempo e já conquistou muitos fãs. Em algumas, ainda dá pra sentir o gosto original mas, em outras, o chocolate prevalece.

E foi este o tema do quadro Toque Gourmet no programa Cidadania em Destaque desta sexta-feira, 22. A nossa convidada foi a Chef Elaine Moura, uma das pioneiras no universo das pipocas gourmets no Brasil e que já tem proposta para franquear de sua marca inclusive para fora do País. Além de falar sobre essa febre da gastronomia, ela dá dica de como gourmetizar sua pipoca em casa. Confira abaixo a entrevista! Ótimo fim de semana!

Leia mais...Eles são mania nos Estados Unidos, mas já caíram no gosto dos brasileiros. E o que é melhor, por aqui, tratamos de dar o nosso toque e tornar os cupcakes ainda mais gostosos! E como são lindos!... Da vontade de comer com os olhos!

Assados em forminhas e usados para servir em porções individuais, eles têm espaço garantido em toda mesa de doces que se preze. E ganham em riqueza de detalhes nas mais diferentes decorações e personalizações. Presença garantida nas mais diversas festas!

Além disso, os cupcakes são uma ótima opção para presentear! É só caprichar na apresentação com uma bela embalagem e ter a certeza de que vai agradar quem for receber.

No quadro Toque Gourmet do programa Cidadania em Destaque desta sexta-feira, 15, esta pequena delícia foi o tema do meu bate papo com a Chef Confeiteira Crevoci Machado. Você pode conferir a entrevista no link abaixo.

E para facilitar a vida de quem quiser testar a receita apresentada pela Chef Crevoci Machado, seguem transcritos os ingredientes e o modo de preparo. Então, mãos à massa e ótimo fim de semana pra você!

Leia mais...Tudo bem que os preços do leite e derivados estão nas alturas. Mas, quem consegue resistir a um delicioso pudim de leite condensado? Uma sobremesa fácil de fazer e que agrada 9 em cada 10 brasileiros. No último fim de semana, eu mesma me rendi à cremosidade deste sabor. Daí veio hoje o palpite de dividir com vocês a minha receita, que não tem nada de secreta, mas que todo mundo ama! Na verdade, é bem simples mesmo! Mas, antes disso, vamos a algumas curiosidades com relação a esta sobremesa.

Embora seja amado pelos quatro cantos do Brasil, o pudim, na verdade, surgiu em Portugal. As várias receitas utilizadas atualmente derivam de uma versão bastante exótica, atribuída ao abade português Manuel Joaquim Machado Rebelo, da paróquia de Priscos. Em meio às gemas de ovos, água e açúcar, um ingrediente em especial se destacava e hoje poderia causar estranheza: toucinho de porco. Dá pra imaginar? Mas, acredite, o Pudim de Priscos era sensação na cozinha portuguesa e foi aí que tudo começou.

Acredita-se que, já na época da colonização, o saboroso pudim de leite chegou ao Brasil, feito com muitos ovos, açúcar, leite gordo e farinha de amêndoas, além de um método de preparo que demandava muito tempo e trabalho. E foi só no século 19 que veio o toque de mestre brasileiro, graças às latas de leite condensado que, naquela época, eram importadas da Suíça. Com esse ingrediente adicionado à receita, veio a praticidade e ainda mais sabor!

No universo gastronômico, uma receita clássica de pudim não leva leite condensado. Mas, vamos combinar, com esse ingrediente, a sobremesa fica muito mais cremosa e gostosa! A receita a seguir é prática e, em justa homenagem ao abade que deu início a esta história, é de comer rezando!

PUDIM DE LEITE CONDENSADO

Ingredientes:

1 xícara (chá) de açúcar

1/3 xícara (chá) de água fervente

1 lata de leite condensado

1 lata de leite (a mesma medida do leite condensado)

3 ovos

Modo de preparo:

Eu costumo fazer o caramelo direto na forma do pudim, aquela com furo central. Se achar muito difícil, faça em uma panela mesmo e depois transfira. Leve o açúcar ao fogo para derreter e caramelizar. Movimente a forma ou panela em círculos para evitar que a calda queime. Eu não gosto de mexer com colher ou espátula, para não açucarar. Quando atingir a cor do caramelo, despeje a água fervente aos poucos e mantenha no fogo até que os torrões se derretam por completo e a calda fique homogênea. Agora é só caramelizar a forma e reservar.

No liquidificador, bata o leite condensado, o leite e os ovos. Quanto mais tempo você bater, mais aerado ficará. Se quiser o pudim com aqueles furinhos, bata bastante e utilize o forno com a temperatura alta para que o ovo coagule mais rápido e o ar da mistura não se perca. Pra quem prefere o pudim beeeeem lisinho, passe a mistura por uma peneira antes de levar ao forno, no máximo a 180º. Eu simplesmente bato no liquidificador o suficiente para misturar os ingredientes, uns 2 ou 3 minutos, no máximo, e já despejo na forma caramelizada.

Particularmente, gosto de cobrir o pudim a ser assado com papel alumínio, além de levar ao forno em banho-maria (com a forma do pudim dentro de outra forma com água). Também prefiro a cremosidade do cozimento lento e uniforme. Para isso, levo cerca de uma hora e quarenta minutos para assar a sobremesa a 180º. Esse pudim simplesmente desmancha na boca! Depois de assado, leve para gelar, desenforme e sirva. 

Leia mais...Considerado um dos pratos mais populares do mundo, a pizza é praticamente uma unanimidade aqui no Brasil. Difícil é encontrar quem não goste de saborear esta delícia. A origem exata deste disco de farinha de trigo coberto com molho, queijo e outros ingredientes não é muito precisa. O certo é que os italianos a transformaram num dos pratos mais populares e versáteis que existe.

De uma clássica e tradicional margherita, com muçarela, molho de tomate e manjericão, a uma ampla combinação de sabores, incrementados por ingredientes regionais, as possibilidades são muitas e contemplam todos os paladares. A paixão pela pizza foi o tema do quadro Toque Gourmet no programa Cidadania em Destaque desta sexta-feira, 8. Você ouvinte por conferir o bate papo com o Chef Pizzaiolo Jonathas Mateus Silva no link abaixo.

Além de falar sobre o Dia da Pizza, comemorado em 10 de julho em todo o território brasileiro, ele dá dicas para quem quiser bancar o pizzaiolo em casa e comemorar em grande estilo esta data. Pra finalizar, tem uma receita de pizza de chocolate com morango ao fim da entrevista, com orientações para o preparo desde a massa. Ouça e aproveite!

Mas eu também vou deixar aqui a minha própria receita de uma massa muito boa e fácil de fazer. O recheio eu deixo por sua conta! Não se esqueça de caprichar no molho e escolher ingredientes de qualidade para montar seus sabores preferidos!

PIZZA

Ingredientes:

10g de fermento biológico seco

120ml de água (aproximadamente)

1 colher (sopa) de açúcar

2 colheres (sopa) de azeite

250g de farinha de trigo

1 colher rasa (café) de sal

Modo de preparo:

Eu costumo fazer um pré-fermento, ou o que nossas avós chamavam de esponja ou massa mãe. Para isso, misture bem o açúcar, com o fermento biológico seco, 3 colheres de farinha de trigo, retiradas da medida total da receita, e um pouco da água da medida também. Misture bem e deixe descansar uns minutinhos. Você vai perceber que essa mistura vai dobrar de volume e ficar com aspecto esponjoso. Isso também é bom para você testar o fermento, já que terá a prova de que ele agirá na sua receita. Se preferir, pode fazer a fermentação direta também, acrescentando os ingredientes um a um, começando pelos secos e finalizando com a água, aos poucos, até chegar no ponto ideal.

Se tiver optado pelo pré-fermento, em uma bacia coloque a farinha de trigo e o sal, adicione o azeite, misturando bem, e finalize com a água, também aos poucos. Atenção: a quantidade de água pode variar de acordo com a marca de farinha utilizada, podendo precisar de mais ou menos água. Aqui vale uma dica comum para massas de pães: a massa tá dura, coloca água; tá mole demais, coloca farinha. Depois, é levar para uma bancada e sovar bem, para estimular o glúten. É ele que dá elasticidade e plasticidade às massas, permitindo que sejam abertas sem que se rompam e que também recebam diferentes formas nas modelagens.

Esta receita rende dois discos de pizza médios, dependendo da espessura que for abrir. Dessa forma, divida a massa em duas partes, modele em bolas e deixe descansar por cerca de uma hora. Depois, enfarinhe a bancada e, com um rolo, abra os discos de pizza, coloque-os na forma, fure com um garfo e leve para pré-assar por uns 10 minutos. Estará pronto para rechear ao seu gosto ou de seus convidados.

Algumas dicas:

Se você tiver crianças em casa, separe os ingredientes do recheio e permita que se divirtam montando as próprias pizzas. Meus sobrinhos amam fazer isso quando estão na minha casa!

A temperatura da água deve ser um morno que a pele suporte. Aquela mesma temperatura das mamadeiras dos bebês. Nem quente, nem fria. A água fria ou gelada, retarda a fermentação e a massa levará muito mais tempo para crescer. Quente demais, mata as leveduras e o fermento também perde sua eficácia.

Esta receita é fácil e fica muito boa! Minha preferência é pelas pizzas mais clássicas, com massa fina e dos recheios mais tradicionais: calabresa, margherita, quatro queijos, pepperoni. Mas o legal de se fazer em casa é criar sua própria à moda! Bon apetit!

Leia mais...É praticamente impossível pensar em boa comida sem se render aos prazeres da carne. Literalmente. Em seus mais diferentes cortes e preparos, ela atrai os sentidos... Primeiro comemos com os olhos... O aroma potencializa o desejo... E o paladar... Ah, essa é a melhor parte! Quando o prazer se completa ao saborear o prato perfeito!

Atendendo à sugestão dos colegas de redação, hoje vamos de carne aqui no Toque Gourmet. E a minha dica é um prato que, sempre que faço, todo mundo adora! Sofisticado, sem ser caro. Requintado, sem dar trabalho. O corte escolhido para esta postagem é o filé mignon. Bem macio, ele é perfeito para fazer rosbifes, estrogonofes e outras delícias. Então, escolha ingredientes de boa qualidade e aposte nesta receita se quiser impressionar!

FILÉ AO MOLHO DE MOSTARDA

Ingredientes:

1 kg de filé mignon

Sal e pimenta a gosto (eu costumo incrementar com algumas especiarias, mas você pode dar o seu toque de chef conforme seu paladar!)

Azeite para grelhar

Vinho tinto seco

1 cebola grande cortada em cubinhos

2 dentes de alho bem picados

1 colher (sopa) de manteiga

1 colher (sopa) de açúcar mascavo

½ xícara (chá) de mostarda

½ xícara (chá) de caldo de carne (se for caseiro, fica ainda melhor! Em breve farei uma postagem sobre isso.)

½ xícara (chá) de shoyo (aproximadamente)

200g de creme de leite (opcional)

Modo de Preparo:

Tempere o filé mignon inteiro. Cuidado com a quantidade de sal, já que vamos utilizar shoyo no molho. É melhor você corrigir o tempero no final! Numa panela, aqueça o azeite e sele a carne, dourando todos os lados da peça. Utilize o vinho tinto seco para regar aos poucos, impedindo que a panela queime e, ao mesmo tempo, preservando o suco e o sabor do filé. Eu faço isso no fogo alto, para atingir o ponto ideal da carne, dourada por fora e beeeeeeeeem suculenta por dentro!

Desligue o fogo, retire o filé e fatie. Se até aqui você tiver feito tudo direitinho, a carne estará apenas rosada por dentro. Para muitos, parecerá mesmo crua. Mas, calma! Ela ainda vai terminar a cocção no molho. E, por favor, não jogue fora o sangue que por acaso escorrer nesta etapa. Isso é quase o ouro neste prato! Deixe reservado, juntamente com os filés.

Na mesma panela em que grelhou a carne, derreta a manteiga e doure a cebola e o alho. Acrescente o açúcar mascavo e mexa bem, dando uma caramelizada. Adicione a mostarda, o shoyo, o caldo de carne e mais um pouquinho do vinho tinto, que vai bem! Junte a carne fatiada e todo o suco que saiu dela. Corrija o tempero e deixe que os filés cozinhem neste molho, em fogo médio, por aproximadamente 10 minutos.

O creme de leite na finalização é opcional e vai depender do seu paladar. Ele dá uma textura mais aveludada e suave ao molho. Sem esse ingrediente, este filé já fica delicioso e o molho dá uma encorpada quando reduz. Você pode alterar as medidas sugeridas nesta receita também, conforme lhe agradar. Tem gente que gosta de mais mostarda, por exemplo. A dica é que você experimente e adicione mais daquilo que preferir. Eu faço tudo no olho, por isso, essas medidas são mais sugestivas do que exatas. Lembre-se: o segredo do tempero ideal está no carinho que você dispensa ao preparar o prato!

Esta receita serve muito bem 4 pessoas e combina perfeitamente com arroz branco, legumes cozidos no vapor e o que mais a sua imaginação mandar.

Leia mais...É praticamente impossível pensar em boa comida sem se render aos prazeres da carne. Literalmente. Em seus mais diferentes cortes e preparos, ela atrai os sentidos... Primeiro comemos com os olhos... O aroma potencializa o desejo... E o paladar... Ah, essa é a melhor parte! Quando o prazer se completa ao saborear o prato perfeito!

Atendendo à sugestão dos colegas de redação, hoje vamos de carne aqui no Toque Gourmet. E a minha dica é um prato que, sempre que faço, todo mundo adora! Sofisticado, sem ser caro. Requintado, sem dar trabalho. O corte escolhido para esta postagem é o filé mignon. Bem macio, ele é perfeito para fazer rosbifes, estrogonofes e outras delícias. Então, escolha ingredientes de boa qualidade e aposte nesta receita se quiser impressionar!

FILÉ AO MOLHO DE MOSTARDA

Ingredientes:

1 kg de filé mignon

Sal e pimenta a gosto (eu costumo incrementar com algumas especiarias, mas você pode dar o seu toque de chef conforme seu paladar!)

Azeite para grelhar

Vinho tinto seco

1 cebola grande cortada em cubinhos

2 dentes de alho bem picados

1 colher (sopa) de manteiga

1 colher (sopa) de açúcar mascavo

½ xícara (chá) de mostarda

½ xícara (chá) de caldo de carne (se for caseiro, fica ainda melhor! Em breve farei uma postagem sobre isso.)

½ xícara (chá) de shoyo (aproximadamente)

200g de creme de leite (opcional)

Modo de Preparo:

Tempere o filé mignon inteiro. Cuidado com a quantidade de sal, já que vamos utilizar shoyo no molho. É melhor você corrigir o tempero no final! Numa panela, aqueça o azeite e sele a carne, dourando todos os lados da peça. Utilize o vinho tinto seco para regar aos poucos, impedindo que a panela queime e, ao mesmo tempo, preservando o suco e o sabor do filé. Eu faço isso no fogo alto, para atingir o ponto ideal da carne, dourada por fora e beeeeeeeeem suculenta por dentro!

Desligue o fogo, retire o filé e fatie. Se até aqui você tiver feito tudo direitinho, a carne estará apenas rosada por dentro. Para muitos, parecerá mesmo crua. Mas, calma! Ela ainda vai terminar a cocção no molho. E, por favor, não jogue fora o sangue que por acaso escorrer nesta etapa. Isso é quase o ouro neste prato! Deixe reservado, juntamente com os filés.

Na mesma panela em que grelhou a carne, derreta a manteiga e doure a cebola e o alho. Acrescente o açúcar mascavo e mexa bem, dando uma caramelizada. Adicione a mostarda, o shoyo, o caldo de carne e mais um pouquinho do vinho tinto, que vai bem! Junte a carne fatiada e todo o suco que saiu dela. Corrija o tempero e deixe que os filés cozinhem neste molho, em fogo médio, por aproximadamente 10 minutos.

O creme de leite na finalização é opcional e vai depender do seu paladar. Ele dá uma textura mais aveludada e suave ao molho. Sem esse ingrediente, este filé já fica delicioso e o molho dá uma encorpada quando reduz. Você pode alterar as medidas sugeridas nesta receita também, conforme lhe agradar. Tem gente que gosta de mais mostarda, por exemplo. A dica é que você experimente e adicione mais daquilo que preferir. Eu faço tudo no olho, por isso, essas medidas são mais sugestivas do que exatas. Lembre-se: o segredo do tempero ideal está no carinho que você dispensa ao preparar o prato!

Esta receita serve muito bem 4 pessoas e combina perfeitamente com arroz branco, legumes cozidos no vapor e o que mais a sua imaginação mandar.

Leia mais...Julho chegou e nada melhor que o primeiro dia do mês para estrear este novo espaço. Há quase dois meses, lançamos o quadro Toque Gourmet no novo Cidadania em Destaque. Uma vez por semana, especialistas da Gastronomia participam do programa com dicas e receitas que vão te ajudar a arrasar na cozinha. Aproveitando esta minha grande paixão pela magia das panelas, aceitei o desafio de escrever sobre o tema. Aqui, poderemos trocar experiências e, principalmente, deliciosas receitas!

E nesta primeira postagem vamos pegar carona no alto preço do feijão. De item essencial da cesta básica, passou quase à condição de artigo de luxo. Além do sabor próprio e, para muitas pessoas, insubstituível, o feijão tem alto valor nutricional: é rico em fibras, ferro, proteínas vegetais, entre outros nutrientes. 

Para não pesar no orçamento e nem comprometer a qualidade de sua alimentação diária, a dica é substituir o tradicional arroz com feijão por novas combinações, também do grupo das leguminosas. Lentilha, ervilha e grão de bico são excelentes opções, que podem variar de acompanhamentos em saladas até a mistura direta com o próprio arroz. Uma maneira de diversificar o cardápio sem perder proteínas, ferro, cálcio, magnésio, zinco, vitaminas (principalmente do complexo B), carboidratos e fibras.

Certamente, algumas pessoas vão torcer o nariz, mas vale experimentar antes de simplesmente criticar. Você pode se surpreender! Financeiramente, a opção mais viável é a ervilha. E, para mim, esta é também a mais gostosa! Que tal, então, aproveitar o clima mais ameno do inverno para apostar numa receita super fácil de fazer? Siga a receita e bom apetite!

CREME DE ERVILHA

Ingredientes:

1 cebola picada em cubinhos

2 dentes de alho picadinhos

150g de bacon em cubos pequenos

150g de calabresa cortada em cubos

1 pacote de ervilhas secas (você encontra na seção de fubá e pipoca dos supermercados)

Sal e pimenta a gosto

Cheiro verde, queijo ralado e torradas para acompanhar

Modo de preparo:

Frite o bacon em sua própria gordura e aproveite para fritar a calabresa também. Escorra o excesso de óleo e reserve os ingredientes fritos. Eu costumo fazer isso já na panela de pressão para aproveitar o sabor dos embutidos no cozimento das ervilhas. Na mesma panela, refogue a cebola e o alho, junte as ervilhas, sal e pimenta, cubra com água e leve para cozinhar na pressão por aproximadamente 30 a 40 minutos. A quantidade de água para o cozimento da ervilha segue a mesma proporção do feijão. Retire a pressão da panela, ajuste o sal e escolha a consistência que melhor lhe agradar. Eu prefiro um creme mais encorpado e normalmente acrescento água aos poucos até chegar ao ponto desejado. Se preferir um caldo mais fluido, pode bater com um pouco de água no liquidificador e depois retornar à panela. Junte o bacon e a calabresa fritos, misture bem e sirva, acompanhado de cheiro verde, queijo ralado e torradas. 

Ouça a 730
apple android
(62) 98400-1757